domingo, 18 de dezembro de 2011

Napa Prateada


   Ir à sauna tem me contrariado. Há épocas em que fico assim e passo a evitá-la. É quase sempre uma relação ambígua: por um lado o desejo por sexo fácil e descompromissado, a fuga da eterna sucessão de frustrações a que se resume a vida, tempo livre, energia sexual contida, vontade de conhecer alguém interessante; pelo outro lado, o tédio inerente a toda relação superficial. Porque um belo corpo é inegavelmente um deleite. E vário belos corpos disponíveis podem representar deleites multiplicados, ou o perigo da repetição sem sentido, da massificação do prazer, da deserotização dos sentidos. Estou começando a me sentir envolvido por um cara: uma relação absolutamente platônica (mais uma). A gente se vê quase todo dia, mas até hoje só trocamos algumas palavras banais... (sim, sou desses). Apesar disso, ou até por isso, estive na FF na última quarta feira, dia 14/12/2011.

   Tinha vários garotos interessantes de tarde, mas cismei com um deles: aproximadamente 1,87m, forte (pode-se dizer até que um pouco acima do peso), pele branca, lisinha, cabelo escuro, rosto bonitinho, jeito de garoto bem criado. Nos esbarramos algumas vezes e eu não conseguia perceber se ele, sempre muito reservado, estava interessado. Tomamos banho lado a lado e fiquei de pau duro (era uma bundinha irresistível), mas agimos com naturalidade. Depois, quando subi ao lado escuro da casa, o reencontrei recostado na grade de segurança que acompanha o vão da escada. Parei perto, de frente para a escada, no arco de uma porta. Eu tentava perceber se podia me aproximar, quando um senhor, que minutos antes já tinha tentado me agarrar e levado um empurrão, meteu a mão no meu pau. Saí andando depressa e senti que forcei bastante seu braço, preso ao batente da porta. Apesar da raiva do momento, felizmente não o machuquei. Esta é uma das coisas que me deixam mal: alguém pra quem eu nunca olhei (e nunca olharia), com quem nunca falei ou esbocei um único sorriso de interesse, que já tinha sido rejeitado, se chega com tamanha folga, tocando meu corpo. Quem não têm educação, confunde tudo, pensa que só por estarmos num ambiente mais liberal, tudo é bagunça e todo mundo é de todo mundo. Mais triste ainda quando é um senhor, certamente com mais de sessenta anos. Fico terrificado com pessoas que passam uma vida sem conseguir compreender as mais básicas regras de convivência. Vi o garoto entrar numa das salas, a esta altura ainda iluminadas pela luz do sol que vazava pelas janelas. Encostou numa parede e pôs-se a observar alguns caras que se pegavam por ali. Gente horrorosa, aliás.

   Eu não me sentia seguro para chegar perto. Parei na porta desta sala, de olho nele, esperando um sinal. Ele me olhava sem expressão alguma. Outro cara segurou meu pau. Esse não era de se jogar fora, mas também um tipo insistente, que me repugna. Saí dali. O garoto também saiu. Fomos nos encontrar na sala dos fundos. A aproximação foi rápida. O nome dele é Bruno. Enquanto nos beijávamos, esse último cara que veio me tocar, parado do nosso lado, a um palmo de distancia, me incomodava. Convidei o carinha para vir comigo à primeira sala, que estava vazia. Sentamos num dos sofás e continuamos nos beijando. Ele me chupou ali mesmo. Alguns minutos depois já estava cheio de caras à nossa volta. Um deles foi chupar o Bruno. Ele deixou, olhou pra mim e sorriu, como se pedisse uma permissão. Consenti num sorriso e nos beijamos. O cara que já nos seguia desde a outra sala veio me chupar também. Logo eram três se revesando nos nossos paus. Eu me sentia todo babado. O de cabeça raspada que estava me chupando agora fez menção de sentar no meu pau, sem camisinha. Eu queria sair dali:

   -Vamos tomar um banho?

   Descemos para a parte clara, tomamos banho juntos de novo. Agora que eu estava acompanhado, um outro carinha que eu tinha tentado aproximação antes, mostrava interesse. Claro, é sempre assim. Chamei o Bruno pra subir comigo para as cabines iluminadas do banheiro. Ele voltou a me chupar, eu o chupei também. O pau dele era grosso, bonito, torto para baixo. Pediu que eu parasse um pouco, estava quase gozando. O virei de costas. Ele é grande mas a bunda é estreita, redondinha, muito masculina. E carnuda. Afastei as nádegas e o buraquinho era a coisa mais linda! Pedi que ele colocasse um dos pés sobre o vaso sanitário. Ele inclinou o corpo para a frente e ainda usou as mãos para abrir a bunda - o cuzinho rosado de bandeja pra mim! Eu me esbaldei, de boca, língua, meu rosto todo. Ele gemia alto e grosso quando eu ia fundo com a língua. Puxava minha cabeça contra ele e me deixava sem ar.

   -Me fode agora, pediu.

   Peguei a camisinha que eu tinha deixado sobre a mureta. Estava difícil de abrir.

   -Abre pra mim.

   Ele se esforçou. Mesmo usando os dentes várias vezes, não conseguia abrir. Começamos a rir da situação.   Peguei o envelope de volta e finalmente consegui arrancar a camisinha de dentro. Botei no meu pau, também com dificuldade - parecia justa demais - ele me ajudou a vestir. Minha ereção já estava a 75%.  Tentamos a penetração por um tempo, mas ele sentia dor, e eu já estava desconcentrado. Tirou minha camisinha e voltou a me chupar.

   -Quer gozar agora?

   -Você não consegue dar?, perguntei, decepcionado.

   Pensou um instante.

   -Não.

   Sua resposta e a pausa anterior me soaram mais como "Você que não conseguiu me comer..." E eu queria tanto. 

 Gozou se masturbando enquanto me chupava. Eu não gozei. Estávamos mortos de calor, transpirando muito.

   -Preciso de outro banho, sugeri.

   -Eu quero um banho gelado!

   Foi na frente, que eu queria mijar. Quando cheguei no chuveiro, ele estava aos saltos, muito grandalhão e desengonçado, embaixo do chuveiro gelado. Não pude conter o riso. Ele me jogou água gelada e eu também acabei tomando um banho frio muito energizante.

   Depois do banho, desceu ao armário para buscar uma toalha seca e fiquei sentado ali fora. Voltou, foi tomar outro banho pra trocar de toalha, disse que tinha impressão de que aqueles caras o tinham babado inteiro. Realmente. Enojado com a recordação, tive de trocar de toalha e tomar outro banho também. Conversamos ainda um pouco, ele mora ali na Vila Mariana, é médico, tem 28 anos. Precisava ir embora. Trocamos telefones e vamos tentar nos encontrar outra vez. Ou não.

   Precisava gozar ainda. Todos os garotos engraçadinhos tinham ido embora, e eu só via agora caras bem mais velhos e os feios. Fiquei perto da entrada, assistindo novela, esperando chegar alguém interessante. Sei que nesses casos, quando só tem bagaço, quem chegar, eu pego. Exceto por uma pequena margem de erro. Custou, e quem entrou não era lá essas coisas. Moreno, aparentava uns 44 anos, aproximadamente 1,85m. Corpo bom, de formas bonitas, costas largas. Tórax excessivamente peludo. O rosto não era feio, mas não tinha nada que me chamasse atenção. Parecia ter cabelos meio ralos, mas não lembro com certeza. Passou direto por mim, andou pra lá, andou pra cá, foi comer um lanche no bar. Passei por ele, me cumprimentou. Ainda tinha bastante gente na sauna. Dei uma geral e não tinha outra opção mesmo. Quando eu ia saindo do lado escuro, nos cruzamos, ele vinha entrando. Passou por mim, e desta vez nada indiferente. Dei meia volta:

   -E ai!

   -Tudo bom? Prazer, Daniel - disse estendendo a mão.

   -Yuri.

   Toquei seu peito. Deu a impressão de alguém que tomava bomba e parou, quando a musculatura mantém a forma mas fica mole, murcha. Eu sabia que ele tinha acabado de comer e fiquei com receio de tentar um beijo. Visto de perto o achei bem mais interessante, gostosão, simpático, voz bonita. Contou que era do Rio de Janeiro, em São Paulo a trabalho. Chamei para um canto vazio e escuro, onde dependuramos nossas toalhas e nos beijamos. Felizmente tinha escovado os dentes e foi muito agradável o beijo. Só a barba que era muito cerrada, áspera. Estava todo limpo, cheiroso. Ninguém passava por ali naquela hora. Agachei e prestei-lhe um boquete, ainda tímido.

   -Vamos lá pra cima, pro claro?, convidei.

   -Quer pegar um quarto?

   -Eu estou sem grana, mas se você quiser...

   -Pode deixar.

   Foi à recepção e voltou com a chave do quarto. Eu nunca tinha entrado num quarto da For Friends. É pequeno, deve ter uns 6 metro quadrados, paredes pretas. No centro, uma cama estreita com colchão revestido de um tipo de napa prateada, ao seu lado um criado mudo com abajur e uma cadeira. Toalhas, preservativos, lubrificantes.

   Deitou-se sobre mim e nos beijamos demoradamente.

   -Sua boca é muito gostosa!

   Passei para cima, queria chupar mais. Depois botei meu pau na cara dele, que resistiu um pouco, mas me chupou também. E bem gostoso. Ergui suas pernas e lambi a bunda, enquanto nos olhávamos nos olhos. Perguntei se ele queria me dar.

   -Hoje não, não vai rolar.

   Ele era meio afoito e às vezes até bruto, mas percebia e se desculpava. Fizemos um 69 tradicional e depois cada um metendo a língua na bunda do outro, simultaneamente. Foi muito excitante, mas no dia seguinte estava com torcicolo. Além de ter ficado com o colo e a maça do rosto esquerda "lixados" pela sua barba , e um chupão roxo no abdome. Parecia que tinha levado uma surra.

   -Quantos anos você tem?, perguntou.

   -37 e você?

   Adorei sua cara de espanto.

   -Puta, eu estou acabado mesmo, cara! Tenho 31 e achei que você fosse bem mais novo que eu.

   Eu achava que ele tivesse uns 44, bem conservados. Não consegui esconder minha surpresa:

   -Sério?!

   Conversamos um pouco ainda. Me masturbou e chupou até me fazer gozar. Eu estava me excitando desde de tarde, sem gozar, e a porra espirrou longe, até meu rosto. Ele gozou também, sobre mim.

   Agora eu só queria deitar um pouco, relaxar. Ele deitou do meu lado e foi logo dizendo:

    -É tarde, não posso ficar deitado muito tempo.

  -Que horas são? - perguntei, sem conseguir esconder muito bem minha mágoa boboca.

   -Umas nove e meia.

   Levantei e peguei a toalha:

   -Vou nessa também.

   Tomamos banho juntos, calados. Terminei antes:

   -Vou descendo. Falou. Valeu...

   Dei um beijo no rosto, por trás, quase na nuca, e desci. Tentei me vestir rápido, mas ainda deu tempo de ele descer e começar a se vestir. Clima estranho. Sem saber o que dizer, saí calado.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Tudo Duro


   Depois de muito procurar, eu estava sentado numa espreguiçadeira, algo enfastiado com o tão famoso "domingo na sauna". Não é um dia que eu costume me abalar a esse tipo de programa e fazia muitos anos que não ia, mas realmente o que tinha de homem bonito na 269 aos domingos era de fazer cair o queixo. Pelo menos nesse dia específico, a For Friends tava bem meia-boca. Sentei perto da jacuzzi, de olho num carinha que conversava com um grupo lá dentro. Esperava ele sair pra avalia-lo melhor. Do nada surgiu um cara e parou na minha frente, em pose exibicionista com as mãos nos quadris. Realmente era um belo homem: bem mais alto que eu, corpo forte, moreno de olhos verdes, barba por fazer, cabelos molhados, jogados para trás. Ficou ali na minha frente por um minuto e entrou na sauna. Não tive vontade de ir. Mais tarde o vi tomando banho no andar de cima. O coroa que tomava banho do lado dele puxou conversa. Não ouvi direito, mas ficou claro que fez um grande elogio. Ele riu e perguntou se já podia "ficar metido".

   -Não, isso não pode.

   Ele era bonito pelado, pau grande, bunda gostosa, pés bonitos. E o sorriso era encantador. Ficou embevecido com o elogio. Mais tarde nos encontramos na sauna seca, lá embaixo, que estava lotada. Nos olhamos de perto. Só pelo modo dele parar, já se via que era um "pavão". Mas não era só isso, tinha alguma coisa que me chamava atenção e eu não entendia. Saí e voltei um pouco depois a essa mesma sauna. Ele estava na área dos chuveiros ali fora e entrou também, em seguida. Tinha pouca gente agora. Eu encostei na parece de madeira do fundo, oposta à porta, e ele parou no meio da sala, na minha frente mas não muito perto. Breve cumprimento. Depois começou um movimento incerto de aproximação: ia até a porta e voltava, cada vez mais perto de mim. Eu me perguntava: O cara é tão bonito, parece tão cheio de si; por que isso tudo? Será que minha cara é tão fechada assim? Por fim, sentou-se ao meu lado, no terceiro degrau da bancada de madeira. Entreabriu a toalha, deixando o sexo quase à mostra. Parecia um pouco nervoso, evitando me olhar. Talvez minha leitura das suas atitudes seja apenas baseada na minha própria insegurança, e, no fim, não entendi nada do que realmente se passava com ele. Mas de qualquer forma, ter pensado que ele estava inseguro, me deixou mais confiante. Eu o olhava de perto, descaradamente. E meu pau ficou duro. Ele olhou pra mim e sorrimos em cumplicidade. Alisei suas pernas úmidas. Rocei meu rosto no seu e nos beijamos. Enfiei a mão entre suas pernas e segurei o pau e as bolas.

   -Como é seu nome? - sussurrei.

   -Paulo, e o seu?

   -Yuri.

   Ele entendeu errado meu nome (meu nome verdadeiro) e rimos do que ele tinha entendido, um apelido meio ridículo.

   -Quantos anos você tem?

   -Quantos anos? (pausa) Muitos!

   -Ah, vá! Quantos?

   Relutou mas respondeu:

   -44

   -Caralho!

   Era absurdo. Eu nunca poderia imaginar que ele tivesse mais de 35, achei que fosse mais novo que eu.

   -Vamos sair daqui, estou derretendo.

   Tomamos uma ducha para refrescar. Durante o banho me contou que mora no ABC e é artista plástico. Paramos na entrada dessa ala para mais uns beijos. Ele insinuou que eu beijasse seu mamilo e disse depois:

   -Já vi que voce gosta de um peito duro, né?

   -Gosto...

   -E de que mais?

   -Gosto de tudo duro. E voce?

   -Eu também, tudo duro.

   Pelo que entendi, ele tentava descobrir se eu era passivo ou ativo. Eu acho simplista demais esse tipo de approach. Entendi ainda que ele obviamente queria dar pra mim. Mal peguei na sua bunda e logo me chamou pra subir. Ia na frente na escada caracol e eu ia brincando de beliscar-lhe a bunda. Ele ria alto.

   Entramos na cabine e ele me chupou. Não muito bem. Virou de costas pra mim, oferecendo-se. Passei meu pau naquela bunda bonita, agachei pra lamber. Um buraquinho bem gostoso, mas quando minha língua entrava mais, eu sentia uma aspereza ou rugosidade no esfíncter, que me deixou meio de sobressalto - pensei que pudesse ser uma verruga ou coisa assim. O virei de frente pra mim, chupei o pau dele. Eu estava bem excitado por ele ser muito bonito, mas sentia um clima estranho. E ele nunca ficava de pau completamente duro. Continuamos ali, nos pegando, até ficar bem claro pra mim que ele não estava curtindo. Será que a minha frase tosca sobre "gostar de tudo duro" o tinha deixado encanado?!

   -Voce quer parar?

   -Não!

   Disse que não, mas 5min depois me convidou pra tomarmos um refrigerante no bar. Descemos. No caminho ele caçoava dos coroas que andavam na nossa frente. Eu sentei na mesinha do bar e ele foi ao balcão. Voltou logo:

   -Está demorando pra atenderem. Espera aí que vou ver meu celular e já volto.

   Eu já sabia que não voltaria, mas sou educado... Fiquei ainda alguns minutos na mesa e fui deitar na espreguiçadeira da piscina. Ele voltou depois, me procurou rapidamente no bar. Eu estava semi-oculto por um vaso. Vi que passou para a ala escura, provavelmente tão aliviado quanto eu do "desencontro".

   Tinha mais uns caras interessantes, era de tarde ainda. Um deles eu já conhecia, sempre achei gostoso, mas não me dá bola. Tá ficando horroroso de rosto e as pernas são esquisitas - tortas e meio finas. Mas eu pegava ainda - ah, se pegava! O outro era bem bonito, de corpo e de rosto, mas antipaticíssimo, com um semblante pesado, negativo. Mais de noite o vi novamente na Bela Paulista, tão sozinho quanto na sauna, e com a mesma cara de otário.

   E tinha outro rapaz. Não é o tipo de cara que me atrai geralmente. Aliás, esse foi um dia de revelações para mim sobre homens que me atraem e homens com quem o sexo funciona. Ele tem um tipo interessante: jovem, moreno (pele clara é uma das coisas que mais me dão tesão), de barba, baixinho (geralmente gosto de caras da minha altura ou mais altos), corpo bem bonitinho, definido; mas não é um homem exatamente bonito. E seu comportamento era esquisito, dava impressão de estar interessado, mas nunca olhava diretamente pra mim. Nem pra ninguém. Não parecia tímido, não parecia chato. Era intrigante. O encontrei várias vezes, em vários pontos da sauna, sempre da mesma forma: eu parava perto e esperava algum sinal para avançar. E nada vinha. Ele parecia querer se comunicar por telepatia. Parecia sempre atento em mim, mas é difícil chegar em alguém que não te olha diretamente. Mais tarde eu subi ao escuro, ele tinha passado a maior parte do tempo por ali. Parei perto e resolvi testar sua resistência. Estávamos a dois palmos de distância um do outro, perto da escada, ambos encostados na mesma  coluna. Apesar da pouca luz, eu o olhava nos olhos, e isso me excitou. Ele olhava em minha direção, mas nunca diretamente. Virou o corpo de frente para a coluna, e quase nos tocamos. Já estávamos ambos de pau duro. E ele simplesmente não tinha atitude alguma, parecia um menino abobalhado. A essa altura, eu já estava certo de que ele queria, era só pegar. Não sei se eu tentei ser bonzinho e dar a ele uma chance de tomar uma atitude, ou se por maldade me diverti um pouco com a situação. Parecia aflito e arruinado com a própria insegurança. Eu sempre acho que as pessoas são inseguras, mas serão mesmo? Ou era só um capricho? Ou um jogo e ele queria ser "pego de jeito"? Ficamos nesse lenga-lenga por uns 10min. Decidi que se eu me afastasse e ele viesse atrás, eu o abordaria de alguma forma. Fui até a última sala, ele veio também e encostou numa parede. Foi rápido o bote. Em segundos estávamos unidos. E houve aquele encaixe de corpos que funciona magicamente. Ele cheirava minha pele milímetro a milímetro, concentrado. E me lambia com delicadeza. Como de praxe, fomos pro banheiro iluminado.

   Escolhi uma das cabines com luz azulada. Foi muito bom poder olhar pra ele no claro. Foi tudo muito gostoso. Ele não tinha resquício do abobado por quem o tomei, nem de timidez ou insegurança. Era educado, gentil, sabia o que fazia! Chupou meu pau muito bem, enquanto me lançava um dos olhares mais impressionantes, dos quais jamais me esquecerei. Era lindo chupando meu pau. Retribuí. Ele era pequeno mas o pau era do tamanho do meu, e bonito, gostoso de chupar. Conversamos um pouco: seu nome é Jonas, 30 anos, recifense, mora ali perto do Ibirapuera com um amigo e trabalha para uma grande grife francesa. Segunda vez na sauna. Gemeu quando enfiei minha língua na sua bundinha. Ele é todo cheiroso e macio. Coloquei a camisinha e tentei a penetração mas estava difícil. Só a saliva parecia insuficiente como lubrificante.

   -Acho que preciso de gel, seria mais gostoso. Voce me espera?

   -Claro! Pega lá.

   Eu só tinha aquela camisinha e enquanto ele desceu, pensei que perder a ereção agora, seria péssimo: eu teria de descer em busca de outra camisinha e talvez a transa fosse pro vinagre. Voltou com o gel e eu ainda estava durão, louco de tesão e ainda com a camisinha. Foi ótimo, tudo funcionou lindamente, ele era delicioso. Gozei e ainda mantive meu pau dentro dele e duro até que ele gozasse. Apesar de caras grandes serem mais atraentes pra mim, acho que funciona muito melhor comer um cara menor que eu. Pode parecer ridículo e boçal, mas a verdade é que me sinto muito mais dono da situação. E no sexo preciso me sentir assim, no comando. Lembro de várias situações semelhantes com caras mais baixos e muito excitantes, e lembro de vários caras grandes com quem me senti um pouco desprivilegiado. Claro que tem muitas outras coisas envolvidas, e que vários caras altos e grandes eu comi com furor e sensação de domínio, e outros menores que me deixaram acanhado. Mas quero prestar mais atenção a isso daqui pra frente.

   Ele disse que precisava tomar um banho e ir pra casa rápido. As 3 duchas do andar superior estavam ocupadas e eu sugeri que fossemos pra baixo.

   -Nem sei onde tem chuveiro lá embaixo.

   -Eu te mostro.

   Tinham largado algumas necessaires por ali, e eu descolei um sachê de xampu pra gente tomar banho. Ele acabou o banho rápido, falou alguma coisa que não entendi sobre a toalha dele e foi embora se trocar, sem se despedir. Achei tão estranho, sem sentido. Fiquei quase chocado, mas a gente se acostuma a relevar a esquisitice humana. Dei mais uma geral rápida pela sauna toda e resolvi ir embora. Quando estava chegando na região dos armários, encontrei com ele, já vestido, me procurando pra se despedir. Achei muito fofo.

   -Vai ficar por ai ainda? - perguntou

   -Eu vou embora também, me espera e a gente sai junto?

   -Aham.

   Meu armário tinha o sugestivo número 24. Do lado dele um cara se despia. Posso dizer que é EXATAMENTE o tipo de cara que me deixa louco. Dos pés à cabeça, eu olhava e não acreditava que já tinha dito ao Jonas que ia embora. Era gringo o cara, mas não identifiquei a língua. Aliás, não identifiquei porque ele só falava por sinais com o atendente, que tinha dado um chinelo pequeno pra ele. Ou seria mudo? Eu me vestia e ele se despia, nos olhávamos e o Jonas nos olhava de longe. O gringo me sorriu e eu quase fui dizer que tinha desistido de ir embora. Seria um papelão, não seria? Que se fodesse, eu deveria ter ficado. Eu não acreditava em cada peça que me forçava a vestir. Nem em cada parte de corpo que o gringo despia. Caralho, que moleque lindo! E parecia ser simpático também, um pouco tímido. Gosto de homem tímido. Já tinha mais uns caras em volta dele, claro, e o Jonas parecia impaciente. Ou talvez também arrependido de estar indo embora na melhor hora. Era encarar os fatos:

    "Perdeu, playboy, se manda!"

   Pagamos nossas contas e saímos. Ele ia tomar um táxi na esquina. Fomos conversando. Não tinha nenhum carro no ponto e ficamos esperando algum livre passar. Me senti feliz de estar com ele ali naquela esquina ensolarada, debaixo duma árvore.

   -Voce é muito bonitinho, sabia?

   -Voce que é um gostoso, todo branquinho - disse alisando meu braço.

   -Gosta de branquinho?

   -Gosto. E você?

   -Gosto também.

   -Eu sou moreno. Gosta de pau preto?

  Rimos. Apareceu um táxi livre, nos despedimos e perguntei como o encontrava no Facebook. Eu o adicionei no mesmo dia e mandei uma mensagem, dizendo que tinha gostado muito de conhecê-lo. Ele me aceitou só dois dias depois. O resto é silêncio.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Panturrilhas Poderosas


   E eu estava realmente ansioso para voltar à sauna nos últimos dias e sem conseguir tempo para isso (saudade da 269, que funcionava 24h!). Depois duma noite mal dormida, sentia-me fisicamente cansado, um pouco tenso - não exatamente excitado. Parei no meio do caminho e me perguntei se era isso mesmo o que eu estava querendo: sexo anônimo? Não soube responder - que eu nunca sei. Mas fui. Tinha tempo e fui. Ia ver um show ali perto às 21 h, resolvi chegar cedo, por volta das 15h15min.

   Logo de cara reparei, feliz, num cara que eu já conhecia da 269, um comissário alemão. Tínhamos ficado e conversado rapidamente, lembrava que ele voava eventualmente para SP e passava 2 ou 3 noites por aqui.  Fazia tempo isso, alguns anos, e com certeza ele não lembraria de mim. Às vezes vejo perfis dele numa dessas redes sociais, porém nunca mais havíamos nos falado. Um pouco mais gordo agora do que eu me lembrava do nosso primeiro encontro, mas continuava uma gostosura: cabelos castanhos claros, muito lisos e finos, de comprimento médio; pele clara, olhos verdes escuros, lábios carnudos de um vermelho vivo; calculo que 1,70 m de altura; fortinho, bunda fan-tás-ti-ca. Desta vez ele estava com o peito e a barriga sem depilar. O rosto é suave e tem alguma coisa de infantil. Não sei dizer o quê, talvez a expressão incomumente franca. Eu lembrava da nossa transa, ter sido boa.  Reconheci logo que o vi passar, simpático - me abriu um largo sorriso e entrou na sauna úmida. Contive o impulso de correr atrás dele, provavelmente por insegurança.

   Tinha bastante gente na sauna para uma quarta-feira. Quase nada que me chamasse a atenção a essa hora. Dei uma rodada, vi alguns outros conhecidos. Dentre eles, lá em cima, perto da sala de vídeo, um cara de barba com quem já tinha ficado recentemente. Agora sei que ele chama Flávio. Estatura mediana, aparenta mais de 40 anos (soube depois que tem 37, a minha idade), algumas tatuagens mal calculadas, pés esquisitos, mas dá pra dizer que ele tem um rosto muito bonito. Desta vez o achei menos em forma. Reparei que ele tinha cortado os cabelos também. Nos cumprimentamos com breves acenos e semi-sorrisos. Desci e entrei na sauna em busca do alemão. Para mim, tínhamos alguma pendência a resolver. A sauna úmida do térreo é grande, tem duas salas. No meio da segunda sala, consegui reconhece-lo numa cena confusa. Sentados nas bancadas azulejadas que circundam o ambiente, quatro ou cinco homens assistiam, imersos na nuvem esbranquiçada e sufocante do vapor, ao encontro de três caras: também sentado numa das bancadas, o maior deles, já senhor, de aparência extremamente desagradável, com bochechas e olhos caídos, muito alto, gordo e peludo, com um corte nos cabelos grisalhos que fazia lembrar uma ovelha. Na outra ponta um moreno magrinho, feioso também, mas com corpo razoável e um pau enorme. Entre eles, o alemãozinho. Beijava a boca do moreno e oferecia a bunda ao velho, que a massageava com uma das mãos, e se masturbava com a outra. Eu passei por eles e sentei próximo. Apresar de tudo, meu pau ficou rijo. O velho me encarava, oferecendo seu pau cor de tijolo. Eu não queria olhar pra ele, mas a feiura, quando muito grande, atrai o olhar involuntariamente. O alemão deu um preservativo pro moreno, virou de costas pra ele e começou a engolir o pau do velho. Assombrado, tive de sair dali correndo. Fui tomar sol no jardinzinho que serve como área para fumantes. Uma meia hora depois, os três ainda estavam se pegando, no chuveiro e depois novamente na sauna. Sinto uma espécie de decepção quando vejo um cara que me atrai pegar gente feia.

   O cara de barba me seguia, com passos ou olhares. Fui pro escuro, sentei na sala de vídeo lá de baixo, no fundo, mais iluminada que as outras por conta da grande tela. Ele veio atrás, passou por mim e subiu ao andar superior. Voltou em minutos e sentou no mesmo sofá que eu, um pouco afastado. Nos olhávamos. Tirei o pau, já duro, por uma fresta da toalha e ele veio pro meu lado. Beijo gostoso, suave. Me chamou pra ir com ele. Nesse momento o alemão passa por nós e sobe para o escuro. Quase fui atrás dele, mas seria muito grosseiro. Ê, vida dura... O barbudo ia na frente, como se estivesse sozinho. Parece que essa é a regra na sauna: ou você anda na frente ou atrás do cara com quem você está, nunca do seu lado. Quando chegamos à nossa cabine do banheiro do primeiro andar, a mesma que usamos da outra vez, ele se mostrou mais delicado que no nosso primeiro encontro. Notei também que não usava mais a aliança dourada. Agachou pra chupar meu pau. Não o senti ansioso pra me comer como da outra vez. Ainda assim, virou meu corpo e lambeu minha bunda, desta vez com pressão agradável. Eu o levantei e virei de costas pra mim. Fiquei encochando o cara e percebi que ele estava à vontade. Pus meu pau ali e, como ele continuava tranquilo, forcei um pouco. Fui entrando, deslizando milímetros. Senti que estava decidido a dar pra mim, vesti a camisinha que havia posto sobre a mureta do banheiro, lubrifiquei com saliva e voltei a meter. Ele pediu pra parar um pouco, pra ir com calma, mas até que não foi difícil. E depois que se acostumou, fodi com força. Geralmente tenho dificuldade pra gozar na penetração, mas rolou até o fim.

   -Dois a dois. Da próxima vez eu desempato - disse, provavelmente se referindo aos nossos dois encontros. Mas não entendi a conta: da primeira vez ninguém comeu, ninguém deu. Dessa vez eu o comi. Não seria 1X0? Por que 2X2? Eu não entendi mesmo...

   Tirei a camisinha, joguei no lixo e ele se limpou.

   -Vamos tomar uma ducha, sugeri.

   -Com voce, eu namoraria - disse, meditativo.

   Esse cara tem essa mania de me lançar essas frases de efeito. Fiquei sem saber o que responder. Sorri simplesmente. Conversamos mais um pouco durante o banho. Parece ser um cara legal.

   Acabado o banho, me passou seu contato do MSN e nos separamos. Quando desci, tinha um ator famoso na sauna. Um  ator de alto nível, aliás. Nunca o achei atraente, mas também nunca suspeitei que ele tivesse um corpo tão gostoso. Não sou muito de ver TV e sempre o tive como um homem pequeno, magricelo. Já o tinha visto no teatro, muitos anos atrás, e realmente estes anos fizeram muito bem a ele. Parecia impaciente, andava pra lá e pra cá, medindo todo mundo de forma ostensiva.

    Fui atrás do alemão, que continuava dando sopa lá em cima, no escuro. A aproximação foi simples e rápida. Como sempre, em poucos minutos fomos juntos para o banheiro claro do andar superior lá da frente. Ele é todo gostosinho, supersimpático, olhar doce, sorriso adorável. A bunda parece um sonho, mas poucos minutos depois da penetração, eu falhei. Tinha gozado fazia pouco tempo e acho que estava um pouco tenso. Ficamos ainda um tempão ali, trocando carinhos. Ele foi muito fofo, nos beijamos muito e conversamos um pouco. Bem pouco, que ele não é de muito papo. Tentamos a penetração mais uma vez, mas não ia rolar, logo eu perdia a ereção. De qualquer forma foi agradável, ele tem uma das peles mais macias em que já toquei e disfarçava tão bem que não parecia estar decepcionado com a minha brochada. Tão bem que nem eu fiquei chateado. Não lembro direito, mas acho que o nome dele é Frederick.

   Ainda tive mais um encontro nessa noite. Lá pelas tantas apareceu um cara bem interessante, um tipo nada comum nesses lugares. Alto, corpo magro mas musculoso, moreno, com alguns pelos, barba curtinha bem escura, jeito de moleque, másculo. Me lembrou o gostosinho do Bento Ribeiro da MTV. Logo que vi, me interessei; ele também. Nos cruzamos algumas vezes até que eu recuperasse o fôlego. Ficamos sentados na mesma sala durante um tempo, a uma distância de uns 7 metros. Cumprimentou o ator e o Flávio, conversaram um pouco. Eu o observava, curioso. Mais tarde eu vinha saindo da parte escura, pela milésima vez, onde não encontrei nada que prestasse, e nos cruzamos, bem na saída; eu saindo, ele entrando. Passamos um pelo outro, nos olhando, viramos ambos para trás. Dei meia volta, fui atrás dele. Subimos pro andar superior, ele na frente, eu atrás. Entrou numa das salas e encostou na parede. Parei na sua frente e nos beijamos. Tentamos usar o banheiro daquela área mesmo, mas estava com um cheiro bem desagradável.

   Corta. Já estamos no banheiro iluminado, limpinho e espaçoso. Já estamos sem nossas toalhas e nos pegando furiosamente. Ele gostava de uma pegada mais pesada. Não parecia passivo, mas logo vi que ia rolar. O corpo dele era muito bonito, definido, pernas musculosas, panturrilhas poderosas, redondas. Um cara muito charmoso, desencanadão. E beijava bem. O pau não era grande, mas bonito, a cabecinha era uma perfeição, parecia até de plástico, de tão lisinha. A gente se chupou bastante e depois eu pus a camisinha e fodi gostoso. Delirava quando eu usava força, quando o mordia. E adorou quando segurei firme sua cintura. Agarrou minhas mãos e rebolava no meu pau. Dito assim, parece estranho - até pra mim que vi a cena: um cara bem machão, barbudo, forte, que rebola quando se aperta sua cintura. E conseguia o feito de continuar másculo nessa situação. Gozei de novo, dentro dele. Tomamos um banho e descemos para conversar perto do jardim. Chama Heitor, tem 40 anos e aparenta bem menos. O jeito desencanado escondia um rapaz bastante vaidoso, que adora falar de si. Ainda assim, simpático. Conversamos bastante, temos interesses em comum. É artista, professor na USP, empresário. Casado com um cara, moram numa chácara fora de São Paulo. De que ele é casado, eu apenas suspeitei pela conversa e o jeito como falou algumas coisas, e comprovei depois, pelo Facebook. Conversamos por mais de uma hora, e rimos bastante. Apareceu um cara muito bonitão, passava por nós, de olho em mim, sedutor. Eu já estava pensando em dispensar o Heitor, mas não tinha como. Fui ver as horas, eu tinha compromisso naquela noite ainda, e ele também.

   -Quase oito já! Daqui a pouco tenho de ir, vou ver um show aqui perto.

   -De quem?

   -Tânia Maria. Cantora e pianista brasileira que mora na França há muitos anos.

   -Sei, da turma do jazz... - disse com certa ironia.

   -É! Um grande talento...

   -Dá tempo de dar mais uma subidinha com voce, hein!?

   Eu não estava mais animado, talvez por já estar de olho no outro carinha que chegou, mas concordei. Fomos ao armário dele pegar outra camisinha e ali meu pau já estava durão, saltando da toalha e me deixando sem graça perante os funcionários da casa. Subimos e foi ótimo outra vez. Sem fazer nada, ele me excitava. Gozei com loucura. Estávamos nos recompondo quando encostei a perna na lixeira e senti umidade. Tinha uma camisinha pendurada na boca da lixeira, cheia de porra, e encostou em mim.

   -Puta, que nojo!

   Eu sou muito viado pra essas coisas. Não tinha certeza se era a camisinha que tínhamos acabado de usar e sentia aquela meleca na minha perna.

   -Preciso lavar isto rápido.

   Ele ria, sádico.

   Corri para a ducha, saía pouca água mas consegui me lavar. Quando ele chegou, já não saia mais água dos chuveiros. Havia gente reclamando com um funcionário que tentava explicar. Eu não entendo lhufas de hidráulica, portanto nem sei reproduzir suas desculpas.

   O Heitor ficou puto e foi tentar tomar banho lá embaixo - também em vão. Resolveu ir embora. Despediu-se friamente:

   -Foi um prazerzão.

   -Um prazer duplo (sinceramente nem eu sei o que eu quis dizer com isto).

   -Mútuo, tentei melhorar.

   Mesmo tendo acabado de gozar, fui correndo procurar o bonitão que tantas vezes havia passado olhando e sorrindo pra mim enquanto eu conversava com o Heitor. Eu ainda tinha uma meia hora disponível e dava pelo menos pra falar com ele, quiçá dar uns beijos.

   Mal comecei a andar, ouvi uma voz atrás de mim:

   -E aí rapaz.

   Ouvi baixinho, repetidas vezes, até me voltar. Era o próprio. Fui até ele e nos cumprimentamos. Era bonito realmente: alto, forte, pele branquinha e lisa, cabelos escuros, sorriso e nariz lindos. Marcelo. Ou melhor: Marrrcéaalu.

   -Carioca? - perguntei.

   -Tão rápido?!

   -Sou bom nisso.

   Disse estar na cidade apenas aquele dia, para uma conferência, se não me engano.

   Em poucos minutos se despediu.

   -Vou dar uma volta ae.

   Então tá, né... Não sei o que o decepcionou tanto. Dei mais um beijinho no comissário alemão, que ainda estava lá em cima, na batalha, e fui-me embora, que o show ia começar.