segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Língua no Cérebro


   Ele havia passado rumo ao lado escuro da casa (não tão escuro nesse horário). Subi as escadas e fui encontrá-lo numa das salas: cerca de oito homens em roda, uns sentados, outros deitados e alguns em pé, se masturbando e se olhando. Como só ele era bonitão, me senti meio constrangido e logo deixei a sala. Voltei em seguida e parei do lado de fora, de onde podia vê-lo facilmente e me sentir mais protegido dos outros olhares. Não demorou muito para vir até mim - passou perto e sorriu, desajeitado. Foi para a sala do fundo e o segui, lentamente. Com simplicidade me segurou e beijou meus lábios delicadamente. Fico apreensivo com esta velocidade, mas foi bom, estava limpo, cheiroso. Ficamos ali um tempinho, mas a claridade e os intrometidos que já nos rodeavam começaram a incomodar. Não lembro qual dos dois sugeriu pra irmos pro outro lado da casa, acho até que fui eu.

   Quando passamos para o claro, notei que seus pés eram meio esquisitos. Eu realmente tenho um problema com pés, mas não dava pra escolher muito àquela hora, preferi evitar olha-los diretamente. Aproximadamente 40 anos, em boa forma, estatura mediana, clarinho, poucos pelos bem distribuídos, traços elegantes, barba linda. Tinha algumas tatuagens que contrastavam desfavoravelmente com toda a sua aparência. A das costas (logo abaixo da nuca) era horrorosa, toda em azul, confusa. Tinha um leão, tenho quase certeza de que vi um pavão também. No peito tinha outra grande - tribal, tosca. Ele me guiou pra a cabine dum banheiro, ambiente mais iluminado e reservado. Havia água pelo chão. Penduramos nossas toalhas na porta e nos beijamos. Nos apresentamos mas esqueci completamente o nome dele. Era bonito nu. Gostosinho, macio. Lembro dos mamilos pequenos e claros, quase cor de salmão. Quando engoli seu sexo fiquei alarmado por sentir na língua algumas protuberâncias. Pensei que fosse alguma doença, verrugas, sei lá! Reparando melhor, vi que eram cicatrizes de uma circuncisão, talvez tardia. Ele me chupou também, e bem gostoso. Eu sou louco por barba e não posso resistir ao impulso de bater com meu pau na cara dum barbudo. No começo ele pareceu não entender, mas depois entrou na onda.

   Seu comportamento alternava-se entre doce e levemente grosso ou vulgar; vulgaridade e grossura que pareciam aprendidas, postiças. Enquanto me chupava, notei a aliança dourada na mão esquerda que acariciava meu peito - dourado, aliança, casamento: tudo tão cafona. Me perguntei se ele era casado realmente, se com uma mulher, e qual seria o significado disso tudo, pra ele, pra o/a cônjuge e até pra mim. Fiquei confuso. Um pouco de pena, outros tantos de culpa, raiva, tédio e, admito, até tesão. Não deu pra pensar muito porque ele me virou de costas e enfiou a cara na minha bunda. Geralmente eu gosto muito, claro: língua é bom em qualquer parte do corpo, deve ser bom até no cérebro. Mas ele era meio afoito, sem noção. Essa é a parte mais delicada pra mim, tem que saber fazer pra eu curtir. E não tava muito boa a sensação, só deixei continuar porque ele estava muito excitado. Se exagerava na força, eu oferecia o pau mas ele sempre me virava novamente, com certeza pensando que estava mandando bem. Até que, inevitavelmente, veio tentar me comer. Pôs a camisinha todo crente e se colocou na posição. Era um pau relativamente grande, e eu não estava com a mínima vontade. Acho que na vida toda só dei umas 10 vezes, é como um evento anual (sem trocadilho, por favor). A boca dele já tinha incomodado, o pau doeu e nem chegou a entrar nada, mas ele ficou insistindo. Eu parava, chupava ele, lambi a bundinha dele também, nos beijávamos... juro que me esforcei para distraí-lo, mas ele sempre voltava à fixação de meter. Cansei.

     -Cara, vou tomar um banho, beleza?

   Ele pareceu desapontado. Eu também estava e não tinha nem vontade de conversar.

   A essa altura já tinha mais gente na sauna. Sentei pra ver um vídeo pornô. Tinha um ator lindo, também de barba, mas um senhor veio sentar do meu lado e ficava se masturbando, olhando pra mim. Eu via com o canto do olho, tentando me concentrar no filme, mas ele insistia, queria chamar atenção e logo fugi.

   Depois das 18:30h que começou a ficar mais animado. Cheguei cedo, por volta das 15:00h e estava muito fraco. O barbudo supostamente casado ficou lá até tarde da noite também e sempre que nos cruzávamos, sorria pra mim, todo galanteador. Até pensei em tentar novamente, mas pra quê?

   Nesse dia, pelo que lembro agora, com todos os caras com quem fiquei, houve aproximação lá no escuro. O próximo foi um loiro. Não o tinha visto no claro, surgiu do nada e nos interessamos um pelo outro imediatamente. Com o horário de verão ainda havia claridade e dava pra ter uma boa noção da sua figura: pele muito clara, nariz comprido, expressivos pequenos olhos escuros, aproximadamente 1,80m, corpo definido, gostosinho, naturalmente sem pelos. Não era nenhuma beleza, mas me agradava. Parecia um rato branco (ah, tá...), mas me agradava! Pedro, o nome dele. Me levou para o pequeno banheiro ali no escuro mesmo. Ele estava molhado de um banho recente (imaginei que acabara de entrar na sauna).

   - Que boca boa, eu disse.

   Boa de beijar, ótima pra me chupar. Elogiou muito o meu pau e ficava chupando até suas pernas não resistirem à posição agachado. Então levantava e me beijava. Eu não estava com vontade de chupar, só queria que continuasse me chupando e beijando. Perguntou se eu queria buscar uma camisinha. Não respondi. Parecia adivinhar o que me daria mais prazer - lambia deliciosamente meus mamilos, minhas axilas, meu pescoço. Me chupou até me fazer gozar. Perguntei se ele queria gozar também: "-Lógico." Foi rápido que ele se masturbou e quase tombou quando atingiu o orgasmo. Nesse tempo eu fiquei me sentindo egoísta com o cara, eu quase não tinha feito nada, só o beijei e me deixei chupar. Pensando melhor, a gente não se conhecia, estávamos ali por algum prazer apenas: ele queria me chupar e chupou; eu não queria chupar e não chupei. Não queria ir pegar a camisinha para penetrar e não fui. Tava tudo certo. Excesso de autocobrança, ou simplesmente porque foi gostoso e ele parecia uma pessoa simples e afável, pelo jeito e as parcas palavras que trocamos ali. Ele próprio não parecia insatisfeito. Nos despedimos e fomos tomar banho separados. Ele entrou no banheiro de baixo e eu subi. Diante dos chuveiros tem uma vidraça que dá para o jardim maior da casa. Através do vidro embaçado pelo vapor, fiquei observando as árvores. A For Friends tem 35 anos, era o que informava um banner na escadaria, e imagino que as árvores tenham bem mais que isso, algumas são enormes, ultrapassam o telhado do antigo sobrado.

   Deitei na espreguiçadeira da piscina e fiquei observando o movimento. Às vezes dava uma volta, olhava quem chegava. O Pedro passava e acenava com a cabeça, com um meio-sorriso cúmplice. Eu desejei que ele viesse sentar do meu lado. Fui falar com ele no bar. Contou que era de São Paulo mas mora em Minas faz muitos anos. Tinha vindo fazer um curso patrocinado pela empresa em que trabalha. Tem 37 anos como eu e aparenta bem menos. Contou que a família mora aqui mas ele nem avisou que viria, pois era muito fora de mão de onde estava hospedado (perto do curso). Curiosamente ele comentou depois que um irmão dele mora na Vila Mariana, há poucas quadras da sauna. Perguntei se ele morava só e disse que sim. Eu ri pela forma vacilante como havia respondido e o deixei sem graça. Eu disse que de certa forma é positivo não saber mentir. Perguntei se era com um namorado que ele morava e ele confirmou, claro. Chamei pra sentar comigo numa salinha mais reservada que tem ao lado do bar. Nos beijamos e ficamos ali uns 20 minutos, batendo papo e trocando carinhos. A camisinha caiu da minha toalha, no sofá. Ele a recolheu e me chamou pra subir para um banheiro, numa ala que eu quase nunca uso, mais espaçoso e iluminado por uma luz bem azulada que ficava linda na sua pele muito branca e sardenta. Eu estava bem mais à vontade com ele e comecei a chupar, o pau era bonitinho, não muito grande, com bastante sobra de prepúcio na ponta. Consegui colocar toda a cabeça do meu pau dentro do prepúcio dele. Quando voltei a chupar pensei que ele tivesse gozado ou urinado, tinha muita secreção de sabor salgado, me assustei um pouco até entender.

   -Meu pau baba muito - balbuciou, meio envergonhado, meio contrariado.

   Ele me chupou mais e mais, sabia como fazer. Lambeu minhas bolas e foi descendo com a língua para a minha bunda. Me virou e lambeu gostoso, sem comparação com o modo grosseiro do outro cara. Eu o levantei, virei contra a parede e deslizei o pau por sua bunda enquanto beijava e mordia a nuca. Ele se arrepiava todo e virava a cabeça pra trás:

    -Roça a barba no meu pescoço!

   Pus a camisinha e continuamos. Quando começou a entrar, ele pôs a mão no meu quadril e pediu pra esperar:

   -Deixa eu me acostumar com ele.

   Eu fazia pequenos movimentos de retração e voltava a enfiar, cada vez uns milímetros a mais, até sentir que podia ir com tudo. Gosto de segurar firme na cintura com as duas mãos, me dá uma sensação de domínio. Fazia tempo que eu não fodia com muita força, não é todo mundo que gosta e geralmente prefiro mais suave. E foi ótimo! Não demorei muito a gozar e ele pediu pra eu ficar dentro até ele chegar lá também. No fim, estávamos zonzos, suados, os corações acelerados, respirações ofegantes. Encostei na parede e o puxei e abracei com força. Rimos de nada.

   Fui tomar banho lá em cima mesmo e ele veio junto. Só tinha uma ducha disponível e ele ficou de fora esperando. Desci e ele foi tomar seu banho. Ficou um clima meio esquisito, eu nunca sei se o cara com quem acabei de transar quer continuar do meu lado ou se quer procurar outro cara. Sentei numa poltrona lá embaixo, perto do jardim e poucos minutos depois ele veio sentar comigo, reclamando que eu havia sumido. Fala tão baixo quanto eu. Conversamos mais sobre a sua viagem, sobre o curso e tentei perguntar mais sobre o namorado, mas ele parecia reticente. Como reparou que eu estava olhando pra dois garotos que tinham acabado de entrar, sugeriu:

   - Se eu estiver atrapalhando alguma coisa, me avisa...

   Fiz média:

   -Não! Agora só preciso de um descanso!

   Rimos. A conversa ia morrendo e ele decidiu fazer uma sauna para relaxar.

   Eu já estava querendo ir embora mas sempre fica a vontade de encontrar mais alguém. Não sei exatamente o que é essa compulsão que me prende por tantas horas na sauna. Se é desejo, carência, vaidade, querer aproveitar por não ser todo dia que eu tomo a decisão de ir para a sauna ou simplesmente falta de opções mais excitantes. Um dos dois garotos que eu já tinha notado, despertou minha curiosidade: parecia muito jovem, castanho, perfil bonito, queixo forte, nariz reto, corpo muito interessante também, lembrava muito meu inquilino, numa versão melhorada. Reparei que eles falavam de mim. O outro era bem baixo e magro, clarinho, de bigode e cavanhaque, cabelo curto - nada atraente para mim. Cheguei a ir ao armário pra me vestir, mas resolvi subir e procurar o garoto. Ele tinha ido pro escuro. Estava sentado num sofá de frente para o vídeo, imóvel, pernas esculturais abertas. Alguns caras passavam e mexiam com ele, que continuava impassível. Aquele primeiro cara com quem fiquei, o de barba, passou por mim e falou alguma coisa que não entendi. Eu o puxei pelo braço e perguntei o que era:

   -Voce é o homem mais bonito da noite.

   Eu ri. Pelo gracejo e pela obviedade da cantada, tão desnecessária. Ele riu também e soltou mais uma:

   -Casa comigo?

   Talvez vício de homem que leva uma vida "hétero", acostumado a cantar pobres mulheres com clichês desse nível. A indignidade mundana. Meu riso virou careta malcriada. Passei perto do garoto que estava no sofá, ele acompanhou meus passos virando a cabeça. Me aproximei, quase encostado no seu braço que pendia do sofá. Tinha as pernas bem mais desenvolvidas que o tronco. Alisou minha coxa e me olhou nos olhos. Dei a volta e sentei junto. Conversamos um pouco. Coincidentemente também chamava Pedro, 26 anos, primeira vez na sauna. Tinha um sorriso lindíssimo, iluminado. Um longo beijo e ele me chupou, ali mesmo. Disse que o amigo estava na sala ao lado, acompanhado. A gente ficou se pegando no sofá e era muito gostoso - apesar dos curiosos que sempre tentam passar a mão ou ficam ali do lado, esmolando atenção. Fomos para uma sala mais escura que estava vazia, semiocultos por uma parede. Depois de algum tempo um carinha realmente lindo entrou, parou na nossa frente, encostou numa parede com pernas e braços cruzados. Parecia nervoso, agitado. Um pouco menos de 1,80 de altura, jovem, ombros largos. O corpo bem definido sobressaia por estar molhado e no contra-luz da TV. O rosto era muito bonito, fresco, olhos claros, nariz perfeito, feições de menino, em traços rápidos e certeiros. Veio até nós e disse alguma coisa nada a ver, como:

   -E ai, pessoal - e saiu rápido, antes que respondêssemos.

   Rimos e continuamos o beijo. Mais um tempinho e o garoto estava de volta. Eu o queria perto, mas queria ter certeza de que o Pedro aprovaria. Como ele também o olhava, eu acenei. E ele veio, agitado ainda, pulsante. De vez em quando um cara me arrebata em segundos, pela simples presença, ou por deixar escapar algo de imensamente humano e vivo. Cabelos pingando, corpo que desafiava minhas mãos. Pegava na gente também mas não se detinha muito. Parecia inexperiente. Molhado, e cheirando a sabonete. Toquei seu sexo, e ele segurou o meu e o do Pedro juntos, por alguns segundos. Sempre interrompia brevemente cada ação que iniciava. Os dois começaram a se beijar e eu fiquei atrás do garoto, abraçando os dois e bolinando a bundinha firme e tensa. Os infelizes de sempre chegaram para estragar tudo, e o moleque saiu correndo. Nós descemos também, empolgados. Vimos que tinha ido tomar banho de novo. O Pedro encontrou o amigo no meio do caminho e paramos para conversar. Era uma figura engraçada, muito simpática. Contou que tinha ficado com um cara que dizia ser espanhol mas falava como um português. O garoto voltou do banho, passou por nós, cumprimentando e falou qualquer coisa de ininteligível. Parecia fazer um esforço para se comunicar, passar a ideia de alguém descolado, porém faltava-lhe traquejo verbal. Pedro e eu nos entreolhamos, sorrindo. O amigo dele percebeu o clima e perguntou:

   -Voces três estavam juntos? Ué, a quatro: quem nunca?!

    Mais um penetra...

   O carinha passou por nós mais uma vez, fez o mesmo cumprimento gauche e entrou na sauna seca. Ao mesmo tempo em que era desajeitado, tinha muita altivez. Largamos o baixinho e fomos atrás dele. Logo que entrei, senti meus olhos arderem muito e começarem a lacrimejar. O nariz também ardia, acho que tinham derramado todo o pinho na sauna. Estava sentado, lindo, sozinho. Sorriu e falou mais alguma bobagem. Senti um pouco de pena dele, queria muito me aproximar, conversar, saber quem ele era e como tinha chegado ali. Reclamei daquela ardência e eles concordaram:

   -Tá estranho, né?

   Eu saí e o Pedro veio também, tínhamos certeza de que o garoto viria junto, mas não veio. Passei o resto da noite esperando que ele reaparecesse. Acho que por algum tempo, sempre que voltar lá, vou esperar por isso. Provavelmente vi a mim mesmo, alguns anos atrás, naquele menino. Não tão bonito, ainda mais inibido; mas provavelmente tão solitário e canhestro quanto ele. Essa segunda etapa com o Pedro foi gostosa. Deitei num sofá na sala de vídeo com ele por cima, estava tudo tranquilo, quase vazio, só no chamego. Eu fazia cafuné, ele pegava no meu pau, acariciava meu peito. Ficamos conversando. Me contou que vinha de outro estado, era bailarino, tinha estudado no Bolshoi e, apesar da pouca idade, dançado em grandes salas. Era um rapaz bem bonito e agradável. Fez algumas perguntas e atestou que eu não gosto muito de falar de mim. Conversamos um pouco sobre o outro garoto, que o tinha impressionado também. Ele o definiu como "arisco". Contou sobre sua roommate, sua trajetória até chegar a São Paulo, sua família. Seu amigo baixinho entrou quando ele segurava meu pau e fingiu um susto. Saiu da sala mas voltou em segundos, dizendo que se o Pedro fosse demorar, ele iria embora sozinho. Resolveram sair. Nos despedimos. Eu estava ansioso para procurar o outro carinha. Pensei em trocar telefone com o Pedro e achei que ele pensou a mesma coisa, mas foi uma despedida meio esquisita, acabou assim. Eles desceram pela escada que dá para o vestiário, e eu pela outra, que dá para a sala do jardim. Andei pela sauna toda e o carinha já tinha vazado. Ia embora mas fui encontrar o Pedro sentado ainda, esperando pelo amigo que estava no banho. Ficou um clima estranho, não sabíamos o que dizer. Ele me chamou a atenção para a TV, um ginasta nos Jogos Pan-Americanos, competindo numa prova de solo. Eu não conseguia prestar atenção, só pensava em ir embora. Levantou-se e se aproximou da TV. Seu amigo juntou-se a nós e ficamos assistindo. Aquilo foi me irritando, mas não sabia como sair, os dois de costas pra mim... Enfim me despedi friamente e fui me vestir. Vieram logo atrás. Me vesti rápido e ainda pisquei um olho para o Pedro na saída.

   Fiquei sete horas lá dentro. Saí cansado e um pouco triste.

domingo, 16 de outubro de 2011

Toalha com Bolso


   Não sabia onde ir. Saí do cinema depois de ver "Amizade Colorida" com o casal mais sexy dos últimos tempos e desci a Frei Caneca, pensando em entrar na Labirinthos. Cheguei perto, mas desisti. Não gosto do lugar, nem do público que o frequenta. Desci no metrô Ana Rosa pensando agora no RG bar. Era bem louco, anos atrás eu só ia lá, mas depois que mudou de endereço fui uma vez e me decepcionei. Ainda ia demorar um pouco para abrir e o tempo estava horrivel. Melhor ir para a For Friends mesmo, onde tenho ido ultimamente, depois de um período de "luto" pelo fechamento da 269. Medo de encontrar o Roger por lá, ele é gente boa mas pega no meu pé e eu não sei me safar. Sei dos horários dele em dias normais, mas era feriado. Precisava de sexo, de gente nova.

   Às 17:56h, poucos minutos após a ingestão duma pílula azul, ultrapassei o conhecido jardim cheirando a vapor de pinho e toquei a campainha. Fazia exatas quatro semanas que não entrava lá: quatro semanas sem um mísero beijo, sem contato físico com ninguém. Havia conversa na lateral da casa. Reconheci o tonitruante atendente gordo (talvez seja o dono). Sentia-me ansioso. Um feriado numa quarta-feira chuvosa não parecia tão promissor. E ainda o receio de encontrar com o Roger. A porta automática soou e a empurrei. Identifiquei-me e recebi minha chave.

   Via-se que estava lotado, muitos homens perambulavam pela região dos armários, de chinelo e toalha branca na cintura. Um atendente me dirigiu a um armário que eu não conhecia, no corredor (provavelmente só usado em caso de superlotação) e entregou o meu par de chinelos. O meu compartimento ficava bem no fundo, embaixo, numero 114. Abri, guardei minhas roupas, peguei a necessaire com itens de higiene oferecida pela casa, tranquei e subi para o banheiro. Toda a casa estava animada, já notei vários caras interessantes, um ou outro conhecido. Escovei os dentes, tomei banho e desci para guardar a necessaire no armário. Prendi um preservativo entre a toalha e meu ílio direito.

   Primeiro dei uma circulada por toda a sauna, percebendo o ambiente e localizando as possíveis "presas". É uma casa grande, clara, aquecida e bastante limpa. No piso inferior tem a recepção, a área dos armários, uma grande jacuzzi, uma pequena piscina, saunas seca e a vapor, bar, área para fumantes, chuveiros, banheiros, uma área de convivência com jardim, poltronas e quase todos os mais importantes jornais e revistas, além de mais alguns ambientes pouco habitados, como uma saleta com alguns pufes espalhados e um saco de pancadas pendurado no meio (oi?). Esta é a parte branca e fartamente iluminada da casa. Na parte de trás, por uma porta de vidro escuro, voce entra no setor menos ou nada iluminado e com todas as paredes pintadas de preto. Uma sala de vídeo, um corredor com algumas celas cenográficas (oi? oi??) com camas onde alguns seres bizarros ficam deitados como mortos, esperando que alguém vá tocá-los. Mais no fundo, uma outra sala de vídeo e uma escada que leva a um dos pisos superiores (há dois, sem conexão entre si). Lá em cima não tem luz, só a de uma TV, e, durante o dia, alguma luz que vaza pelas venezianas. Um hall com a TV e 2 sofás, 2 banheiros e 3 salas com camas estreitas forradas de um material sintético, semelhante ao couro, encostadas em quase todas as paredes. O outro piso superior fica na parte iluminada, com dois acessos: um bem próximo à recepção e outro numa escada caracol, perto do jardim. Lá em cima tem sauna a vapor, chuveiros, alguns quartos privados (pouco usados), uma sala de vídeo com sofás e dois grandes banheiros, com várias cabines.

   Aproveito a descrição do ambiente para me descrever também: Yuri é meu nome fictício (foi meio sem pensar mas sei que me inspirei no de um garoto da academia que, de tão bonito e viril, tem me aparecido em sonhos esquisitos ultimamente). Logo completo 38 anos, tenho 1,79 m, aproximadamente 72 kg, pele clara, olhos e cabelos castanhos escuros (lisos e começando a ficar grisalhos), tenho pelos no peito, pernas, braços, que mantenho sempre aparados, assim como a barba (esta sim, já bem grisalha no queixo). Discreto, másculo, dentes e pele bonitos e bem tratados. Tenho um tipo interessante e marcante, mas sou um tanto acanhado na maior parte das situações que envolvam interação com outras pessoas. Este blog narrará documentalmente estas aventuras na sauna, é uma experiencia anônima portanto. Comentários serão sempre bem vindos.

   Voltando ao dia 12/10/2011.

   Logo que entrei, vi um conhecido com quem já fiquei 3 vezes, sempre de um jeito esquisito. Fábio tem um corpo excelente, que me excita muito. O rosto é diferente, pode-se dizer até que feio: excessivamente anguloso, de faces encovadas, nariz grande (ele é bem alto), boca rasgada, cabelos cacheados. A mim lembra um Sátiro ou Fauno e o acho um tesão. Desta vez o achei magro demais, e as experiências anteriores foram realmente frustrantes. Tinha também outro conhecido, este só de vista. Ele é conhecido no meio gay por ser associado a uma balada famosa. É também modelo (meio passado já), ator (péssimo entre os péssimos) e um homem lindo (claro que não vou citar nome por ser uma pessoa pública - ou quase isso). Sempre que nos cruzamos (esta foi a primeira vez numa sauna) ele me olha bastante. Infelizmente ainda não foi dessa vez que nos aproximamos.

   Antes de subir a primeira vez para a escuro tinha reparado num carinha: estatura mediana, magro mas de boas proporções, traços delicados, uma barba cheia de personalidade. Lá em cima, no escuro, ele se aproximou e me conduziu ao banheiro. É tudo escuro e eu não me sinto à vontade. Tentei fechar a porta mas faltava uma parte do trinco. Ele me disse que usava um truque com a toalha para que ficasse fechado. Nos beijamos um pouco e ele logo agachou para me chupar. Eu não estava muito empolgado com ele, ao tato me pareceu magro demais, o pau muito pequeno e mole, as carnes moles, a pele de um toque oleoso, não muito excitante. Tenho um problema com cheiros. Ele não estava fedendo, mas não era um cheiro que me agradasse. Acredito que esses detalhes todos seriam irrelevantes se eu o conhecesse um pouco e tivéssemos um envolvimento emocional, mas nessa situação me incomodam. Chupava razoavelmente bem e conseguiu me excitar. Eu instintivamente o ergui, beijei e pus de costas para mim. Ele pegou meu pau e começou a passar entre as nádegas. Tinha um envelope de lubrificante que abriu com os dentes e besuntou-se e ao meu pau. Cadê minha camisinha? EU SEMPRE PERCO A CAMISINHA, É UMA MERDA! Fica aqui meu apelo para que as saunas façam bolsinhos porta camisinha nas toalhas! Uma ideia simples e útil. Podem patentear, não ligo! Brigado. Então: ele tinha lubrificante, besuntou-se e meteu fundo, direto. Me assustou um pouco e, apesar da sensação boa de deslizar bunda adentro, tirei logo. Só que não consegui abandonar o cara naquele clima. Claro que estava bom. Ele meteu de novo e eu comecei a bombar, escorregava gostoso, justinho. Eu fico preocupado com doenças, e muitas vezes o que falta mesmo é vergonha na cara. Depois de algum tempo me veio a seguinte frase à boca: "Eu não curto bare." Eu me senti um pouco ridículo de dizer aquilo nestes termos, fora do meu vocabulário cotidiano e num inglês que naquela hora eu nem tinha certeza se pronunciei corretamente. Mas vá lá, eu não curto bare mesmo. E saí andando de ré, para tirar o pau de dentro dele. Ele não se conformou e veio de ré também. De ré e se movendo, sendo fodido a minha parcial revelia e completa imbecilidade. Continuei no meu micro movimento de ré até que cheguei à porta, que se abriu por estar fechada apenas com a toalha. Lavei meu pau logo ali, na pia em frente da cabine (não, isso não previne o contágio de doenças). Desci para tomar um banho completo. Na sala de vídeo, o bonitão da balada estava chupando um cara, agachado, encostados numa grade. Fiquei um pouco ali, queria ver e talvez me aproximar, mas um outro cara achou que era nele que eu estava interessado, veio se encostar e eu me mandei.

   Depois do banho li um pouco, bobagens numa revista cafona de celebridades. Vi um trecho de um filme sem prestar atenção, nem sei do que se trata, só lembro do Robert Redford, já velho e medonho, na tela. Vi mais uns caras interessantes que chegavam toda hora.

   Subi mais tarde para o escuro. Encostado na entrada de uma das salas, perto da TV, que o iluminava, tinha um cara muito bonito, que me lembrava demais um antigo conhecido da net. Jovem, clarinho, cabelos escuros e lisos, curtos com uma franja mais longa e bagunçada (talvez fosse mais pra um topete que estava derrubado), cavanhaque, olhos meio puxados, boa altura, corpo definido, lisinho, peito musculoso, boca vermelha, carnuda, sexy.

   De cara percebi que ele me notou e pareceu interessado. De cara percebi ainda que ele jamais se aproximaria de mim ou de qualquer um. Ia dar trabalho. Deu preguicinha. Fiquei por ali um tempo. Passava perto, olhava, ele correspondia mas não se mexia. Tentei atrai-lo para uma sala mais vazia, onde eu ficaria mais à vontade, mas nada acontecia. De saco cheio, desci novamente. Fui à sauna a vapor e saí correndo com o que vi - abstenho-me de contar pra não conturbar suas noites de sono por no mínimo uma semana. Saí esbaforido, mas não deixei de notar um cara muito atraente tomando banho. Altão (uns 2m), loiro, olhos verdes, cara de bebezão, corpo bonito, forte e um pau imenso. Mole e imenso. Parei alguns segundos para olhar. Fiquei na sala de convivência, a do jardim, que fica logo na saída dessa sauna. Sentei ali e esperei que ele saísse. Veio sentar-se ali também, a uns 6m de distância de mim. Nos olhamos. Ele parecia estrangeiro e tímido. Toda hora me olhava e desviava o olhar em seguida. Os cabelos loiros molhados, puxados para trás, a testa vasta, nariz pequeno, cara de bom moço. Bons moços, quando bonitos, me enchem de tesão. Os maus moços, quando bonitos, também. Eu não sabia se chegava nele, morro de vergonha. E de raiva de ser tão banana. Chegaram antes: um feioso, magricelo de barriguinha, se aproximou e puxou conversa. Ele foi atencioso, simpático. O feioso deve te-lo convidado e ele sorriu, mas não aceitou. O feioso ainda tirou a toalha, ficou nu ali no meio da sala, pegou uma cueca horrorosa, listrada de verde e preto e vestiu. Ele estava mesmo segurando alguma coisa que eu não identificava, era a tal cueca. Vestiu sem dobrar os joelhos, abaixou com a bunda ossuda apontando pro teto, se mostrando pro cara. Pouco depois, partiu sozinho. O loiro continuou me olhando timidamente. Eu fiquei excitado, mas só consegui me levantar e subir, pra ver se ele vinha atrás. Não veio. Tinha um outro carinha bem gostosinho lá em cima, bombadinho, queimado de sol, lisinho, tatuado. Me olhou significativamente. Eu entrei na sauna e ele veio atrás. Fez menção de sentar do meu lado. Tinha mais gente lá, uns coroas "qualquer nota" e ele nem sentou. Saiu. Eu desci e o loiro não estava mais. Tava difícil. Voltei ao escuro e ao branquinho de franja.

   Ele estava na mesma posição, no mesmo lugar, como um tonto. Eu ainda desconfiava que ele fosse o tal do cara da internet, depois analisei melhor e vi que não era. Uns caras mexiam com ele e ele nem aí. Mas me olhava sempre. Depois de um tempo entrei pela porta em que ele estava encostado, relei meu corpo no dele e me posicionei exatamente do seu lado esquerdo. Fiquei olhando pra ele, ele olhava para mim também, mas não tinha outra reação. Pensando por outro lado, eu também não tinha uma reação muito mais enfática que a dele. Cansei e saí. Voltamos ao velho jogo de nos olharmos de longe. Tinha um outro cara que também fazia bem o meu tipo lá em cima. Eu sei que o conheço mas não lembro de onde: alto, magro, rosto muito bonito e elegante, jovem, branquinho, levemente arrogante. Pegou na minha bunda com força. Achei grosseiro, acho deselegante e nada respeitoso que me toquem assim só porque estou num ambiente como esse. E raramente sou passivo; passei reto. Finalmente o da franja resolveu se mexer, e veio pra perto de mim! Parou do meu lado e encostei meu corpo no dele. Um baixote chegou junto e pegou no meu pau. Eu o afastei e puxei o cara pro outro canto. Ele encostou na parede e me pegou com força, tentando me dominar. Eu prefiro dominar a situação geralmente. Já notei que ele estava com um cheirinho de quem não tomou banho quando entrou na sauna. Quando voce está sem roupa  numa casa de banho, cheia de chuveiros, sabonetes, shampoo, escova e pasta de dente, desodorante, hidratante, tudo à mão; e, mesmo que goste de dar uma de durão e ficar parado esperando que venham te adular, voce obviamente pretende fazer sexo, por que diabos não se lavar?! Eu considero isso uma profunda falta de sensibilidade, e até de respeito. Mas ele era tão atraente... Beijava bem também... E parece que dificultar um pouco dá resultado, tanto que continuei ali. O jeito era respirar pela boca e tentar abstrair. Ele estava salgado de suor. Tava todo meio rançoso. E queria me comer, ali na frente de todo mundo. Eu tentava virá-lo de costas pra mim (estávamos em pé), mas ele fincou os pés no chão e não saía dessa posição por nada. Ele me virou de costas pra ele e ficou brincando com o pau na minha bunda. eu sentei na cama e chupei um pouco o pau dele. Pau mais pra fino, e tenho de confessar que também não tinha o cheiro dos meus sonhos. Mas encarei. Depois cuspi no chão. Afastei as pernas dele e meu pau passou pelo períneo, alcançou o buraquinho dele. Ele curtiu. Ficamos ali brincando um tempo, nos beijando. Juntou gente em nossa volta e começaram a querer passar a mão e entrar na brincadeira (não sei como esse povo enxerga tudo naquela escuridão). Eu afastando as mãos e empurrando os caras, e ele nem aí. Chamei o garoto pra descer comigo, dei um puxão e disse: "- Chega aí". Fui andando na frente e ele vinha atrás, meio de longe, parecia desconfiado ou de má vontade. Fiquei pensando se era estranho não andarmos juntos, talvez ele considerasse frieza da minha parte. Odeio andar de mão dada com alguém. Me sinto ridículo, falso. Descemos e entrei numa daquelas celas. Tem  duas delas que não são fechadas, só tem uma cortina de correntes de plástico preto. Entramos e voltamos à ação, tentando retomar, com dificuldade, o clima de lá de cima. Mas veio gente atrás e ficaram perturbando. Eu sou bem mais voyeur que exibicionista. Falei pra ele vir comigo de novo, mas ele voltou no meio do caminho.

   Logo que saí dali, cruzei com um carinha muito bonitinho, um tipo que me interessa muito. Ele ficou me olhando, passamos um pelo outro e ambos olhamos pra trás, paramos um segundo e fomos em frente. Jovem (depois soube ter 26 anos), grandes olhos verdes bem claros, pele dourada, cabelo castanho claro de comprimento médio. Estatura de aproximadamente 1,70m, corpo perfeito, forte, largo, com boa definição, pelos nos lugares certos, uma coisinha! O vi mais algumas vezes, nos olhamos muito, mas parecia pelo comportamento titubeante dele que não ia rola nada. Dei mais uma circulada, escovei os dentes de novo e voltei ao escuro. O idiota de franja estava na mesma posição inicial, e eu nem queria mais lembrar que ele existia. Quem estava lá era esse fortinho de olhos verdes. Depois de um pouco de rodeios ele parou do meu lado (eu estava perto da TV de novo, onde dá pra enxergar melhor) e nos tocamos. Ficamos de pau duro imediatamente (tá, eu tinha tomado meu remedinho milagroso pra compensar a ansiedade) e começamos a nos beijar. Foi legal, mas o percebi meio esquisito, ainda inseguro. Fiquei encanado de que eu estivesse impregnado com o cheiro do carinha de franja (não tinha tomado outro banho, só escovei os dentes). Dei um tapinha carinhoso (pelo menos essa foi a intenção) na bunda dele e desci, fui tomar banho.

   Logo que saí da ducha, reparei num cara na sala, encostado na parede de espelho. À primeira vista não era bonito, mas me chamou a atenção. Alto, aproximadamente 40 anos, cabeça raspada, barba por fazer, rosto forte, largo, quase rude. O corpo era muito bonito, musculoso na medida certa, peludo na medida certa. Sentei e ele me olhou. Logo também sentou a uma distancia de uns 4m e ficamos nos olhando. Sentado, seus pés ficaram sob um foco de luz. Pés surpreendentemente belos, largos, másculos, com bonitas veias. Pareciam macios. Pernas fortes, panturrilhas arredondadas. Ele me olhava nos olhos, longa e despreocupadamente e esboçava um ar de riso. Meu coração vagabundo acelerou. Meu pau vagabundo subiu. Nesse estado, com a toalha mal cobrindo minhas "vergonhas", subi a escada caracol. Ele veio atrás, meio sem jeito. Homem é quase sempre tão sem jeito... Passou por mim, roçado o corpo no meu. Fui atrás e me aproximei. Nos apresentamos, ele tem um nome diferente, acho que é Jucélio (achei horrendo na hora mas falei que era legal). Me chamou pra entrar numa das cabines do banheiro com ele. Tiramos as toalhas e penduramos na porta. Ele tinha um pau lindo, bem grande e muito, muito grosso. Nos beijamos bastante, nos masturbamos um pouco. Caras grandes me dão uma sensação boa, me sinto acolhido. Ele abaixou e me chupou por um tempão. Com muita técnica e sentimento. Eu acariciava suas costas largas, musculosas, a cabeça cujo cabelo recém raspado causava uma eletricidade nos meus dedos. Dobrei o corpo e passei a mão na bunda dele, no pau. Observei de perto ele concentrado me chupar. Tirei o pau da boca dele e o beijei Ele levantou. Retribuí o sexo oral: foi bom pra caralho! Elogiei seu pau, comentei do tamanho e ele disse que era "normal" (será que ninguém está contente?). Ele voltou a me chupar. Muito mais. Parecia tentar me fazer gozar. Tava calor lá dentro, ele começou a transpirar muito, o rosto derretendo. Depois de mais um tempo, me deu um beijo e disse que precisava de um banho. Fiquei chateado porque adorei o contato com ele, minha imaginação foi longe, bem mais longe do que deveria. Fui passar uma água também.

   Dei um tempo. Vi o tal Jucélio indo embora com o bonitão da balada. Belo casal (inveja detected). Aquele garoto bonito de olhos verdes enormes que eu já tinha beijado, passava muitas vezes por mim, me olhando. Eu não consegui entender o que aquele olhar queria dizer: se era de avaliação ou pra mostrar interesse. Ele pareceu indeciso entre mim e outro cara, sem saber em quem investir. O outro era o gatinho-tatuado-bombado-bronzeado que eu já tinha visto, mas provavelmente este estava esperando algum outro gatinho-tatuado-bombado-bronzeado adentrar o campo pra cair em cima. Sobrou pra mim. Fui encontrar com o de olhos verdes e intrigantes lá em cima na parte iluminada. Ele pareceu mais decidido agora. A sauna tinha esvaziado bastante. Foi para a sala de vídeo, eu fui atrás. Sentei num sofá de frente pra ele, abri a toalha e comecei a me masturbar olhando pra ele. Ele tomou coragem e veio sentar do meu lado. Retomamos os beijos, ele pegou no meu pau e eu abri a toalha dele. Pode parecer palhaçada, mas nesse dia peguei 3 caras com paus muito grandes e bonitos (calma que ainda falta contar um). Curiosamente os 3 tinham as bolas pequenas. Acho lindo bolas grandonas. Esse não era o maior pau, mas o mais bonito! Menino cheiroso, bonito, um certo ar desprotegido, inexperiente. Comecei a chupar o pau dele e alguns caras passavam por ali. Não me senti muito incomodado porque ninguém veio perto. Pedi pra ele deitar no sofá e ele ficou meio sem jeito. Perguntou:

   -Mas aqui?
   -Não tem mais quase ninguém!

   Ele deitou. Me disse que chamava Carlos, tinha 26 anos. Esqueci a profissão dele. Elogiei seu corpo, ele me disse que eu sou muito gostoso e que queria me comer. Eu disse que não curtia:

   -Mas nem um pouco?

   Alguém sabe o que é dar o cu "um pouco"? Porque eu não sei... Com ele deitado foi uma delicia de chupar, confortável e mais íntimo. Ele tirava quando eu brincava com o dedo no cuzinho dele. Depois foi cedendo, eu não forcei pra dentro, fiquei só massageando ali em volta. Ele insistiu ainda pra me comer. Alisei as pernas dele: grossas, peludas. Vi que tinha pés lindos também. Eu adoro pés. Adoro todas as partes do corpo, valorizo o que é bonito. Peguei o pé esquerdo e fui engolindo os dedos. Pensei que ele estava andando de chinelo naquela sauna úmida e cheia de gente de todo tipo, mas estava com muito tesão e continuei. Acho que preciso tomar um vermífugo (!!!). Acho que ele curtiu também porque quando voltei ao pau, ele quase gozou. Pediu permissão pra gozar na minha boca. Isso me excitou.

   -Ainda não, quero te chupar mais.

   Ele me olhava de um jeito intrigante, indefinível, muito atento. Beijei a boca de novo. Ele pareceu se excitar com as pessoas que as vezes iam lá pra nos ver. Quis por meu pau na cara dele e ele se virou.

   -Tu não chupa?
   -Não.

   Isso me irrita, e muitas vezes me broxa pra sempre. Mas queria muito lamber a bundinha dele e sabia que ali, na frente de outros caras, seria bem difícil, ou impossível.

   -Chega ae.

   O puxei pra uma cabine do banheiro. Lá era mais claro e foi surpreendente ver melhor o pau dele. Depois de um tempo eu girei seus quadris com as duas mãos, fazendo-o ficar de costas pra mim (que estava agachado). Que bunda mais gostosa! Redonda, carnuda, coberta de finos pelos castanhos. Pensei que ele fosse resistir mas me deixou lamber numa boa. No meio das nádegas tinha bastante pelo, foi meio dificil no começo sentir a pele na minha língua. Felizmente, mesmo sendo ativo, ele estava irrepreensivelmente limpo. Desculpem falar, mas bunda suja NÃO ROLA! Me broxa, mesmo que seja um cara lindo, mesmo que tenha tomado Viagra, mesmo que eu esteja na seca há meses.

   Fiquei alternando minhas atenções entre a bunda e o pau e ele sempre pedindo pra gozar na minha boca. Uma hora eu disse sim e continuei chupando. Quando ia explodir ele ainda perguntou se podia mesmo - achei bonitinha essa subserviência. Porra na minha boca é um lance que me excita em fantasia, mas raramente eu topo. Tenho medo de doenças, tenho medo de enjoar, passar mal e o cara ficar constrangido. Ele gozou bastante e o esperma era muito salgado. Cada cara tem seu gosto, alguns me dão vontade de engolir (só fiz isso 2 vezes na vida), alguns me dão nojo. O dele era só salgado, só senti o sal. Cuspi pro lado e quis beijá-lo de novo, mas ele não achou boa ideia, deu um selinho. Tomamos banho juntos e nos despedimos rapidamente. Fui escovar os dentes de novo.

   Desci e vi outro cara interessante. Alto, claro, cabelos escuros, tipo bonito. Sentou do meu lado na sauna  seca e ficou me olhando. Olhar bonito, profundo. Talvez carente. Provavelmente muito carente. Nos tocamos. Nos beijamos um pouco. Mas o hálito dele era meio desagradável. Cortei o beijo, mas não sabia como parar com tudo, ele ficava me alisando, masturbando, abraçando com muita força. O Carlos entrou na sauna também, ficou parado um tempo nos olhando e saiu. Depois de um tempo eu disse que precisava ir ao banheiro. Ele perguntou se eu voltaria.

   -O que? (pergunta cretina de quando não se sabe o que responder)
   -Quer continuar depois?
   -Espera um pouco... (foi o que saiu... sim, fiquei bastante decepcionado comigo...)

   Corri pro banheiro. Na verdade eu estava mesmo sentindo umas dores de barriga, dores no saco. Estava me excitando havia umas 3 horas, sem gozar. Mijei e dei um tempo ali, pro cara perceber que eu não ia voltar mesmo.

   Saí com medo de encontrar com ele. Subi correndo e tive uma boa surpresa. Lembra daquele loiro tipo de gringo que eu vi tomando banho e depois conversando com o magricelo da bunda pontuda? Tava lá. Só ele e eu naquele andar inteiro. Ele fez o mesmo que eu havia feito: sentou no sofá da sala de vídeo de frente pra mim, tirou o pau pra fora e começou a se masturbar olhando pra mim. Eu fiz o mesmo que o Carlos: sentei do lado dele. O pau dele era enorme em estado flácido, agora eu calculei que tinha mais de 23 centímetros. Lembro que uma hora eu segurei a base com uma mão, coloquei a outra mão e sobrou um espaço pra mais de uma mão, devia ter uns 25 centímetros. Um pau bonito, não muito grosso, um pouco torto pra baixo, cabeça de um cor de rosa vivo. Ele não era estrangeiro como pensei. Ali foi mais ou menos a mesma ação que aconteceu com o Carlos: beijei, chupei, pedi pra deitar, chupei mais, brinquei no cuzinho, ele afastou minha mão etc. Só que um negão (vestido, aliás) veio sentar perto da gente. Isso me incomodou. Chamei o cara pro banheiro. Foi divertido, sobretudo por ser um pinto tão grande. Ele brincava com o prepúcio, cobrindo toda a cabeça do pau, e deixando toda aquela sobra de pele na ponta. Eu tenho um tesão louco em prepúcio. Além de ser um homem muito grande, é também muito masculino, e parece bem tradicional, meio careta. Virei a bundinha dele e comecei a lamber. Ele reagiu muito bem. Depois de um tempo ele mesmo afastou as nádegas com uma das mãos pra me ajudar. Eu metia a língua nele. Puxei o pau e chupei por trás também. Ele puxou minha cabeça contra a bunda, com força. Eu estava enlouquecido! Levantei e comecei a brincar com o pau na bunda dele, ele ia deixando. O cara é grande demais, se tiver menos de 2 m, são alguns centímetros. Meu pau começou a entrar, ele deixando e dando mostras de grande excitação. Eu tava de novo sem a porra da camisinha, mas meti. Tudo. Brinquei um pouco e ele tirou e me virou de costas pra ele.

   Tenso.

   Pôs o pau na minha bunda e começou a forçar. Também sem camisinha. Eu só dei sem camisinha uma vez na vida, acho MUITO arriscado. É MUITO arriscado. Ele realmente acreditou que conseguiria enfiar aquele poste em mim. Eu fingi que estava tentando, mas logo parei, rindo, e disse que não rolava. Voltei a chupar o pau dele, virei a bunda de novo e meti minha língua. Não tinha nada de passivo mas com certeza estava preparado pra dar, tudo continuava limpíssimo e cheiroso depois de meu pau já ter entrado todo ali. Talvez por ter um pau tão grande ele tenha de se garantir de todas as formas. Buraquinho rosado, tenro. Ele esfregava a bunda pelo meu rosto todo. Meti de novo e fodi, quase a ponto de gozar desde o primeiro segundo. Só a altura dele que atrapalhava um pouco. Ele disse que ia gozar e tirou. Virou o pau pra mim. A visão daquele gigante jorrando longe em jatos fartos de porra me fez gozar também, quase ao mesmo tempo. Não costumo ejacular muito, mas posso dizer que ali não saí perdendo. Por alguns segundos vimos nossos paus gozando muito, um do lado do outro, foi bem bonito. Tomamos banho, me despedi com um aceno de cabeça que de tão canhestro ele parece nem ter compreendido, e fui me preparar pra ir embora, tava tarde, quase 22:15h. Passei pelo primeiro cara com quem fiquei nesse dia, o de barba e pinto pequeno. Ele bebia uma cerveja, sorriu e perguntou minha idade. Respondi e disse que tinha de ir embora. Ele disse que tem 35 e sorriu. Enquanto me vestia apareceu um outro cara bem bonito no corredor. Me deu uma pena enorme de ter de ir embora, mas não podia ficar mais.

   Ainda assim, depois 6 homens e de todo esse vazio de contato humano real, saí de lá feliz da vida.