sábado, 7 de julho de 2012

Aquela Cara de Cafajeste


   Ansioso, cansado e com um cara na cabeça - foi como cheguei à sauna, por volta das 17h30 duma fria segunda feira. O tal cara é a maior roubada dos últimos tempos - paixão platônica, fadada à platonice eterna - mas não me parece fácil livrar-me desse fantasma. Só de pensar nele, sinto-me estrangular. E o coração disparado. Mesmo agora, enquanto escrevo, a sensação de aperto na garganta me intriga.

   A primeira impressão do "casting" daquela tarde foi desoladora. Entretanto, com paciência, sempre tem aparecido alguém interessante. Quando passo por longos períodos frequentando esses lugares, o sexo vai perdendo grande parte do encanto e, consequentemente, do sentido. Torna-se automático, superficial, depois obsessivo e, finalmente, uma obrigação a ser cumprida.

   O tempo ia passando e naquele dia só apareceu um cara que era realmente bonito: cara de bom moço, um tipo de beleza não muito chamativa, a qual talvez faltasse agressividade, força. Era um homem suave. E inteiro bonito. Eu o perdia de vista facilmente. Muitas vezes o confundi com um garoto de altura e cabelo parecidos. De passagem pelo banheiro do primeiro andar, vi o bonitão parado, conversando com um sujeito - este musculoso e muito tatuado, ostentava uma indisfarçável cara de cafajeste. Foi este último quem mexeu comigo. Passou a mão na minha bunda e soltou uma cantada surrada, preguiçooosa. Eu estava tão concentrado no outro cara, que nem percebi que já conhecia o tal cafajeste - era o Chico, com quem fiquei da vez anterior que havia estado ali. Ri da brincadeira (que se apagou da minha memória rapidamente) e segui reto.

   Um pouco mais tarde, descendo as escadas, cruzei com o tal bonitão apagado, outra vez acompanhado. Mas desta vez nos olhamos e foi ele quem  falou comigo:

   -Já está descendo?

   -É, ia descendo... - eu disse, dando meia volta.

   -Ainda não é hora de descer! - disse, rindo. O menino que subia conversando com ele, desapareceu nesse instante (ao menos da minha percepção). Subimos ao corredor do primeiro andar. Eu estava flutuando:

   - Qual é o seu nome?

   -Cauã e o seu?

   -Yuri. Quantos anos você tem?

   -Trinta e dois. O meu amigo que gostou de você, né? - disse, apontando.

   Era o Chico que passava por nós (só então o reconheci). "O meu amigo que gostou de você", essa frase ainda ecoava desconfortavelmente na minha cabeça. E se mostrava um péssimo sinal.

   -Vieram juntos? - perguntei.

   -Não, a gente se conheceu aqui. É Victoria's Secret?

   -O que?!

   -Esse hidratante, é Victoria's Secret?,

   -Não... e nem é hidratante... eu não uso - perdi-me sem compreender porque ele falou com tanta certeza que eu usava um hidratante - Tomei banho aqui mesmo... Ou talvez seja o perfume que passei de manhã.

   O Roger apareceu no corredor, passou por nós, me cumprimentando.

   -Seu amigo?

   -É, um conhecido.

   -Se conheceram aqui também?

   -Não, já nos conhecíamos de outros lugares. (pausa - eu o olhava diretamente nos olhos, fascinado por sua beleza austera e elegante) Você é um homem muito bonito - eu disse finalmente,  tocando-lhe o ombro. Ele também me tocou levemente:

   -Obrigado! Bom, vou dar uma volta. A gente se fala... - e saiu com uma piscada de olho.

   Fiquei estático e pensativo por alguns momentos naquele corredor escuro. A luminosidade da porta do grande banheiro chegava até mim, bem como as sombras frenéticas de seus usuários. Era um daqueles momentos em que o tempo fica em suspenso. Despertei quando um garoto me abordou. Foi muito simpático, mas não era definitivamente o tipo de homem que me atrai. Moleque (23 anos), mulato claro, não bonito. Não que fosse horroroso, mas não tinha nada que me interessasse. Em alguns minutos, o Roger veio juntar-se a nós, propondo um ménage e aproveitando pra se esfregar em mim. O nome do garoto é Gabriel, de Salvador. Quando a atenção do Roger voltou-se para o menino, eu me mandei. O carinha veio atrás de mim:

   -Espera! - vinha arfante - Aquele lá é tarado, né? Eu gostei muito de você... Veja aqui - disse, puxando minha mão para o seu pau.

   Notei que estava duro e era gigantesco. Tocá-lo me deixou de pau duro também - e isso me surpreendeu. Ele me puxou para uma cabine, me chupou e beijou. Por mais que fosse supersimpático, cheiroso, que me chupasse gostoso e tivesse um pau lindo, eu só pensava em sair dali. Mas ele inventou de pegar um quarto para ficar comigo.

   -Não, bobagem, está bom aqui...

   -Eu quero no quarto! Você merece um quarto.

   -Não, deixa quieto...

  Me puxou pelas escadas e não sossegou enquanto não trocou o seu armário por um quarto. Conversamos um pouco, mais sobre suas atividades profissionais. Na cama, eu o beijava pensando no meu rolinho platônico:

   -Que beijo! Você é uma delícia... Quer me comer?

   -Não... Não estou a fim

   -Por que não?

   -Estou cansado. Vou dar uma volta.

   -Dá seu numero pra mim?

   -Anota... (fiz a burrada de dar o número certo)

   -Se você vai embora, eu vou pro hotel. Não tem mais nada pra fazer aqui. Não quero te ver com outros caras.

   Eu me sinto mal de ficar com alguém só pra ser simpático, de sucumbir a alguém insistente (dramático, no caso), e também de interromper uma transa. Tenho a impressão de ser incapaz de aprender a respeitar meus limites.

   O Chico passava pelo corredor vazio, e parou quando me viu. É um corpo tão lindo! Ele não é tão alto quanto eu me lembrava, talvez 1,85m. E seu rosto é mais pra feio. Feio o descreve melhor que "não bonito". Parece uma década mais velho do que diz ser e, não sei por quê, não me parece confiável. Aquela carinha de cafajeste. Mas me atrai - é másculo, gostoso, simpático, sedutor. Eu me aproximei e ele entrou num quartinho vazio e escuro. Nos beijamos. O contato com ele me deixa sempre instantaneamente excitado. Virou-se de costas pra mim e pediu em sua voz grave e rouca:

   -Chupa o meu cu.

   Deslizei a boca por suas costas, pelo cóccix, pelos glúteos. Reconheci o cuzinho com a ponta da língua. Ele o mantinha, como da outra vez, sempre tenso.

   -Relaxa, deixa eu meter a língua em você.

   -Vamos pro banheiro - sussurrou.

   Me puxava pela mão. Roger e Cauã conversavam e viram quando entramos num dos chuveiros reservados, com porta. Demoramos ali dentro. Nos chupamos de cabo a rabo (literalmente) e eu fodi aquela bunda gostosa outra vez. Ele tinha trazido um envelope de lubrificante, mas mesmo assim foi difícil de penetrar.

   -Fica de quatro pra mim?

  -Aqui vai ser difícil, hein? - disse avaliando o chão, com evidente repulsa.

   Gozei dentro dele e foi muito forte, cheguei a ficar zonzo, com o coração disparado, latejando na garganta, a respiração ofegante - até pensei que fosse ter um troço. Antes de tirar o pau de dentro, esperei que ele gozasse também. Minha camisinha estava cheia, dei-lhe um nó e deixei num canto. Tomamos uma ducha, banhei seu corpo minuciosamente. Como na semana anterior, depois da transa, ele deitou num banco da sauna seca e ficou quieto, aéreo, parecendo amuado. Mais um pouco e fui sentar ao lado da sua cabeça, acariciando seu peito.

   -E aí garotão, aprontando muito? - perguntou como se não me conhecesse.

   -Um pouquinho...

   -Já gozou?

   -Já. Dentro de você.

   -Foi? (pausa) Sabe fazer massagem?

   -Me diga você...

   Ele se virou de bruços e eu o massageei. Pediu que me concentrasse no ombro esquerdo, sobre o qual teria dormido de mau jeito. Abaixei um pouco a sua toalha e lambi seu cóccix, a lombar. Só de pensar naquela bunda, meu pau fica duro. Deitei sobre seu dorso por alguns minutos e me despedi:

   -Está muito quente aqui.

   O bartender era o moicano gato. Sorriu pra mim quando notou que eu seguia um rapaz bonitinho que passou pelo bar em direção dos armários. Era bem jeitosinho até e o reencontrei lá em cima, no labirinto. Olhava pra mim, sempre esperando que eu me aproximasse. Boa altura, bom corpo, rosto agradável, jovem. Entrou numa cabine sem portas e o segui. Nos tocamos, nos beijamos, mas não rolava, não encaixava. Seu toque era mole, displicente, medroso. A pele, o beijo, o cheiro - nada me seduzia. Deixei-o só, e quando o reencontrava no claro, era outra vez fisgado pela sua beleza comum, pelo seu olhar indefeso. Sempre parado sob um foco de luz, sempre solitário.

   Nos corredores, reapareceu o Chico e me puxou. Estava conversando com um cara que me apresentou como sendo seu primo. É o mesmo grandalhão mortiço também presente na semana anterior, que o Cássio disse ter pau pequeno. Outro corpo lindo (bombado) e rosto relativamente feio (exceto pelos claríssimos olhos verdes). Tem cara de caipira e seu nome me lembro ser Juliano.

   -Primo, este é o meu marido, conhece?

   -Você casou, primo?

   -Tá aqui, meu marido.

   Pelo que entendi, eles são de Santa Catarina e moram juntos num apartamento ali perto da sauna. O Chico começou a me beijar e o outro fez-se de horrorizado. Virou-se de costas para nós, com as mãos postas, pedindo a Deus que nos salvasse e iluminasse nosso caminho de perdição. Mais um pouco e ele se foi, ainda rindo, o rosto ruborizado - parecia um pouco envergonhado de verdade.  É decepcionante a ingenuidade que pode esconder um monte de músculos. Chico queria mais massagem. Virou de costas no meio do corredor vazio e abaixou a toalha. Eu o massageei e lambi sua bunda. Entramos numa cabine sem porta, parcamente iluminada, e continuamos nossa "massagem". Não sei estar ao seu lado sem lamber aquela bunda, simplesmente não sei! Agora ele teve uma iluminação repentina:

   -Lembrei de você, da semana passada.

   Falou minha profissão, minha cidade natal, minha idade. Também queria o meu telefone. Descemos e fiquei surpreso por ele saber qual era o meu armário. Disse que me viu chegar. Anotei seu numero na agenda do meu celular e ele se foi. Olhava pra trás e baixava a toalha, mostrando a bunda que eu tanto havia exaltado, como quem dissesse: "Olha o que tem aqui, me liga". Eu ria como otário, hipnotizado por aquele corpo Michelangeliano. Tá na cara que se trata de um sacana, mas dá vontade de revê-lo. Mais tarde, reparei em dois garotos bonitinhos, estavam sempre juntos, conversavam bastante, riam. O de corpo mais bonito, encontrei na sauna seca e sentei-me a sua frente. Pouco depois, veio o Chico e sentou do meu lado, olhando pro guri também, ignorando a minha presença. Parecia uma disputa. Não contente, foi sentar ao lado do garoto, e como este continuava olhando pra mim, cruzou as pernas e pôs-se a olhar em minha direção também. Eu não entendia o que se passava. Não sei se ele estava interessado no garoto, se em mim, se queria disputar o carinha comigo, ou se era só birra, pra atrapalhar o meu rolê. Olhava na minha direção como para um objeto, sem expressão que se comunicasse comigo. Aquilo ia me irritando num crescente desgovernado.

   Desci pro bar e sentei numa poltrona. Já era outro bartender, o único sem graça que vi ali. Um tipo bastante espalhafatoso se aproximou, conversando alto com o atendente, com carregado sotaque nordestino:

   -Opa, que já tem bofe bom por aqui!
 
   Vinha em minha direção e parecia referir-se a mim. Chegou pondo a mão, e só falava merda. Era um homem de uns 50 anos, horroroso, vulgar e sem um pingo de educação. Talvez estivesse drogado. Levantei-me sem palavra, bufando de ódio. Voltei ao primeiro andar e me aproximei dos dois garotos que andavam juntos. Quem sabe? Eu topava os dois! Aquele demônio nordestino teve a mesma ideia e chegou pegando no mais magro dos garotos. Acabou virando uma briga horrorosa, gritaria, troca de palavras nada polidas. "Pronto, acabou a noite", pensei. Dei um tempinho para descer, acuado num dos cantos do labirinto. Não gosto de briga, de confusão gratuita. E o garoto veio pra perto de mim. Usava uma cueca preta e trazia a toalha na mão. Era bem definidinho de corpo, moreno, bonitinho. Entramos numa cabine e nos fechamos. Seu nome é Dagoberto, de Porto Alegre, 23 anos. Está temporariamente em SP e pretende mudar-se pra cá. Nosso entrosamento foi muito bom, fluido. Seu beijo era delicioso, seu cheiro envolvente. Tinha um pau grande, uncut, cujo prepúcio me impressionou pelo tamanho e maciez. Funcionava perfeitamente, expondo a glande inteira, mas quando fechado, mesmo com o pênis totalmente ereto, sobrava muita pele na ponta. Era muito gostoso de chupar.

   -Você curte o que? - perguntou.

   -Sou mais ativo, e você?

   -Também.

   -Mas você dá?

   -Difícil, mas vamos tentar... (pausa) Eu quero.

   Comi, e nem foi muito difícil. Fodi bastante e tirei, cansado. Ele queria me comer agora. Até tentei. Ele pôs a camisinha, lubrificamos bastante com saliva, mas não consegui. Nada, nada...

   -Goza no meu pau? - pediu.

   -Como?

   -Goza no meu pau!

   E foi assim, tocamos uma punheta juntos, gozei sobre o pau dele e em seguida ele também gozou. Depois do banho, nos despedimos friamente, com um aperto de mão.

sábado, 23 de junho de 2012

Curte Levar uns Tapinhas?



   Voltei à sauna, como voltarei muitas mais vezes, ao Chilli Peppers (que, como cliente, sou fiel), aos anônimos bem apessoados, ao paradoxal sexo sem intimidade. Não queria escrever sobre esta tarde - mas escrevo - para fins terapêuticos. Ou por falta do que fazer. Era uma outra segunda-feira e estava um pouco mais vazio que da vez passada. Mas, logo que entrei, vi um corpo bonito na sauna seca. Parecia jovem, tinha uma gigantesca tatuagem, um  escamoso dragão negro que rastejava por seus peitos, ombros e costas. Estava sozinho, imóvel, sentado de cabeça baixa - me olhava pelo canto do olho, sem desviar a cabeça. Olhamo-nos longamente, até que um senhor entrou e o rapaz saiu. Pouco depois nos reencontramos no térreo - ele completamente nu, se enxugava. Corpo musculoso e liso, de belas proporções, e o pau... O pau do japonês... Só agora eu notava tratar-se de um mestiço. E com um pau respeitável. Não tão jovem quanto tinha me parecido na sauna - se não me engano, tem 31 anos. Me olhava fixamente, com expressão séria. Saí à piscina por um instante e na volta o segui à sauna a vapor. Agora sentados lado a lado, sozinhos na sauna - e não havia atitude alguma no cara. Muitas vezes olhava para baixo. O rosto não era feio, mas também não daria para dizer que era um homem bonito. Ainda assim, sentia-me muito atraído pela sua figura. Cheguei a apalpar sua coxa e... nada. Apenas tocou seus genitais por alguns segundos. Eu sabia que ele queria que eu me chegasse com mais audácia. Não tenho paciência com quem não sabe responder às minhas investidas (quase sempre tímidas). E o vapor já me incomodava os olhos, a respiração. Subi ao labirinto, àquela hora bem fraquinho de personagens interessantes. Parei no único ponto iluminado dos corredores, onde há um aparador, sobre o qual ficam dispostos alguns flyers e um globo de vidro contendo uma infinidade de preservativos. Pus dois envelopes de camisinha presos à minha cintura, na toalha. E lá vinha o japonês, desfilando o corpão pelos corredores. Parecia outra pessoa agora, mais relaxado, confiante. Parou na minha frente e me beijou. Um beijo sutil, delicado, fresco. Minutos depois, estávamos outra vez na sauna seca, agora sozinhos. Ele se acomodou no tablado, meio deitado, meio sentado, e abriu a toalha, oferecendo seu sexo. Seu nome é Diógenes. Queria ir além:


        -Quer dar pra mim?

   -Cara, raramente eu dou... Seu pau é grande, acho que nem rola...

   -Eu quero muito essa bundinha. Dá pra mim? Aqui mesmo! Dá?

   -Aqui?! Nem fodendo!

   -Deixa, vai!

   Enrolei um pouco e o levei para uma das cabines escuras. Entreabriu a porta, queria luz para me assistir chupar seu pau. Fiz com que se virasse de costas pra mim e lambi a bunda musculosa que ele tanto havia regulado na sauna. Acabou me convencendo. Passei a camisinha pra ele, que foi paciente com a penetração difícil. E mesmo depois de acomodado, não suporto a dor quando a penetração é mais profunda. Não sei qual órgão que o pau do cara pressiona, que me dói demais, é uma sensação esquisita, aflitiva. Mas no todo, foi divertido. Principalmente quando o japa tirava o pau todinho de dentro de mim e voltava até a metade, repetidamente. Tenho como propósito me tornar cada vez mais flexível, foder e ser fodido, como deve ser. Como deve ser... Além das dificuldades físicas, tenho vários outros bloqueios com relação a ser penetrado. Bloqueios com relação a muitas coisas, no sexo e na vida. Deixar-se penetrar, sobretudo no ânus, é um ato de entrega, confiança. Como fantasia, acho muito excitante, mas na real não funciona bem assim. Talvez um dia... Eu gozei e o japonês também queria:

   -Onde quer que eu goze?

   -No meu peito.
   
   Lambi a porra amarga, como de fumante. Durante o banho, ele foi muito simpático e atencioso. E logo se mandou, alegando um compromisso.

   Já tinha visto ali um cara que eu conhecia de vista, da The Week, e principalmente da 269, onde ele me perseguia e, embora seja muito bonitão, nunca rolou nada. É um mulato claro, de cabeça raspada, físico muito bonito. É bastante raro eu me sentir atraído por alguém que não seja branco. Bem escroto esse racismo meu, mas a pelo clara e traços caucasianos parecem ser um dos meus muitos fetiches. E já tinha pego o japonês naquela tarde. Fazia muito tempo que eu não via esse cara, e ele me pareceu ainda mais gostoso do que eu me lembrava. Chegou junto, com desfaçatez:

    -E aí, bonitão?

   -Opa, tudo bem?

   -Certinho... Vamos pro meu quarto?

   Acabou que fui, né... A gente se beijou e deitei na cama. Ele se ajoelhou na minha frente e começou a vestir a camisinha. Fiquei atônito! Eu tinha acabado de dar, e nunca me passou pela cabeça dar mais de uma vez no mesmo dia, muito menos pra dois caras diferentes. Tocou o celular dele, que pediu desculpas mas atendeu. Ia vestindo a camisinha, se masturbando, olhando pra mim e conversando com um cliente. Eu passava meu pé direito pelo seu pau, pelas bolas, pelo períneo. Falava com uma voz bonita, sempre muito másculo e cara-de-pau. Às vezes dava a impressão de estar xavecando o cliente:

   -Sei que seus parceiros te pressionam e que desta vez não vou conseguir te atender a tempo. Mas, olha, estou com água na boca pra fechar um negócio com você.

   Quando desligou, esclareci:

   -Como é seu nome?

   -Patrick.

   -Patrick? Então, Patrick... eu não dou... só muito raramente. Acho que nem vai rolar, entendeu?

   -Sério, cara? Mas vamos tentar! Prometo que vai ser gostoso.

   -Ah... você não curte dar?

   -Tenho cara de quem dá?

   -Tem. Eu acho.

   Sempre achei que ele quisesse me dar. É um cara másculo, mas isso é tão difícil de se prever só pelas aparências... O cara ficou indignado com a minha resposta:

   -Tenho cara de passivo?! Porra!!

   -Ah, sei lá...

  -Deixa eu meter gostoso em você? Prometo fazer com muito cuidado, com carinho.

   Meteu. De frente, com minhas pernas pro alto. Doeu bem menos pra entrar que com o japa, mas continuou doendo bastante quando ia fundo. O cara queria bombar, mas não consegui. Pedi pra tirar e ele me queria ver de quatro. Eu não estava excitado, mas assenti. E ele meteu de novo. De quatro foi menos traumático, mas consegui deixar pouco tempo - eu queria sair dali. Disse ter 45 anos, o que me pareceu impressionante: aparenta 35, no máximo. O pau continuava rijo como rocha, o que ele atribuiu à excitação causada por mim.

   -Sei que, pra um ativo, é difícil dar, mas obrigado pela sua gentileza.

   Como é que é? gentileza?! Essa eu ainda não tinha ouvido... Depois me elogiou, disse que meus dentes são lindos e que comigo "teria até um caso". Era um homem educado, mas apesar de todas as "gentis" palavras, me pareceu frio e egoísta. Veio a última proposta:

   -Curte a três também?

   -Depende.

   -Estou com um amigo aí. Cara bonito. Só que o pau dele... é o dobro do meu!

   -Eu não vou dar mais por hoje. Ele dá pra a gente?

   -Dá. Depois a gente se fala.

   Tomei mais um banho. Me sentia nervoso e precisava comer alguém. Estava parado perto da sala de vídeo (que continua horrorosa), um lugar meio escuro, quando apareceu um sujeito alto, forte, bem na minha frente. Já chegou me alisando e beijando. Pensei que fosse um outro cara em quem eu já havia reparado, também alto e forte ("Some day he'll come along/The man I love/And he'll be big and strong/The man I love..." - George Gershwin), tatuado, super bonitão. Mas não era ele, e só descobri isso a caminho do seu quarto. Este parecia chinês, mas falava com carregado sotaque espanhol. Depois soube que é colombiano, Jorge, 28 anos, médico. Feio de rosto, desinteressante de corpo e chatonildo de conversar. Além de ter uns trejeitos de tia suburbana, revirando as mãos e soltando risinhos irritantes. Foi desolador entrar no quarto sabendo que teria de fingir simpatia por alguns minutos. Eu já não estava nos meus melhores dias, e o cara só puxava assuntos que me punham mais pra baixo. E me dava lição de moral! E falava como se entendesse da minha vida melhor que eu! E tentou traçar novas diretrizes para que eu as seguisse! Tudo isso em menos de vinte minutos. Uma pessoa bem sucedida que prega que para vencer, basta ser esforçado, honesto, paciente. E tudo se arranja. Um bosta. Um bosta completo.

   Quando finalmente consegui terminar a conversa (e extrair um diagnóstico de depressão de um dermatologista!), ele perguntou, com ares de namoradinha adolescente:

   -Afinal, você nunca me disse: do que você gosta na cama?

   -Sou ativo. Mas hoje já dei pra dois caras - respondi tão friamente como se dissesse que tomei dois copos de água mineral.

    -Credo!

   Claro que a titia ficou horrorizada, porque ainda pensava que ia dar pra mim. Tomei um banho quente e deitei na sauna seca. Fiquei um tempo ali, quietinho, me reorganizando e tentando decidir se ficava ou iria embora. Estava indo olhar as horas no meu celular quando trombei com o Cássio, que tinha conhecido na semana anterior:

   -Olha ele! - gritou.

   Me pareceu bem menos atraente do que eu me lembrava, mas ainda assim, um corpinho bem gostoso. Pelo jeito, ele tem ido quase diariamente à sauna depois de fechar sua loja. Tinha um cara grandão sentado no bar. Bonito até, apesar do excesso de músculos. Parecia um tanto anti-social e com uma perene inexpressividade cadavérica. Masturbava-se por baixo da toalha, sentado na poltrona e de olho no vídeo, com o rosto imóvel, imbecilizado. Levantou-se e cumprimentou o Cássio com a mínima animação a que se permitia. Também bateu no meu ombro amigavelmente e dirigiu-se ao primeiro andar. Cássio disse que o grandão o persegue na balada e que ele ainda não tinha tentado nada porque um amigo o alertou de que o cara tem pau pequeno.

   -Mas vai que seu amigo está enciumado, com ele ou com você, e inventou essa história? Tem que conferir - sugeri.

    -É, parece que é minha única opção hoje...

   Não era. Vi mais alguns caras interessantes aparecerem. E o funcionário da sauna que eu pegava na 269, me deu umas olhadas bastante curiosas. Percebi que ele se enfiava nuns becos desertos quando me via, imaginei que quisesse que eu me aproximasse. Ele subiu e eu fui atrás. Estava vistoriando a limpeza de um dos quartos e eu parei bem na porta. Claro que ele não pode fazer nada com um cliente ali (como também não podia na 269). Sorri e ele me media de alto a baixo. Saiu, quase me encochando, e prosseguiu a vistoria nos outros quartos recém desocupados. Permaneci ali, na frente daquele quarto, quando um cara que já tinha mexido comigo (mais especificamente com o meu mamilo), me abordou. Alto pra caralho! Tatuado pra caralho! Gostoso pra caralho! Chico, tem 29 anos e mora ali perto do Largo do Arouche. Me arrastou pro banheiro, o mesmo que todo mundo disputa no primeiro andar. Tem um rosto interessante, exótico, sem ser exatamente bonito. O corpo é maravilhoso, alto, atlético, ombros e costas largos, músculos na medida certa, definição invejável, tatuagens lindas pelo corpo todo. Pau delicioso também, graúdo, clarinho, macio, cheiroso. Enquanto o chupava, desci às bolas e ao períneo, quando percebi um certo frenesi. Girei seu corpo com a bunda pra mim e lambi. Ele delirava. Me puxou. Sentou no vaso sanitário e ergueu as pernas pro alto.

     -Vem me lamber assim, quero ver você.

   Era um cuzinho delicioso, que ele mantinha sempre tenso e apertado. Quando pedi que relaxasse, alargou-se um pouco, tornando a superfície mais acessível e formando um biquinho suculento.

    -Você gosta de dar? - perguntei.

   -Gosto, gosto de tudo. E você?

   -Geralmente prefiro comer. Quer dar pra mim?

   -Gosta de foder cara grande? Tem essa fantasia?

   -Gosto. Se for você, eu gosto.

   Coloquei-o sobre o vaso, com a bunda pra cima e meti. A altura dele me atrapalhava naquela posição (tenho 1,79m). Pedi que dobrasse as pernas um pouco e ele preferiu sentar no meu pau. Sentei no vaso e ele veio por cima, virado de frente pra mim.

   -Puta cuzinho gostoso!

  -Gostoso é você - disse me estapeando levemente o rosto - curte levar uns tapinhas?

   Eu estava chocado:

   -Essa realmente não é uma das minhas fantasias. Você gosta de bater, é?

   -Gosto, de leve. Mas só se você gostasse. Se não gosta, não tem graça.

   -E de levar uns tapas, você gosta?

   -Não!

   Eu detesto que me batam ou sejam muito dominadores comigo. Nelson Rodrigues diria que sou muito neurótico pra aceitar tal coisa. Agora, quando o cara pede, até pode ser divertido bater sem machucar, de brincadeira. Com esse papo todo, ele parou de se movimentar e meu pau amoleceu. Mas continuamos conversando naquela posição por longos minutos. Depois ainda meti outra vez na posição inicial.

   -Você veio aqui pra levar nessa bundinha gostosa, não foi?

   -Foi...

   Ele respondeu meio a contragosto, pelo que pude perceber. A animação do rapaz foi se esmorecendo, ele foi ficando esquisito. Ele também custa a gozar e eu pedi que gozasse na minha boca.

   -Quer leitinho na boca?

   Foi a minha vez de responder contrariado:

   -Quero...

   Acho tão vulgar essa história de leitinho... Gozou e eu cuspi, apesar de ter gosto agradável. Gozei me masturbando enquanto lambia seu pau que ia amolecendo. Tomamos banho e ele deitou na sauna seca, sozinho e um tanto macambúzio. Depois o vi indo embora com um cara bonitão, pareciam ter vindo juntos.

   Tinha mais dois caras bonitos na casa. Lindos na verdade. O primeiro que eu vi era gringo na certa. Altão, branquelo, pele lisa, físico bonito, rosto de cinema. Gostava de se exibir sem roupa na sauna, mas ninguém podia chegar perto. Parecia antipático e nem insisti. O outro era moleque, aparentava uns 22 anos. Clarinho, cabelo cacheado, castanho alourado, corpo bem definido e musculoso, bundinha redonda e arrebitada. É parecidíssimo com um garoto que eu conheço, por quem nutro uma paixonite platônica há alguns meses. O rosto delicado e marcante que parece desenhado a bico de pena, cada traço nanometricamente apurado. Um moço lindo da cabeça aos pés. Num dos ombros e bíceps trazia uma tatuagem bem fechada que lhe caia muito bem, contrastando com aquela perfeição de Semideus. Mantinha o olhar aberto a todos os presentes, mas não o vi se aproximar de ninguém. Por diversas vezes estivemos próximos e ele parecia indeciso. Numa dessas vezes, resolvi segui-lo. Fomos parar atrás do labirinto, na passagem para o cinema, onde ele parou e encostou na parede. Tocou meu peito desajeitadamente. Parecia tímido ou incerto do que fazia por ali. Eu o abracei, beijei a pele macia, segurei a bunda e ele se foi, com um sussurro:

   -Seu gostoso.

   Foi uma frustração incompatível com meu humor naquele dia. Tomei um suco no bar e fui me vestir. Esse último carinha estava no armário exatamente acima do meu. Vestia-se com uma roupa bonita, de fino acabamento. Pedi licença para pegar minhas coisas e ele afastou as suas da frente. Abaixou as calças, pra passar a camisa por dentro, e saltaram aos meus olhos a bundinha e a "mala", de perfil, discretamente cobertas pela cueca de brancura imaculada. As mãos de príncipe, másculas e elegantes, reabotoaram as calças lentamente e depois ajeitaram os cabelos cacheados diante do espelho. Foi-se antes de mim, em seu caminhar macio e firme, de quem sabe não pertencer àquele universo paralelo.

domingo, 17 de junho de 2012

"As Piriguetes"


   Uma segunda-feira gélida e chuvosa em Higienópolis. Ainda eram 16h quando liguei ao Chilli Pepper Single Hotel para sondar sobre a frequência naquela tarde e informaram que havia 5 homens na casa. Duas semanas antes, a essa hora, não havia vivalma (exceto eu e os pedreiros) e mais tarde tinha ficado bem divertido... resolvi arriscar - também por ter acontecido a parada gay na véspera. Cheguei às 16h40 e já tinha bastante gente. Melhor, tinha muitos homens bonitos - parecia a boa e velha 269 renascida. A própria casa estava funcionando um pouco melhor. O aquecimento por exemplo. Já os chuveiros, jacuzzi e piscina... frios. Os chuveiros até esquentam, mas até que se consiga regular a temperatura, já acabou o banho. Logo que cheguei, tomei banho ao lado de um carinha muito bonitinho. Só tomamos banho juntos - apesar de ambos termos ficado de pau duro. Depois soube que o nome dele é Beto.

   Quando subi à sauna seca, sentei de frente pra um rapaz bonitão. Um homem grande, loiro, de pele muito branca, e olhos verdes. Corpo bonito, rosto idem. Daquele tipo de homem em quem se percebe a educação na postura, no modo de falar, andar, sentar, em como cruza as pernas ou apóia os pés no chão, até na respiração. Eu reparo. Assim com reparei que ele, por baixo de toda a educação, me olhava com muito interesse.

   Eu também fiquei interessado, mas quando vejo muito homem junto, perco o foco e o bom senso, e caio na velha cilada armada pela vaidade: estou sempre à caça "do melhor", "do mais bonito", "do mais disputado". Comportamento pueril e perverso, típico de viciado, para quem não há satisfação possível. Nessa noite eu fiquei por seis horas ali dentro e ficaria muitas mais. O loiro que estava na sauna seca veio atrás de mim. Eu tinha acabado de chegar,  e ainda estava assimilando o tanto de gostosos presentes. Encostei numa parede justamente para olhar pra um cara que parou a poucos metros e me encarava. Era um corpo extraordinário, de capa de revista, também encostado na parede oposta. Me parecia uma visão: alto, bronzeado, atlético, abdome definido, peitoral inchado, estourando. O corpo molhado reluzia naquele corredor. Toda a sua postura e atitude eram bastante arrogantes. O elegante loiro me havia seguido e parou com o corpo quase colado ao meu, insinuante. Mas eu não desgrudava os olhos do outro. Por absoluta idiotice, era neste que eu considerava "certo" investir. Claro que não fiquei indiferente ao loiro, que, além de distinto, era um homem muito bonito. E estava ali, absolutamente entregue. Na  minha menor deixa, veio me beijar. Sabia beijar, era cheiroso, atraente - mas não exatamente sexy. Pelo menos não à primeira vista. E eu o beijava ainda de olho no outro cara, que parecia hipnotizado pelo nosso beijo e algumas vezes fez menção de se aproximar. Mas quem se baseia exageradamente na própria atratividade física, teme ser esnobado. O loiro percebeu a situação. Eu queria  muito que o moreno se juntasse a nós. Chegou a ensaiar uns passos em nossa direção quando viu que o loiro me puxava para uma cabine, mas não veio.

   Nos fechamos na cabine escura e vazia. Claro que eles querem alugar os quartos, portanto não há cuidado algum com as cabines. Não há iluminação, lugar onde sentar, onde guardar suas coisas, sequer um gancho para pendurar as toalhas. Mas pelo que vi, os quartos comuns também deixam a desejar: são cubículos onde mal cabe a cama. O espaço que resta é só para ter como abrir a porta. E mais nada. Ah, sim: tem luz. Pra que chamar de hotel? O "quarto" não tem banheiro, não tem armário, você não pode deixar seus pertences lá e sair à cidade. São centenas de quartos e pensando que tinha apenas uns 10 alugados naquela noite, me parece um desperdício de espaço. Mas voltemos à cabinezinha. Foi bom, viu? O moço era um gostoso. Chama André, 31 anos, paranaense, mora no Maranhão, onde leciona direito. A transa começou com muito carinho, mas depois que eu meti, ele perdeu a compostura e a coisa ficou quentíssima. Gostava que eu fosse um pouco rude com ele. Às vezes gosto desse papel. Fodi bastante mas não consegui gozar. Ele gozou. Senti nitidamente suas convulsões quase estrangularem o meu pau. Ainda nos beijamos e o chupei outra vez, já flácido e úmido de sêmen fresco.

   Fomos tomar banho juntos mas seu chuveiro não esquentava e ele foi procurar outro, mais longe. Aquele grandalhão moreno parou em frente ao meu chuveiro. Era um puta homem, de virar a cabeça de qualquer um. Reconheci o corpo, a tatuagem, mas o rosto me surpreendeu visto de perto e na claridade do banheiro: bonito pra caralho! Me olhava de alto a baixo e deu uma discreta guinada de cabeça, indicando para onde eu deveria ir. Caminhava lentamente sem olhar para trás, dirigindo-se ao escuro. Encostou na parede e eu já estava ali, ao seu lado, ao seu dispor. Era bem essa a sua postura, como se dispusesse de mim, como se me fizesse um favor. Pegou no meu pau, me beijou a boca. Mas nada estava acontecendo entre nós; ele me parecia frio, distante, ensimesmado. Não pude deixar de escapar um patético "Nossa!" quando segurei seu pau.

   -Que?

   -Não, seu pau... como é grosso, né?

   Já estava fadado ao fracasso nosso encontro. Mas aquele pau não deveria ser desprezado. Ao menos para incluir no meu curriculum vitae. O arrastei para outro canto. Agora funciona uma sala de vídeo, bem esquisita, diga-se. É uma sala relativamente grande, mas tem apenas duas ou três poltronas (daquelas reaproveitadas da 269). Ao invés de um telão, são seis ou oito telas agrupadas que exibem o mesmo filme simultaneamente. Não sei como funcionará quando passarem algo que preste naquilo, mas com um filme feio, cheio homem sem graça e luz estourada, estava uma merda. Puxei o grandalhão para uma saleta  à qual só se tem acesso por essa sala de vídeo. Da outra vez que estive lá, era uma sala azulejada de branco, que tinha me parecido uma cozinha. Agora é só uma dark room.

   -Puta cheiro de mijo! - eu disse

   É uma sala esquisita, ainda não entendi bem a planta. Estava com um cheiro forte de urina, como banheiro de boteco de beira de estrada. Realmente eu odeio gente porca. E olha que meu nariz estava super entupido. O melhor era resolver aquilo logo. O cara me encurralou na parede, me beijava e pegava na minha bunda. Fui deslizando minha boca pelo seu corpo e, com muita dificuldade, chupei o cara. Só tinha visto um pau tão grosso uma vez na vida. É desconfortável na boca. Imaginei se ele quisesse me comer. Como era um cara esquisitão, poderia ser uma péssima experiencia. Rodeei seu corpo e fui lamber a bunda. Ele me ergueu e disse que ia dar uma volta. Mesmo sendo uma loucura de bonito, não fez falta.

   Desci à sauna a vapor. Agora, a piscina foi inaugurada. É um espaço bonito, mas piscina gelada naquele frio... quem se habilita? Na sauna, sentadinho no fundo, o garoto bonito que tomou banho ao meu lado quando cheguei. Mais pra magro, mas o corpo é bem gostosinho, harmonioso. Boa altura, pele bronzeadíssima, com uma marca bem definida de sunga, a bundinha bem branca e carnuda. O rosto é lindo, de garoto. Já o tinha visto também na sauna seca, onde conversava com o amigo que veio com ele de Curitiba. Pelo sotaque, pensei que fosse mineiro. Falava de umas festas no Copacabana Palace que ele imagina seletíssima e  que pretende conhecer. Ali, na sauna a vapor, se reacomodou quando sentei perto. Tinha modos bastante másculos e até um pouco sisudos. Ajeitava a toalha para mostrar um pouco o corpo, mas não olhava para mim. Olhava tudo, menos pra mim. E só estávamos nós dois ali dentro (nem considero o tiozão gordo que boiava na jacuzzi iluminada). Apesar disso, era claro que queria que eu me aproximasse. Mas quanta inabilidade... O que fazer? Chegar "chegando", na xinxa? Não me sentia confiante pra isso. Botei o pau meio pra fora e fiquei brincando. Ele fez o mesmo, mas continuava olhando para o ar. Levantei, de pau bem duro (deixei que ele notasse) e fui sentar pra longe da jacuzzi, num nicho perto de um dos chuveiros, um cantinho mais reservado. Ele veio atrás e aí me senti em casa. Fui sentar ao seu lado e nos tocamos finalmente. Seu rosto é um amor: cheio, quadrado, nariz arrebitado, sorriso doce, olhos verdes interrogativos. Beto tem 28 anos. Mostrou-se bem disposto, animado. O pau era pequeno, a pele áspera, dava impressão de arrepio. Nos lambemos e chupamos, nos beijamos e foi só. Na verdade, ele tentou me comer e sem camisinha. Paramos por ali.

   Eu estava animado e cada vez apareciam mais caras diferentes e interessantes. Saindo do banho, ao passar pelo corredor, um cara me deu bola. Moreno, relativamente baixo, belo corpo, barba por fazer, rosto bonito, sexy. Eu ia passando e voltei. Ele também, e parou encostado na porta de um dos quartos. Ramon, se não me engano é nordestino, não lembro de onde, mas mora faz tempo em SP. Estuda radiologia, 33 anos. Era irresistível tocar seus peitos. Imensos, obviamente inchados pelo uso de anabolizantes, e apetitosos. Me encheu de perguntas e eu o beijei. Docemente.

   -Geralmente detesto cheiro de cigarro, mas este cheiro seu, está me matando de tesão.

   -Estou fedendo muito? - perguntou, rindo - É que acabei de fumar.

   De fato era um cheiro muito envolvente. Suave, eu sentia apenas o tabaco adocicado, um aroma extremamente masculino, que me fez lembrar de alguns homens que conheci pela vida. Tentamos uma das cabines, mas estávamos ambos insatisfeitos, principalmente com a falta de luz. Fomos para o banheiro.

   -Não acredito que você tem 38 anos... Você tá bem, hein!

   -Você que é um gostoso.

   -Gostoso é o seu pau. O meu não vai subir, que eu cheirei.

   -Cheirou?

   -Pó - riu.

   -Sei... quero que você me chupe, pedi.

   Ele chupou gostoso. Eu já sentia uma dor no abdome, precisava ejacular. Pus a camisinha e meti naquela bundinha. Demoro pra gozar geralmente, e isso me atrapalha. Ele cansou e tirou meu pau de dentro.

   -Você tomou Viagra? - perguntou.

   -Porque?

   -Seu pau não amolece!

   -Vai amolecer com um gostoso como você? Mas... tá, eu tomei mesmo.

   -Seu safado. Que sorriso lindo que você tem.

   -Você também. Você é todo bonito.

   Ficamos nessa rasgação de seda e não passou disso. Ele não conseguia fazer levantar o pau e eu não conseguia gozar - dois fracassados. Nos separamos, desci ao bar. O barman dessa noite era ainda mais gostoso que o da primeira. Lembrava um pouco o Tuca Andrada, porém bem mais jovem, bem mais magro, bem mais bonito. Alto, cabelo moicano, cavanhaque, charmoso, gestual sexy. Eu teria trocado qualquer cliente da sauna por ele. Teria trocado qualquer habitante de SP por ele naquela noite. O Beto também teria. Ficou boa parte da noite azarando o rapaz, que se portou com muito profissionalismo. Foi simpático, mas manteve a distância do cliente. Sobre o Beto, percebi que ele mais gosta de falar, só o via conversando, com vários caras diferentes. Quando estava subindo a escada outra vez, cruzei no meio dela com um funcionário da sauna, ex funcionário da 269, com quem eu transei algumas vezes. Pela forma como me olhou quando nos cruzamos, tive certeza de que ele se lembra de mim tão bem quanto eu dele. Continua gostosinho. Passei por ele e me voltei sorrindo. Ele é um puta safado, pegava quartos da sauna e se enfiava lá dentro comigo. Nem tenho certeza se ele é funcionário ou sócio. Lá em cima, passando pela região das cabines, vi uma que estava aberta, e dentro dela, um rapaz completamente nu, esperava. É escuro por ali, mas no corredorzinho tem luz, e reconheci o cara. É bonito, corpo lindo, forte, tatuado. Rosto interessante, bastante incomum, cabelos castanhos na altura dos ombros, levemente ondulados e um tanto armados. Um cara esquivo, de semblante fechado. Agora parecia tão desprotegido, olhando para o teto, sozinho. E nu. Fui chegando lentamente, ele me notou. Quando cheguei à porta da cabine, moveu-se para o fundo, para me dar espaço pra entrar. Fechei a porta e agora eram só o tato e o olfato nossas únicas possibilidades. Ele pouco se movia. Um corpo firme, bom de segurar, de apertar. E um cacete gigante. Eu o tocava e ele quase não respondia a nenhum estímulo. Apenas, às vezes, virava o rosto para beijar minha boca. Apalpei a bunda musculosa e percebi que ele estava lubrificado. Quando tentei afastá-lo da parede, para que virasse o corpo para mim, pegou sua toalha e saiu da cabine. Foi tão brusca a quebra de ação que me desestabilizou. Peguei minha toalha também e saí, como se nada houvesse acontecido. Ele estava parado no corredor iluminado. A impressão que dava, pelo modo como parava e me olhava, era de que tinha repensado e queria voltar. Mas cadê paciência? Pouco depois, no chuveiro, ele veio encostar o cacetão em mim, fazendo-se de descuidado. Preferi ignorar.

   Passei na sauna seca (ela tem duas saídas, funciona como um corredor, que liga o banheiro do primeiro andar à ala das cabines) e vi um garoto loiro sentado. Lindo, jovem. Depois cruzei com ele várias vezes nos corredores. Não conseguia perceber se ele me olhava com interesse ou por algum outro motivo. Mexia com alguns caras com bastante desenvoltura. Alto, ombros largos, cabelos bem claros com corte militar. Um molecote, mas cada vez que passava por ele, me desestabilizava. Até que... olhou com mais firmeza, e voltou. Eu já o esperava. Esperava seu abraço, seu corpo molhado, seu beijo. Não houve papo algum: foi exemplarmente direto. O beijo que envolve; e se envolve. Logo segurou meu pau e eu já estava arfante de pensar em comer aquela bunda. Assim que alguém parou por ali para prestar atenção a nós, agachou e tirou meu pau pra fora. Percebi que ele gostava de se exibir naquela situação. Um coroa alto, de óculos, pôs o pau pra fora e ele chupou jundo do meu. O coroa queria me tocar e eu não me sentia à vontade. Não me atraia e eu queria o moleque só pra mim. Sem cortar o clima com o garoto, consegui afastar o coroa e os demais em nossa volta. Pus o menino de costas e lambi sua bunda, ali mesmo no corredor. É muito difícil de se ver uma bunda como aquela. Nem lembro de já ter visto outra igual. Uma bunda de estátua, mármore precisamente polido. O arrastei para uma cabine. Ali as cabines dão acesso para o labirinto, por uma abertura larga. Felizmente ninguém veio nos perturbar enquanto eu o fodia. Virei seu rosto para trás, seu beijo era delicioso.

   -Eu nunca vi uma bunda como a sua, que coisa linda...

   Ele gozou. Eu precisava gozar, era urgente. E nada! Mas que cuzinho delicioso, e que tesão eu sentia desprender-se do garoto. Manuel é o seu nome. E foi praticamente a única informação que trocamos: nossos nomes. Depois de ter gozado, ele veio me chupar, queria me fazer gozar. Custou, eu já ia ficando preocupado. Estava sempre no quase. Quase, quase, mas não concluía. Felizmente consegui. Ele conseguiu. Foi um gozo longo, farto, inteiro engolido pelo Manuel. Tomamos banho juntos, em silêncio. Eu queria continuar com ele, mas tornou-se um mal estar. Algumas vezes, quando o encontrei depois disso, tentei sorrir, esbocei um carinho, um olhar cúmplice. Não o sentia aberto para uma outra aproximação.

   Quem voltou foi o Ramon, e acompanhado. Já tinha reparado no Cássio, moço bonito, todo lisinho, clarinho, macio, corpo perfeito e cara de moleque. Eles se beijavam no corredor dos quartos e o Cássio interrompia pra falar de mim, me apontava, cochichavam, até que se aproximaram. Tinha um clima divertido entre eles.

   -Este é o meu amiguinho Cássio. Como é seu nome mesmo?

   -Yuri.

   -Yuri! Ele gostou de você. Não é bonito o Cássio?

   -Lindo, uma graça.

   -Pára! Assim eu fico mais deprimido. Se eu fosse lindo mesmo, não estaria na sauna.

   -O Cássio precisa dar pra alguém.

   -Estamos aí...

   -Ah não, vai! Não oferece no meu lugar! Você é bonito, mas não é assim também. O Ramon tá viajando.

   -Ele tá desiludido, Yuri. Veio ontem aqui, conheceu um cara...

   -Eu me envolvi emocionalmente.

   -Oh, tadinho.

   Os dois estavam meio drogados. Mexiam com todos os caras bonitões que apareciam. Um deles chamava Gustavo. Um corpo muito chamativo, uma tatuagem linda, gostosíssimo. Demos boas risadas. O Ramon fez o Cássio me mostrar a bundinha, que era linda. Ele tem 22 anos, baiano de Salvador. Mora em SP faz tempo, mas ainda tem um pouco de sotaque. Depois passaram o foco pro meu pau.

   -Olha isto, te disse que ele tem picão.

   -Olha, ele tem mesmo.

   -Eu te disse, eu dei pra ele já.

   Pegaram no meu pau, me beijaram, tudo no meio dum corredor, mas senti que não iria adiante. Resolvi descer, quase decidido a ir embora. No alto da escada, estava parado um dos caras com quem eles tinham mexido. Corpaço, um tipo bem interessante. Desci e olhei pra cima, ele também tinha virado e me olhava. Voltei e o abordei com rara cara-de-pau. Silvio, 30 anos, também baiano (de Vitória da Conquista), morando no Rio. Estava parado ali fazia tempo, observando, um pouco chocado com o esquema da casa.

   -É estranho isto aqui.

   -Estranho como?

   -Não sei... tudo. No nordeste é diferente um lugar como este.

   -Mas no Rio é igual, não é?

  -É. Deve ser, nunca fui. Namorei muitos anos, agora que estou solteiro.

   -E o que você estranha aqui?

   -Tudo. A arquitetura. No nordeste são casa luxuosas, elegantes. Aqui é tudo tão...

   -Frio?

   -Não sei.

   -Que perfume você está usando? Tem cheiro de pitangas...

   Ele parecia um pouco blasé, sempre encostado. Eu o beijava quando "as piriguetes" Ramon e Cássio interromperam. Mais um pouco e estavam comparando meu pau com o do Silvio (favoravelmente a ele, um pau delicioso). Os dois fizeram tanto que logo tinha uma roda a nossa volta. Ramon convenceu o Cássio a dar pra mim e ele queria ali, no topo da escada. A mureta é baixa e tem um fosso altíssimo, fiquei com medo. Morro de medo de altura. Lembrei do judeu que morreu numa queda na 269. Cássio tirou a toalha, eu pus a camisinha e tentei meter, mas ele não deixava. Outro cara tentou também e eu fiquei nervoso com a irresponsabilidade dos caras diante daquele abismo. Eu tentava conter os corpos do Silvio e do Cássio com meu braço. Eles não paravam de fazer piada e rir, mexendo com todo mundo que aparecia. Uns caras nada a ver se aproximaram, um deles veio chupar meu pau. Silvio, Ramon e Cássio me deixaram ali, com os estranhos. Pouco depois, voltou apenas o Ramon, dizendo que o Gustavo tinha me achado lindo e queria me conhecer. Chamou o cara e ele ficou tímido, negou, disse que queria só conversar. Já estava na minha hora e o chamei para vir comigo. Me enfiei com ele num banheiro e tirei a toalha. Ele ficou chocado:

   -Não cara, só quero conversar. Você não deveria ser assim, ficar com esses meninos malucos. Você é um cara bonito, educado, tem que saber se valorizar.

   As piriguetes bateram na porta e foram entrando. Fingiram recato, disseram que não queriam incomodar. Gustavo disse que entrassem, que eu estava "me achando" demais, querendo seduzi-lo e ele estava se sentindo humilhado. Os dois saíram e conversei mais um pouco com o Gustavo. Parecia um bom menino e muito gostoso. Mas eu não teria tempo para tanta enrolação. Na saída, as piriguetes estavam no banheiro com o Sílvio. Este tentava mijar.

   -Quer que eu segure pra você? - perguntei.

   -Daí que eu não consigo mesmo!

   Dei um beijo na boca de cada um dos três e fui embora. Na próxima segunda, eu volto.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Na Maior Sem-Cerimônia


   Finalmente consegui conhecer o Chilli Pepper Single Hotel. Tive a visita a um cliente desmarcada de última hora e cheguei em torno das 17h duma quinta feira fria. Já havia estado lá (dei com a cara na porta), por isso o encontrei facilmente, mas da primeira vez, havia rodado várias vezes o Largo do Arouche inteiro até encontrar o número 610. Nem parece fazer parte do Largo, fica bem embaixo de um viaduto, a alguns metros do metrô Santa Cecília. Logo na recepção, via-se que a obra ainda não estava terminada. Entra-se num pequeno recinto e através de um vidro preto, o atendente entrega um envelope plástico (providencial para guardar preservativos), amarrado a um cordão de silicone, contendo uma plaquinha com código de barra. Optei pelo armário (locker) e esse código de barra é que abre e fecha a porta. Acredito que os quartos funcionem da mesma forma. É um vestiário imenso, com centenas de portas. Não vi o código de barra, não entendi como abrir o meu armário e fui procurar alguém para me ajudar. Achei o bar. O barman é um negócio! Gatão mesmo. Pelo menos o que atendia naquela tarde (a casa funciona 24h). Tinha outro funcionário ao seu lado, e era óbvio que era este quem deveria me ajudar, mas perguntei ao barman como abrir o armário. Vi pedreiros andando pra todo lado, barulho de obra. Tirei a roupa e logo me dei conta de que era o único cliente naquela imensidão.

   Ainda é difícil analisar o empreendimento como um todo, pois está inacabado e nada está funcionando 100%. Por exemplo, não há uma mísera sala de vídeo (próximo ao vestíbulo tem uma telinha passando pornô, num lugar em que ninguém nunca vai parar para assistir - e provavelmente todos os quartos sejam equipados com uma), tem um andar inteiro fechado, não tem piscina ainda. Pelo que pude entender, uma das saunas também está inacabada. No térreo, além da área com os armários e o bar, tem um amplo banheiro e uma imensa sauna a vapor. Os chuveiros são melhores que os da 269, acionados com o pé do usuário num botão de borracha que fica no chão, mas a regulagem de temperatura deixa muito a desejar. As torneiras funcionam da mesma forma, acionadas com o pé. Quase tudo é preto e vermelho fogo, como na 269. A sauna a vapor é labiríntica, inteira revestida de pastilhas de vidro azul. Tem uma jacuzzi transparente e iluminada que dá um efeito surpreendente - infelizmente estava gelada. Quando cheguei, esta sauna estava insuportavelmente aquecida e empoçada. Na frente da jacuzzi, ao longo do ralo, formava uma poça gelada muito desagradável. São lindas as janelinhas redondas (tipo as de barco) que ligam a sauna ao bar e corredores. O contraste da iluminação azulada do interior da sauna, com a externa, predominantemente vermelha, é interessantíssima. O bar também é bacaninha, especialmente a estante formada de módulos enviesados revestidos com um tecido que parece lurex.

   No andar superior, muitos, muitos quartos. Um labirinto semelhante ao da 269, outro banheiro parecido com o do térreo, e a sauna seca. Acho que este é o único ambiente que estava perfeito para o meu gosto. O projeto é lindo, a forma como foi feito o revestimento de madeira e a iluminação embutida. Não gosto de sauna muito quente, e a temperatura estava bem amena (mais para um ambiente com aquecedor que uma sauna propriamente). Ao seu lado, algumas cabines, muitas faltando portas, e todas ABSOLUTAMENTE escuras. Nada pior que pegar um boy bonitão e ficar com ele no escuro, sem conseguir vislumbrar um milímetro sequer do seu corpinho. Tem um ambiente muito bem iluminado e azulejado de branco, parece uma futura cozinha. Perto da escada, três poltronas remanescentes da 269, ESFARRAPADAS, dava aflição de sentar. O som da casa é bacana, muitas vezes excessivamente alto e com longas pausas entre as faixas, mas gostei do repertório. Rock é bem mais masculino do que o que se ouve em casa gays por aí.

   Éramos eu (de toalha e chinelo) e os pedreiros (vestidos, claro). E só, mais ninguém. Nenhum dos pedreiros me pareceu interessante, e todos pareciam muito bem instruídos em não olhar para os clientes. Era um tanto constrangedor e fiquei zanzando para me familiarizar com a "geografia" do lugar. Fiquei até com medo de andar por ali sozinho: é muito grande, muito escuro, muito novo, sem uso, sem vida ainda. Mas dá pra imaginar o que vai ser daquilo em alguns meses. Um sucesso inevitável e importante para aquela parte da cidade. Salivo só de pensar em quando os mackenzistas e FAAPianos mais animados o descobrirem. Deitei na sauna seca e quase adormeci. Por volta das 18h, todos os operários se mandaram e começou a chegar gente. Não tardou a ficar bem mais animado.

   E um dos primeiros caras que pintaram era uma gracinha. Mesmo no escuro, fiquei feliz de vê-lo chegar. No breu daquele corredor (logo depois de ter dado uma topada animal num degrau triangular e muito mal localizado) o vi aparecer. Seu andar e silhueta já denunciavam exatamente de quem se tratava. Não é uma beleza clássica, de perfeição de linhas e traços. Mas era o que muito cara lindo não consegue ser: GATO. Bem alto, robusto, um pouco fora de forma, barba por fazer, cabelo castanho claro, liso, de comprimento médio, repartido ao meio, olhos verdes. Garotão, desses que encantam pela simplicidade de caráter, como uma elaboração do que é o ser masculino - ou do que deveria ser. Venho pensando bastante nisso: o que é masculino em essência, o que faz alguns homens terem essa aura de masculinidade que atrai, enternece. Talvez essa noção seja muito subjetiva, mas me parece que um ser essencialmente masculino - ou feminino - é irresistível para quase todo mundo. E não falo de "macheza", de estereótipos. A mim não encanta um homem mal cuidado, falando alto, cuspindo e arrotando. Nem uma sexualidade agressiva, ou violência de qualquer espécie. Pra mim tem muito mais a ver com autenticidade, respeito, gentileza... sobriedade, leveza, despreocupação... Não sei! E o garoto tinha esse "não sei o quê" de sobra. Um belo exemplo de homem jovem. Voltei à sauna seca e ele apareceu por lá, puxou papo:

   -É grande isto aqui, hein! - disse olhando pela janela.

   -Grande mesmo. E tem muitas partes fechadas ainda. Parece que vai ter mais um andar.

   -Porra!

   -Primeira vez também?

   -Aqui é, primeira vez. Mas tinha ido na 269. Logo tenho que ir embora. Demorei muito pra encontrar isto aqui.

   -Eu também. Na hora em que cheguei, não tinha mais ninguém, acredita?

   -Ninguém, ninguém? Está vazio mesmo...Achei que fosse estar bombando.

   Eduardo, 23 anos, mora em Ribeirão Preto, apenas de passagem por SP, a trabalho. Já estava sentado ao meu lado e conversava pegando no pau, com a mão por baixo da toalha. Era um pau grande, grosso, bonito. Estávamos os dois com a toalha aberta, sentados na bancada, nos masturbando e conversando. É um ambiente pequeno e os caras que iam chegando passavam por ali, e iam ficando, nos olhavam com curiosidade, e começou a ficar desconfortável. Procuramos uma cabine ali perto. São muito escuras, não há ganchos onde pendurar as toalhas, nem uma mísera cadeira: não tem nada. Nada. Pus as camisinhas no chãos e nos beijamos. Nosso contato foi muito prazeroso, tudo funcionava, fluía. A gente se chupou várias vezes e ele queria me comer. Perguntei se ele me deixava lamber sua bunda e ele respondeu que brocharia.

   -Deixa eu por a camisinha e ficar brincando nesse cuzinho? - perguntou.

   -Seu pau é muito grande, cara...

   -Não vou te machucar.

   Ele pôs a camisinha. E o discurso mudou, agora queria pôr "só a cabecinha". Sussurrava no meu ouvido, beijava minha nuca. Eu estava encostado com o rosto voltado para a parede negra de madeira, imerso no absoluto escuro. Comecei a sentir vontade de que ele me comesse. Foi difícil e demorado, e ele manteve a ereção imperturbável por todo o tempo. Lá pela metade, pedi que parasse. Tirou o pau de dentro e voltou, deslizando suavemente. Quando me dei conta, já estava inteiro acomodado dentro de mim. Só quando se movia, eu não suportava a dor, mas de resto era muito excitante. Eu sentia meu esfíncter esticado, sentia a pressão do membro em meu interior. É estranho, mas excita. Tenho pouca experiência mas venho praticando muito mais que em qualquer época da minha vida. Acho que no último ano, dei mais que no resto da vida toda. Ele me masturbava:

   -Consegue gozar com meu pau dentro?

   -Você não quer gozar?

   -Não consigo assim. Demoro muito.

   Eu gozei, urrando de tesão, foi muito intenso. Tomamos banho, conversamos um pouco, demos umas bandas pela sauna e nos separamos. Sempre que nos cruzávamos, ele me fazia um carinho, me beijava.

   -Que beijo bom! - dizia.

   Uma graça de menino.

    O segundo tinha chegado mais ou menos na mesma hora que o Eduardo. Garoto ainda, era bem bonito de rosto, corpo OK, mas com uma barriguinha esquisita. Nos encontramos nos corredores onde fica a maioria dos quartos e ele me guiou à mesma cabine em que havia estado com o Eduardo havia poucos minutos.  Não conversamos, não sei seu nome. Também não houve beijo. Assim que nos fechamos na cabine, ele abaixou para me chupar. Depois, eu o fodi com ímpeto surpreendente para quem tinha acabado de gozar. Claro que foi difícil gozar outra vez, com um intervalo tão curto. Voltou a me chupar e me masturbava com uma mão, enquanto a outra explorava minha bunda. Eu segurava seu crânio e o guiava para onde queria que sua boca se dirigisse, entre meu pau e os testículos. Algumas vezes não sinto nada quando me lambem o saco, no entanto muitas vezes fico enlouquecido de tesão. Meu coração disparava quando o menino lambia minhas bolas. Eu me masturbava e ele introduziu um dedo em mim. Quando percebeu que eu estava perto de gozar, meteu dois dedos e me fodeu com vigor. Gozei na sua boca. Pôs-se então de costas para mim, se masturbava. Eu o abracei por trás, mordiscando sua nuca e costas, até ele gozar. Seu corpo desgovernado sacudia, jogando todo seu peso em todas as direções. Eu tentava contê-lo em meus braços. A respiração funda e ofegante foi acalmando com a massagem que fiz em suas costas, nas nádegas, no pescoço. Ficamos assim por uns dez minutos, até nos despedirmos.

   Tinha mais uns caras interessantes na sauna quando voltei a circular: um alto, com tipo de gringo e rosto muito bonito (apesar de o corpo ser meio desproporcional); um garoto moreno, de corpo bem bonitinho.  E outro novinho, loiro. Apareceu no corredor e me chamou para uma cabine perto do labirinto. Pus a camisinha e comi. Mas eu tinha gozado duas vezes em pouco tempo e perdi a ereção. Ele veio me chupar e lambeu minha bunda. Não percebi quando tentou meter o pauzinho em mim. Assim, sem aviso, sem camisinha, sem lubrificação - e sem noção. Apesar de ser um pau pequeno e fino como uma salsicha, que dor lascada! E que ódio!
 
   -Porra moleque, não faz isso, caralho! - gritei.

   Ele não se deu por vencido e voltou a me chupar. Até conseguiu me reanimar e eu fiz bobagem. Meti nele sem camisinha. Dei umas estocadas e tirei, saí da cabine.

   Desci, precisava descansar e ver as horas. Passando pelo bar, vi um dos funcionários da casa, que tinha trabalhado na 269. Ele é bonitinho, fiquei com ele algumas vezes nos quartos da 269. Dentro da sauna a vapor, tinha um coroa até interessante, saradão. Reparei mais num outro cara, de barba bonita, escura. Bem alto, costas largas, corpo razoável, rosto bonito. Tinha um pouco de barriga, talvez mais um problema postural que de gordura. Voltei ao primeiro andar e pouco depois ele veio sentar junto de mim numa das poltronas esfarrapadas do corredor. Roberto, 28 anos, mineiro, faz pós em SP duas vezes por mês. Visto bem de perto, conversando (apesar do sotaque mineiro pelo qual tenho uma incorrigível e gratuita antipatia) era muito agradável e seu rosto, encantador. Ficamos excitados e apareceu um outro cara, que parou diante de nós. Corpo bonito, nada extraordinário, mas bastante desejável. Magro, claro, todo lisinho, pés bonitos. Como paramos para olhá-lo, ajoelhou, na maior sem-cerimônia possível, e engoliu meu pau. Roberto olhava tudo com atenção e pôs o pau pra fora. Lindo. Eu acho lindo o pau com prepúcio volumoso. Nos beijamos, suavemente de início. Conforme o beijo foi esquentando, e consequentemente fomos perdendo contato com o cara que me chupava, este nos deixou a sós. Procuramos por uma cabine, várias delas não tinham trinco. Quando encontramos uma que fechava, Roberto observou:

   -Não tem luz alguma aqui... venha aqui, quero te ver no claro.

   Me levou a um dos banheiros. Foi meio difícil encontrar um que estivesse limpo, em condições de uso. Realmente era uma outra coisa chupar aquele pau no claro.

   -Ele não abre todo? - perguntei.

   -Não, só até aqui. Vou operar. Na verdade isto é uma despedida.

  Pela fimose, a glande não se expunha completamente. Deve dar um trabalhão pra deixar limpinho como estava.

   -Mas não tira tudo, é tão bonito assim.

   -Não, não vão tirar. Acho que vai ficar quase igual. Também gosto assim.

   Ele me chupou também e eu quase gozei. O virei de costas e lambi a bunda dele. Cuzinho apertado, quase oculto por pelos que se agrupavam só ali, entre as nádegas. Saquei que ele não ia dar pra mim. Em mais alguns minutos nos separamos.

   Eu tinha hora, ia assistir a um show do Arrigo Barnabé, ali perto, no Sesc Anchieta, às 9h. Fui me trocar. Quando eu estava quase completamente vestido, no armário exatamente ao lado do meu, chegou um cara beeem interessante. Gostoso pra caralho - pra ser mais preciso.

   -Cara, como será que abro este armário? - perguntou.

   -Empresta aqui o cartão - ensinei.

   -Pô, valeu! Tá indo embora?

   -Tô, tenho um compromisso. Cheguei na hora errada, né? Que droga...

   -Agora é a hora, fica aí! - disse rindo.

   -Tenho que ir mesmo.

   -Como está a coisa aí dentro?

   -Fraco.

   -Eu queria que tu ficasse. Você é lindo.

   Me beijou. Muito bem, diga-se. Eta homem cheiroso! Eta boca gostosa! Estava só de jeans e chinelo, e era visível que seu pau já estava em ponto de bala. O meu também. Enquanto nos beijávamos, peguei no pau dele, sobre a calça.

   -Eu queria te chupar.

   -Você tá me deixando louco.

   Terminei de me vestir, peguei minhas coisas no armário e o chamei para irmos ao banheiro, ali ao lado. Tirou a calça, enrolou-se na toalha e me seguiu. No térreo, os banheiros também estavam meia-boca. Peguei o mais espaçoso deles, destinado a cadeirantes, que estava OK. O nome dele é William, clínico, 40 anos. Ficou satisfeito por eu dizer que não aparentava essa idade, mas era uma meia verdade. É um homem bem bonito, alto, um touro de forte. Corpo largo, maciço, naturalmente sem pelos. Os cabelos, cortados rente, começam a branquear. Ele aparenta a idade que tem, mas em ótima forma. E tem um pau delicioso. Talvez eu não seja tão exigente, pois acho a maioria dos paus dos caras que me atraem, deliciosos. Ou talvez eu tenha um radar pra escolher caras com paus deliciosos.

   -Levanta, vira aqui que eu quero ver a tua bunda. Olha que bundinha gostosa. Quer dar pra mim? - perguntou.

   -Não. Seu pau é muito grande.

   -É nada. Devia ter pego uma camisinha... Pega lá.

   -Tenho que ir.

   -Só a cabecinha, deixa.

   Ele já estava quase metendo em mim. Virei de frente pra ele.

   -Já deu pra alguém aí hoje?

   -Até dei. Não sou de dar, mas dei.

   -Pegou vários caras?

   -Peguei os que me interessaram.

   -Você pega mesmo, pega quem você quiser. Você é lindo.

   -Até parece.

   Minha voz estava sumindo. Acho que fiquei um pouco tímido. Era estranho estar vestido na sauna, de pegação com um desconhecido pelado. Estranho e excitante. Fico constrangido quando o cara chega dominando geral, como se pudesse fazer comigo o que bem quiser. Agachei outra vez pra chupar.

   -Peraí que assim eu gozo!

   -Goza.

   -Agora não, tô chegando, bonitão. E você tá indo embora.

   -Vem aqui, deixa eu te chupar mais um pouco.

   Ele veio, eu chupei e me masturbei até gozar. Ofereceu sua toalha para eu me enxugar. 

   -Vou indo então... Estou atrasado.

   -Espera, eu saio com você.

   Foi mijar. Jorrava com muita força, demorado. 

   -Pega meu celular, quero te ver outra vez. Você me dá um puta tesão.

   Anotei seu nome e celular na minha agenda. Me despedi com uma palmada na sua bunda e um beijo na nuca.

   Arrigo Barnabé é o cara!  

domingo, 27 de maio de 2012

Baba nas Coxas


   Quinta-feira à tarde, fui conhecer o Chilli Pepper Single Hotel. Dependendo do horário, não me sinto muito à vontade no centrão. Além da feiura e degradação, dá medo: fui assaltado ali perto há alguns anos e fiquei meio traumatizado. Três demônios me espancaram por um mero celular. Foi difícil encontrar o tal hotel e, ao chegar, fui informado de que ele fechou, uma semana após a inauguração, para finalizar a obra. Que fazer? For Friends salva!

   Fazia quase um mês que eu não entrava ali. No chuveiro, ao meu lado, tinha um belo homem. Um belo de um velho, na verdade. Em geral não sinto atração por caras mais velhos que eu, mas era um puta corpão, cabelo farto completamente branco, cortado curtinho, rosto muito jovem, pele bronzeada. Só dava pra ver que era velho por causa do cabelo. Talvez nem fosse tão velho mesmo, mas o cabelo era branco, branco, branco. Fiquei com vontade de pegar o velho, tive chances (diversas vezes ele se insinuou e, ainda por luxo, sabia ser sexy o coroa!) mas as desperdicei. Provavelmente por puro preconceito.

   Também de passagem pelo chuveiro, olhei um garoto que se lavava. Reparei mais no pau dele, bonito de doer. Um cara branquinho, sem pelos, usava uma barbinha curta. Não tinha nada de mais (exceto o pau) mas é o tipo de cara de que gosto. Na sauna tinha outro cara com as mesmas características, eu os confundia toda hora. O outro era até mais bonitão, mas foi o primeiro que veio sentar ao meu lado na sala de vídeo. Ali, à meia luz, me pareceu bem bonito de rosto. Chama Renato, 23 anos, DJ. Além de DJ tem uma outra profissão que eu esqueci completamente. Ficamos nos sofá conversando e nos pegando por mais de uma hora. Todo ele cheiroso, macio. E aquele pau. Tenho um amigo que não entende quando eu digo que fulano tem um pau bonito: "Mas bonito por que? Pau não é tudo igual?". E é viado quem me fala um absurdo desses! Pois o pau desse Renato é lindo, lindíssimo. Chego a ficar emocionado quando encontro um destes. Sem cinismo, me emociono mesmo. Além disso, é um menino super querido, me enchia de carinhos e elogios. Quando um magricelo veio sentar ao nosso lado, sugeri que fôssemos para o banheiro.

   Na cabine a iluminação é bem melhor e fiquei um tanto decepcionado com o resto dele (o pau é sempre a exceção). Um tanto fora de forma para a sua idade, cabelo desleixado, meio falho. Não era bonito definitivamente. Mas tinha aquela joia no meio das pernas. E era fofo, muito fofo. às vezes acontece de o tesão do outro nos contagiar. Pediu algumas vezes que eu encostasse na parede para olhar pra mim:

   -Puta que o pariu, como você é gostoso! Nem sei o que fazer com você...

   Eu me sentia bonito mesmo, tinha tomado sol e acabado de cortar o cabelo. Fizemos basicamente sexo oral. Fiz menção de meter na sua bundinha, mas não fui adiante. E quando ele me imitou, cheguei a considerar receber aquele pinto lindo dentro de mim. Reconsiderei pelas dimensões bem além dos meus mais entusiasmados arroubos de "passividade". Mas não me fartava nunca dele na minha boca. Não se tratava de apenas mais um órgão genital masculino. Tamanho, formas, textura, cores, cheiro, gosto - uma festa! Imodestíssima! Se ele tivesse um corpo mais bem cuidado e raspasse aquele cabelo feioso, seria um partidão. Continuei chupando, mesmo quando ele anunciou que estava para gozar.

   -Onde você quer que eu goze?

   -Em mim.

   -Pode gozar na sua cara?

   Gozou na minha boca, no meu colo. Eu cuspi e continuei chupando até que murchasse. Tão lindo, tão lindo...

   Depois do banho, de passagem pelo vestiário, vi um cara bonito se vestindo. Senti uma pontada no coração por ter ficado tanto tempo com o Renato e deixado aquele homem me escapar. Ele me olhou também, com evidente interesse. Nos cruzamos e depois de alguns passos, voltei. Estava agora secando os cabelos no hall embaixo da escadaria. Nos olhamos novamente e eu prossegui, como se espera do idiota que sou. Já ia subindo as escadas, quando ele me chamou.

   -Hei, tudo bem?

   Voltei:

   -Já está indo embora? - perguntei.

   -Já, tenho que ir. Por que?

   -Que pena...

   -É, uma pena... também acho.

   Me beijou. O secador ligado esquentou minha orelha direita. Seu nome é Caio, 31 anos, matogrossense, moreno, por volta de 1,80m, rosto muito interessante, de traços latinos e um corpo absurdo. Mesmo já estando completamente vestido, era impossível não perceber que seu corpo era um assombro. Disse que precisava passar em casa antes da aula de inglês. Contou que trabalha numa marca de moda, patrocinadora de um grande evento internacional, e que vive na estrada por conta disso. Bastante desenvolto com as palavras, dava a impressão de engrandecer tudo, mais por imaginação, que por malícia.  Talvez até por alguma insegurança. Falou muito sobre a empresa, usando aqueles jargões afetados e sobre sua frustrada carreira de cantor em alguns programas televisivos. Falou algumas abobrinhas sobre canto, mas entoou de brincadeira uma frase musical com voz muito bonita e segura. Contou do período em que morou em Buenos Aires e do namorado argentino com quem morava - um relacionamento tumultuado, cheio de brigas e desentendimentos. Disse ter fechado uma venda milionária naquela manhã e recebido uma tarde de folga do chefe. Tinha chegado perto das 14h e estava cansado da sauna. Vários dados desencontrados sobre suas conquistas profissionais confirmaram a impressão inicial de ser um mentiroso compulsivo. Trocamos Facebook e nos despedimos com outro acalorado beijo. As fotos do seu perfil são um pouco bregas e seu rosto não é muito fotogênico, mas o corpo é tudo aquilo que eu imaginei. E um pouco mais.

   Tinha um garoto inconveniente; onde quer que eu fosse, lá ele estava, e seus olhos arregalados, querendo relar em mim, passar a mão. Baixinho, moreno, cabeça raspada, tinha um corpo bem bonzinho, mas o rosto era sem qualquer atrativo. E era chato pra caralho. Eu tinha visto um gostosão e tentava chegar perto, lá no lado escuro (sem um ponto de luz naquela noite). Era um coroa meio bombado (uns quarenta e poucos anos), corpo bonito, rosto interessante, apesar do nariz imenso. Pois o baixinho se colocou na minha frente, entre mim e o cara, e continuava me intimando. Por coincidência, outro carinha se pôs ao seu lado, se insinuando pra mim também - não sei se estavam juntos. Fiquei até lisonjeado com aquela dupla demonstração de interesse, mas não dei corda. O baixinho pegou em mim e veio se encostando. Afastei sua mão e saí. Me sinto mal nessas situações, fico chateado e não deveria. Quem toma liberdades dessa maneira, está se sujeitando a uma negativa brusca. O coroa tinha desaparecido e eu voltei para o claro. Encontrei o Roger (para variar) e conversamos um pouco. O coroa passou por nós e o Roger pôs defeito e disse que ele nunca fica com ninguém na sauna. Me passou a cantada de sempre e comentamos bunda de um garoto que tinha passado. Ele foi lá tentar a sorte e voltei para o escuro, atrás do coroa.

   Foi fácil; o encontrei logo e ele mordeu a isca prontamente. Era um tanto limitado, não queria beijar na boca, nem que eu tocasse na sua bunda. Quando consegui lamber seu cuzinho, já tinha um monte de gente em volta perturbando. Fomos para o reservado e nos beijamos. A principio, eu quase o forcei, mas depois ele entrou no clima. Eu não ia dar, ele também não, decidimos parar por ali. Mas foi bem enfático ao se despedir:

   -Se mudar de ideia, estou aí por dez minutos ainda. Queria muito te comer, hein!

   Saí dali e encostei numa parede ao lado, ainda de pau duro. Passou um moleque que eu já tinha visto no andar de baixo, e parou numa porta, olhando pra mim. Eu queria mesmo que alguém me chupasse e fui lá. Parei diante dele e nem precisei pedir. Agachou e me deu um bom trato. Depois começou a ficar nojento, ele salivava muito, escorria pelas minhas pernas. Foi me dando uma tremenda aflição mas não sabia como pará-lo, dizer que não queria mais. Estava torcendo pra que um de nós gozasse, quando apareceu um loiro do meu lado, completamente nu. Era um corpo bonito, dava para perceber que sua pele era bem clara e lisinha. Eu o atraí para perto e pus o menino para chupar os dois paus ao mesmo tempo, enquanto eu explorava a nova bundinha do pedaço. Era deliciosa. Ele gemia e soltava algumas palavras ininteligíveis, com uma voz muito grave. Fiquei atrás dele, pus a camisinha e comi. Ali mesmo, no meio da sala escura. Não tinha ninguém por perto, só o outro cara que continuava ajoelhado no chão, chupando o pau do loiro. Foi um pouco difícil a penetração, ele era bem apertado. Vi o Felipe subindo as escadas enquanto eu fodia o cara. Isso me tirou um pouco a atenção do que estava fazendo. Acho o Felipe um bonitão, e um cara bacana. Queria conhecê-lo melhor, mas não vai rolar, ele me evita agora. O loiro gozou antes de mim, pra variar.

   Tomei outro banho, me livrei daquela baba nas coxas. Eu queria gozar, precisava gozar. A sauna estava quase vazia. No vestiário vi um cara chegando. Era óbvio que era estrangeiro e tinha um rosto lindo. Alto, magro, corado de sol, cabelo loiro cinzento cortado bem rente e olhos de um azul transparente. Começou a se despir e eu subi para o primeiro andar. Sentei na sala de vídeo e em alguns minutos ele apareceu por lá também. De onde eu estava sentado, vi o Felipe sair de um dos quartos com alguém. Seu corpo de nadador me excita muito, especialmente a bunda, pequena e escultural. O loiro também o viu e veio sentar ao meu lado. Foi muito rápido e direto. Seu sorriso era deslumbrante, tentador. Parisiense, seu nome é Loic (eu nunca tinha ouvido esse nome da vida e só compreendi quando o soletrou), 31 anos. É bancário e tirou um ano de férias para dar a volta ao mundo. O Brasil é sua última parada, onde fica por cinco semanas -  havia chegado na manhã daquele dia. Nos comunicamos em inglês, que ele fala muito bem, com pouquíssimo sotaque; e eu, que geralmente me comunico bem em inglês, me atrapalhei várias vezes durante nosso papo. Nos beijamos ali no sofá e ele me chamou para irmos para um quarto. Não sabia que tinha de alugá-los para pegar a chave. Fomos para uma cabine do banheiro mesmo. O corpo dele não é bonito, bem magro e alto (1,93m), só as pernas são bem torneadas. E o pau é enorme. Estava com uma marquinha de sunga, o corpo todo meio avermelhado de sol e a bunda bem branca. Nos chupamos e fodi violentamente seu buraquinho cor-de-rosa. Depois do banho ele queria fumar. Foi buscar o cigarro no armário e fomos para o jardim externo. Falou um pouco do seu itinerário e contou alguns acontecimentos. Nada muito interessante como se esperaria de quem passou um ano viajando por lugares tão diferentes. Deu mais ênfase aos homens - disse que Cuba e Argentina são os melhores lugares do mundo pra pegar homem bonito. Tem ouvido dizer que os homens brasileiros são os mais sexy do mundo mas que têm pau pequeno. Como eu fui o seu primeiro brasileiro, ficou mais aliviado quanto às nossas medidas. Eu disse que quando soube que ele era francês, também tinha ficado apreensivo, pensando que ele poderia ser meio sujinho. Apesar de fumante, era muito cheiroso. Pediu algumas informações de lugares onde ir em SP e pareceu bastante bem informado, inclusive sobre nomes de ruas e bairros.

   Um garoto veio sentar com a gente e puxou conversa, queria saber de onde nós éramos. Seu nome é Douglas e é muito simpático. Tem 23 anos, gaúcho, morando em SP há poucos meses. Tem um tipo bom, mas não é atraente pra mim. Loic foi dar uma sapeada na sauna mas, não encontrando nada interessante, voltou a sentar no jardim. Resolvi ir embora e ele disse que iria junto. Fomos conversando até o metrô. Descobrimos que tínhamos visitado a mesma exposição no MASP (quase no mesmo horário), cortado o cabelo no Retrô e almoçado no Athenas. MEDO. Combinamos de nos encontrarmos no final de semana para uma balada que acabou não dando certo (desta vez por minha culpa).

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Tem Cara Que Goza a Seco


   Chovia quando cheguei à For Friends. No dia anterior, quarta-feira, a chuva tinha sido devastadora - todos estavam apreensivos - mas desta vez veio apenas uma chuvinha bastante corriqueira - leve e até simpática. Cheguei molhado, chupando um picolé de maracujá. Enquanto me despia, dois caras rodeavam. Um deles eu já conhecia, tinha ficado com ele havia uns meses. É um tipo de beleza sem vida: boa altura, corpo lindo (todo inflado de bomba, mas não dá pra negar que é um corpo e tanto), rosto cheio, de olhos azuis; um homem bonito. E só. A verdadeira beleza tem diversas camadas - é complexa, profunda, instiga e perturba. Pode conter até feiura. Ou loucura. Ou tristeza. E geralmente contém. E mesmo que esse cara não passasse muito de uma beleza vazia, fiquei com uma vontade de comer de novo... E tinha o outro: também musculoso (mas um corpo mais natural), usava barba, tinha pelos bonitos no peito. E transbordava lascívia no olhar, no andar de fera enjaulada. Reclamou para o primeiro:

   -Que bosta de chuva, hein?

   -Fica aí, ô!

   -Não, preciso ir...

   Se foi, não sei; não mais o vi. Quem eu topava onde quer que eu fosse, era o bombado de olho azul. Nos encontramos finalmente no corredor da sala de vídeo do primeiro andar. De pé, ele assistia ao filme, pegando no pau, sobre a toalha. A bundinha estreita e arrebitada, os músculos peitorais volumosos, lisos, redondos. Que corpo! Olhou pra mim, sorrindo como bobo. Moveu-se para uma cabine do banheiro e eu o segui.

   Porta fechada, em silêncio sepulcral despem-se de suas toalhas. Um certo mal estar entre dois estranhos que não se falaram e estão prestes a invadirem-se mutuamente pelo impulso cego do desejo. E quando se tocam, tudo é simples e natural. As bocas se unem e vasculham pelos corpos aquelas sensações já conhecidas e sempre renovadas. Que bunda! Que bunda!! Que bunda!!!

   Comi, claro. E foi bom novamente. Passou - sem importância alguma, mas foi bem bom. Acabei de tomar meu banho e desci pela escadaria da frente. Ao passar pelo vestiário, houve uma troca de olhares promissora. Eu o reconheci imediatamente: ator de televisão; já o tinha visto no teatro também. Completamente nu no palco, um corpo impressionante, uma voz extraordinária. Desde adolescente o acompanho de longe, e agora parecia tão ao meu alcance. Apesar do olhar interessado que me lançou, fiquei nervoso. Sentei próximo do vestiário. Queria confirmar o seu olhar. Mas demorava e demorava. Parecia haver algum problema: ele falava com os funcionários da casa (com certa intimidade), ia de lá pra cá. Fui dar mais uma geral na sauna. Até tinha uns caras razoavelmente interessantes. Na volta, passei pelo tal ator novamente. Vou chamá-lo pela inicial M. Estava parado no corredor que leva ao bar. Seu olhar era muito direto, seguro, penetrante. Quem ficou atrapalhado fui eu. Geralmente sou eu que encaro diretamente quem me interessa, e estes se fazem de desentendidos. Passei por ele, por esse olhar devorador e me fechei no banheiro. Fui mijar, mas fui também me esconder por um instante, do olhar que me invadia. Não que isso fosse desagradável, pelo contrário. Mas me senti fragilizado também, ansioso, inseguro. Na volta ele já não estava no mesmo lugar. Voltou a aparecer em 10 minutos, na ducha do primeiro andar, na frente da sauna. Nos olhamos outra vez e eu entrei na sauna. Veio logo atrás - sempre a mesma segurança no olhar, na postura. Sentou do meu lado e me tocou. Sem grosseria, sem forçar a barra. Nos beijamos. Eu mal podia acreditar em meus sentidos. Uma coisa parecida aconteceu na 269, anos atrás. Era também um ator, um homem lindo. Transamos (foi uma das melhores transas da minha vida) e eu só fui saber quem ele era, depois, durante o nosso papo no bar. Ele não gostou de ser reconhecido (na época ele não era muito famoso) e me dispensou. Depois pensou melhor e quis um repeteco. Até hoje não acredito que dispensei uma segunda transa com aquela delícia. Mas voltemos a M e ao nosso beijo dentro da pequena sauna do primeiro andar. Atores sabem usar o corpo e as emoções, o olhar, a respiração, manter a calma, manter o jogo. Eu não sou ator - parei o beijo para secar meu rosto:

   -Tá muito quente aqui.

   -Vem, vamos sair.

   Tomamos uma ducha. Pedi que ele me aguardasse perto dos quartos, que eu ia buscar uma chave. Voltei um pouco trêmulo, nervoso. Quando fechei a porta, respirei mais aliviado - estava agora sozinho num quarto com M. Tirei lentamente a sua toalha. O corpo liso, ainda úmido, cintilava a luz do abajur. Costas largas, braços fortes, expunham cada fibra muscular, cada veia sob a pele fina. E as pernas, a bunda, o abdome - um puta corpo! Seu rosto também é muito interessante, tenso, de angulações nada óbvias e profundos olhos verdes.

   -Você curte o que? - quis logo saber.

   -Sou ativo. (Pausa) Geralmente... - completei. Se ele só quisesse me comer, acho que eu dava.

   -Gosta de foder? Como é seu nome?

   -Yuri.

   -Gosta de bunda, Yuri?

   Eu sorri timidamente. Fiquei bobo.

   -Gosto.

   -Tem que gostar mesmo. Meu nome é M.

   -Eu sei.

   -Sabe, é?

   -Sei, te vi na peça tal.

   -Ah é? Eu adorava fazer aquilo!

   -Era um espetáculo muito bonito mesmo.

   -Não era?

   Deitamos, nos beijamos muito. Beijei seu corpo, seu pau. Grandão, bonito. Tinha um acessório de borracha na base. Não entendi logo de cara:

   -O que é isto?

   -Hum... É um... (tentava encontrar o termo) um cock ring.

   Me explicou mais ou menos como funcionava e que achava que dava mais prazer. Levantei suas pernas e meti a língua no ânus. Ele se contorcia. Suas pernas abriram completamente no ar, em espacate.

   -Que língua gostosa! Vem aqui, quero chupar seu pau.

   Eu deitei no seu lugar, ele arrumou meu travesseiro.

   -Você é tão cheiroso, gato! Sua boca cheira gostoso, tem cheiro de beijo. Olha esta rola!

   O abajur iluminava de perto seu rosto engolindo meu pau. Os cabelos lisos, brilhantes, escorriam pela testa. Ele parou tudo, ajoelhou rápido na cama, a respiração presa, segurando o pau com uma das mãos e a outra espalmada em atitude de suspensão. Contrações corriam-lhe corpo de alto a baixo.

   -Você gozou?

   -Só um pouco.

   Eu não vi nada. Veio me beijar de novo:

   -Foi uma sorte te encontrar aqui hoje. Olhei por aí e só vi umas bichas de quinta.

   -Tem muito velho aqui...

   -Eu gosto até, às vezes me atrai. Mas, não sei, gente suja. Não gosto. Fui lá em cima, o cara com o pau sujo...

   -Tem uns caras sem noção.

   -Muito sem noção! Eu gosto de vir aqui, pegar um cara que nunca vi na vida. Me dá tesão, assim como estamos aqui, agora...

   -Você vem sempre?

   -Venho de vez em quando. Tenho um relacionamento - disse mostrando a aliança na mão esquerda.

   -Ah, sim... Mas...

   -Temos um acordo tácito. Estou com ele há muitos anos.

   -Ele sabe que você vem aqui?

   -Não, nem desconfia! Assim... ele é menos sexual que eu (pausa). Eu acho, não sei. Ele não é como eu, não tem a mesma necessidade, sabe?

   -Mas por que nunca falaram sobre isso?

   -Não precisa. Eu descobri super-por-acaso dum rolo dele com um cara. Acho que foi só uma transa, nem sei. Sempre tive as minhas historinhas também. Ele não teve como negar (pausa). Mas negou... Foi chato, constrangedor. Acabamos nem conversamos sobre isso direito. Nos damos muito bem, a gente se gosta, temos muito em comum, uma vida que construímos juntos.

   -Deve ser estranho.

   -O quê?

   -Sei lá, vocês não conversam sobre isso.. E conversar também seria estranho... Mas não é meio arriscado você vir aqui? Você é uma pessoa pública...

   -Ah não, nem penso nisso. Não sou tão famoso. Uma celebridade de segunda categoria. Fiz pouca Globo.

   -Digo, é mais fácil de chegar até ele uma história dessas.

   -Não ligo mesmo. E você, tem namorado também?

   -Não.

   -Sério? Só porque não quer.

   -Nunca tive.

   -O quê?

   -Namorado.

   - Como assim?

   -Nunca tive. Nunca rolou um lance mais sério. Ou mais longo.

   -Não acredito! Mas você nunca se apaixonou por ninguém?

   -Já, claro. Mas nunca foi recíproco. E de outra forma, não me interessa. Mas eu sou muito fechado, chato pra caramba...

   -Mas deve ter um monte de menino querendo namorar você.

   -Nem tem.

   Ficamos nos olhando um tempão; nos olhos, no fundo dos olhos. Olhar um desconhecido em silêncio, a um palmo de distância, pode ser constrangedor. Sempre é, na verdade. É  muito mais íntimo que apenas transar. Os dois estão expostos, desprotegidos. E é muito bonito e prazeroso. Expôr-se e invadir o outro. Ele passou o dedo no contorno do meu rosto.

   -Que boca linda. Você é gato mesmo.

   -Ah vá... Valeu. Você também, seu corpo é incrível. Quantos anos você tem?

   -43.

   -Mentiraaaa!

   -Verdade. E você?

   -38.

   -Com essa cara de menino! Vem aqui. Lambe o meu cu de novo, daquele jeito que você me lambeu?

   Pus ele de quatro, de costas pro abajur. Era uma bunda linda, me deixou louco. Botei a camisinha e meti. Logo perdi a ereção. Meu pau é grosso, mas ele tem um relaxamento grande, e eu não sentia nada. Meti um dedo, dois.

   -Põe dois dedos em mim.

   Pus três, quatro. Achei que fosse fistar o cara. Passei lubrificante na mão. A ideia me excitou, mas não rolou. Nos excitamos mais e eu meti sem camisinha. Fizemos alguns movimentos e ele interrompeu.

   -Sem camisinha não pode, gato.

   Eu coloquei outra e meti. Perdi a ereção outra vez.

   -Com camisinha não tá rolando... que pena...

   -É, acontece comigo também às vezes. A gente perde a sensibilidade com a camisinha. Vem gozar em mim, quero no meu peito.

   Deitou na cama, eu fiquei por cima, ajoelhado, me masturbando. Ele gozou. Parecia seco de novo. Eu não consegui:

   -Eu tinha acabado de gozar quando te encontrei, não vai dar.

   -Você me fez gozar três vezes.

   Eu não vi uma gota de porra. Sei lá, tem cara que goza a seco. Conversamos mais, sobre artes, nossas atividades profissionais e nossas famílias. É um cara legal, simpático.

   -Devem ser mais de oito horas, né? - perguntou.

   -Será?!

   -É, tá pensando o quê? Vamos tomar um banho.

   No chuveiro ele me mostrou um sabonete que tinha trazido. Diz que tem pavor de pegar chatos na sauna e passar pro marido.

   -Nossa, que nojo!

   -É, imagina! Usa o sabonete também. Passa e deixa uns minutos.

   Depois do banho, fomos nos trocar. Ele pegou o meu telefone e deu um toque para eu ficar com o dele. Fiquei assistindo ele se vestir, passar seus cremes, um verdadeiro ritual de cuidados com a pele.

   -Eu não tenho essa paciência...

   -A minha pele é muito seca. Sem creme, ela repuxa, não dá.

   -Por isso que você está assim, podia dizer que tem dezoito anos a menos.

   -Eu, dezoito anos??

   -Dezoito a menos.

   -Ah!

   Saímos juntos. Sempre esqueço que lá não aceitam cartão de débito - só de crédito, que eu não uso. Eu não tinha o dinheiro todo na carteira e ele rachou a despesa do quarto comigo. Como era o dia do seu rodízio e ia pegar um táxi na esquina, ofereceu uma carona até o metrô. Sentamos atrás e ele ia me dizendo umas sacanagens, coisas como: "Você vai chupar o meu cu de novo?". O motorista olhava pelo retrovisor e eu fiquei com um pouco de vergonha. Fiquei excitado também. Nos despedimos com um beijo desencontrado e pensei que não fôssemos nos falar nunca mais. Mas ele ligou hoje. E amanhã tem mais.