quinta-feira, 26 de abril de 2012

Tem Cara Que Goza a Seco


   Chovia quando cheguei à For Friends. No dia anterior, quarta-feira, a chuva tinha sido devastadora - todos estavam apreensivos - mas desta vez veio apenas uma chuvinha bastante corriqueira - leve e até simpática. Cheguei molhado, chupando um picolé de maracujá. Enquanto me despia, dois caras rodeavam. Um deles eu já conhecia, tinha ficado com ele havia uns meses. É um tipo de beleza sem vida: boa altura, corpo lindo (todo inflado de bomba, mas não dá pra negar que é um corpo e tanto), rosto cheio, de olhos azuis; um homem bonito. E só. A verdadeira beleza tem diversas camadas - é complexa, profunda, instiga e perturba. Pode conter até feiura. Ou loucura. Ou tristeza. E geralmente contém. E mesmo que esse cara não passasse muito de uma beleza vazia, fiquei com uma vontade de comer de novo... E tinha o outro: também musculoso (mas um corpo mais natural), usava barba, tinha pelos bonitos no peito. E transbordava lascívia no olhar, no andar de fera enjaulada. Reclamou para o primeiro:

   -Que bosta de chuva, hein?

   -Fica aí, ô!

   -Não, preciso ir...

   Se foi, não sei; não mais o vi. Quem eu topava onde quer que eu fosse, era o bombado de olho azul. Nos encontramos finalmente no corredor da sala de vídeo do primeiro andar. De pé, ele assistia ao filme, pegando no pau, sobre a toalha. A bundinha estreita e arrebitada, os músculos peitorais volumosos, lisos, redondos. Que corpo! Olhou pra mim, sorrindo como bobo. Moveu-se para uma cabine do banheiro e eu o segui.

   Porta fechada, em silêncio sepulcral despem-se de suas toalhas. Um certo mal estar entre dois estranhos que não se falaram e estão prestes a invadirem-se mutuamente pelo impulso cego do desejo. E quando se tocam, tudo é simples e natural. As bocas se unem e vasculham pelos corpos aquelas sensações já conhecidas e sempre renovadas. Que bunda! Que bunda!! Que bunda!!!

   Comi, claro. E foi bom novamente. Passou - sem importância alguma, mas foi bem bom. Acabei de tomar meu banho e desci pela escadaria da frente. Ao passar pelo vestiário, houve uma troca de olhares promissora. Eu o reconheci imediatamente: ator de televisão; já o tinha visto no teatro também. Completamente nu no palco, um corpo impressionante, uma voz extraordinária. Desde adolescente o acompanho de longe, e agora parecia tão ao meu alcance. Apesar do olhar interessado que me lançou, fiquei nervoso. Sentei próximo do vestiário. Queria confirmar o seu olhar. Mas demorava e demorava. Parecia haver algum problema: ele falava com os funcionários da casa (com certa intimidade), ia de lá pra cá. Fui dar mais uma geral na sauna. Até tinha uns caras razoavelmente interessantes. Na volta, passei pelo tal ator novamente. Vou chamá-lo pela inicial M. Estava parado no corredor que leva ao bar. Seu olhar era muito direto, seguro, penetrante. Quem ficou atrapalhado fui eu. Geralmente sou eu que encaro diretamente quem me interessa, e estes se fazem de desentendidos. Passei por ele, por esse olhar devorador e me fechei no banheiro. Fui mijar, mas fui também me esconder por um instante, do olhar que me invadia. Não que isso fosse desagradável, pelo contrário. Mas me senti fragilizado também, ansioso, inseguro. Na volta ele já não estava no mesmo lugar. Voltou a aparecer em 10 minutos, na ducha do primeiro andar, na frente da sauna. Nos olhamos outra vez e eu entrei na sauna. Veio logo atrás - sempre a mesma segurança no olhar, na postura. Sentou do meu lado e me tocou. Sem grosseria, sem forçar a barra. Nos beijamos. Eu mal podia acreditar em meus sentidos. Uma coisa parecida aconteceu na 269, anos atrás. Era também um ator, um homem lindo. Transamos (foi uma das melhores transas da minha vida) e eu só fui saber quem ele era, depois, durante o nosso papo no bar. Ele não gostou de ser reconhecido (na época ele não era muito famoso) e me dispensou. Depois pensou melhor e quis um repeteco. Até hoje não acredito que dispensei uma segunda transa com aquela delícia. Mas voltemos a M e ao nosso beijo dentro da pequena sauna do primeiro andar. Atores sabem usar o corpo e as emoções, o olhar, a respiração, manter a calma, manter o jogo. Eu não sou ator - parei o beijo para secar meu rosto:

   -Tá muito quente aqui.

   -Vem, vamos sair.

   Tomamos uma ducha. Pedi que ele me aguardasse perto dos quartos, que eu ia buscar uma chave. Voltei um pouco trêmulo, nervoso. Quando fechei a porta, respirei mais aliviado - estava agora sozinho num quarto com M. Tirei lentamente a sua toalha. O corpo liso, ainda úmido, cintilava a luz do abajur. Costas largas, braços fortes, expunham cada fibra muscular, cada veia sob a pele fina. E as pernas, a bunda, o abdome - um puta corpo! Seu rosto também é muito interessante, tenso, de angulações nada óbvias e profundos olhos verdes.

   -Você curte o que? - quis logo saber.

   -Sou ativo. (Pausa) Geralmente... - completei. Se ele só quisesse me comer, acho que eu dava.

   -Gosta de foder? Como é seu nome?

   -Yuri.

   -Gosta de bunda, Yuri?

   Eu sorri timidamente. Fiquei bobo.

   -Gosto.

   -Tem que gostar mesmo. Meu nome é M.

   -Eu sei.

   -Sabe, é?

   -Sei, te vi na peça tal.

   -Ah é? Eu adorava fazer aquilo!

   -Era um espetáculo muito bonito mesmo.

   -Não era?

   Deitamos, nos beijamos muito. Beijei seu corpo, seu pau. Grandão, bonito. Tinha um acessório de borracha na base. Não entendi logo de cara:

   -O que é isto?

   -Hum... É um... (tentava encontrar o termo) um cock ring.

   Me explicou mais ou menos como funcionava e que achava que dava mais prazer. Levantei suas pernas e meti a língua no ânus. Ele se contorcia. Suas pernas abriram completamente no ar, em espacate.

   -Que língua gostosa! Vem aqui, quero chupar seu pau.

   Eu deitei no seu lugar, ele arrumou meu travesseiro.

   -Você é tão cheiroso, gato! Sua boca cheira gostoso, tem cheiro de beijo. Olha esta rola!

   O abajur iluminava de perto seu rosto engolindo meu pau. Os cabelos lisos, brilhantes, escorriam pela testa. Ele parou tudo, ajoelhou rápido na cama, a respiração presa, segurando o pau com uma das mãos e a outra espalmada em atitude de suspensão. Contrações corriam-lhe corpo de alto a baixo.

   -Você gozou?

   -Só um pouco.

   Eu não vi nada. Veio me beijar de novo:

   -Foi uma sorte te encontrar aqui hoje. Olhei por aí e só vi umas bichas de quinta.

   -Tem muito velho aqui...

   -Eu gosto até, às vezes me atrai. Mas, não sei, gente suja. Não gosto. Fui lá em cima, o cara com o pau sujo...

   -Tem uns caras sem noção.

   -Muito sem noção! Eu gosto de vir aqui, pegar um cara que nunca vi na vida. Me dá tesão, assim como estamos aqui, agora...

   -Você vem sempre?

   -Venho de vez em quando. Tenho um relacionamento - disse mostrando a aliança na mão esquerda.

   -Ah, sim... Mas...

   -Temos um acordo tácito. Estou com ele há muitos anos.

   -Ele sabe que você vem aqui?

   -Não, nem desconfia! Assim... ele é menos sexual que eu (pausa). Eu acho, não sei. Ele não é como eu, não tem a mesma necessidade, sabe?

   -Mas por que nunca falaram sobre isso?

   -Não precisa. Eu descobri super-por-acaso dum rolo dele com um cara. Acho que foi só uma transa, nem sei. Sempre tive as minhas historinhas também. Ele não teve como negar (pausa). Mas negou... Foi chato, constrangedor. Acabamos nem conversamos sobre isso direito. Nos damos muito bem, a gente se gosta, temos muito em comum, uma vida que construímos juntos.

   -Deve ser estranho.

   -O quê?

   -Sei lá, vocês não conversam sobre isso.. E conversar também seria estranho... Mas não é meio arriscado você vir aqui? Você é uma pessoa pública...

   -Ah não, nem penso nisso. Não sou tão famoso. Uma celebridade de segunda categoria. Fiz pouca Globo.

   -Digo, é mais fácil de chegar até ele uma história dessas.

   -Não ligo mesmo. E você, tem namorado também?

   -Não.

   -Sério? Só porque não quer.

   -Nunca tive.

   -O quê?

   -Namorado.

   - Como assim?

   -Nunca tive. Nunca rolou um lance mais sério. Ou mais longo.

   -Não acredito! Mas você nunca se apaixonou por ninguém?

   -Já, claro. Mas nunca foi recíproco. E de outra forma, não me interessa. Mas eu sou muito fechado, chato pra caramba...

   -Mas deve ter um monte de menino querendo namorar você.

   -Nem tem.

   Ficamos nos olhando um tempão; nos olhos, no fundo dos olhos. Olhar um desconhecido em silêncio, a um palmo de distância, pode ser constrangedor. Sempre é, na verdade. É  muito mais íntimo que apenas transar. Os dois estão expostos, desprotegidos. E é muito bonito e prazeroso. Expôr-se e invadir o outro. Ele passou o dedo no contorno do meu rosto.

   -Que boca linda. Você é gato mesmo.

   -Ah vá... Valeu. Você também, seu corpo é incrível. Quantos anos você tem?

   -43.

   -Mentiraaaa!

   -Verdade. E você?

   -38.

   -Com essa cara de menino! Vem aqui. Lambe o meu cu de novo, daquele jeito que você me lambeu?

   Pus ele de quatro, de costas pro abajur. Era uma bunda linda, me deixou louco. Botei a camisinha e meti. Logo perdi a ereção. Meu pau é grosso, mas ele tem um relaxamento grande, e eu não sentia nada. Meti um dedo, dois.

   -Põe dois dedos em mim.

   Pus três, quatro. Achei que fosse fistar o cara. Passei lubrificante na mão. A ideia me excitou, mas não rolou. Nos excitamos mais e eu meti sem camisinha. Fizemos alguns movimentos e ele interrompeu.

   -Sem camisinha não pode, gato.

   Eu coloquei outra e meti. Perdi a ereção outra vez.

   -Com camisinha não tá rolando... que pena...

   -É, acontece comigo também às vezes. A gente perde a sensibilidade com a camisinha. Vem gozar em mim, quero no meu peito.

   Deitou na cama, eu fiquei por cima, ajoelhado, me masturbando. Ele gozou. Parecia seco de novo. Eu não consegui:

   -Eu tinha acabado de gozar quando te encontrei, não vai dar.

   -Você me fez gozar três vezes.

   Eu não vi uma gota de porra. Sei lá, tem cara que goza a seco. Conversamos mais, sobre artes, nossas atividades profissionais e nossas famílias. É um cara legal, simpático.

   -Devem ser mais de oito horas, né? - perguntou.

   -Será?!

   -É, tá pensando o quê? Vamos tomar um banho.

   No chuveiro ele me mostrou um sabonete que tinha trazido. Diz que tem pavor de pegar chatos na sauna e passar pro marido.

   -Nossa, que nojo!

   -É, imagina! Usa o sabonete também. Passa e deixa uns minutos.

   Depois do banho, fomos nos trocar. Ele pegou o meu telefone e deu um toque para eu ficar com o dele. Fiquei assistindo ele se vestir, passar seus cremes, um verdadeiro ritual de cuidados com a pele.

   -Eu não tenho essa paciência...

   -A minha pele é muito seca. Sem creme, ela repuxa, não dá.

   -Por isso que você está assim, podia dizer que tem dezoito anos a menos.

   -Eu, dezoito anos??

   -Dezoito a menos.

   -Ah!

   Saímos juntos. Sempre esqueço que lá não aceitam cartão de débito - só de crédito, que eu não uso. Eu não tinha o dinheiro todo na carteira e ele rachou a despesa do quarto comigo. Como era o dia do seu rodízio e ia pegar um táxi na esquina, ofereceu uma carona até o metrô. Sentamos atrás e ele ia me dizendo umas sacanagens, coisas como: "Você vai chupar o meu cu de novo?". O motorista olhava pelo retrovisor e eu fiquei com um pouco de vergonha. Fiquei excitado também. Nos despedimos com um beijo desencontrado e pensei que não fôssemos nos falar nunca mais. Mas ele ligou hoje. E amanhã tem mais.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Qual o Sentido Disso?


   Domingo de Páscoa. Fui ao parque da juventude (não conhecia e achei muito legal) assistir ao show Recanto, da Gal Costa. Fiquei extasiado por vê-la tão bem, bonita, à vontade em cena, interpretação limpa e poderosa, cantando lindamente, a voz irrepreensível, com seu brilho renovado por um trabalho novo e arrojado. Poder ouvir canções que me marcaram tão profundamente como "Da Maior Importância" (que Caetano Veloso compôs para e sobre elaao vivo, em arranjo próximo do original (FODA), me levou às lágrimas. E era apenas a primeira canção. Foram quase duas horas de show, debaixo dum sol muito forte e eu queria mais. Ela e os excepcionais e jovens músicos Pedro Baby, Domenico Lancellotti e Bruno Di Lulo tocaram todas as faixas do CD Recanto e o público sabia tudo de cor. É um disco que se torna mais belo, quanto mais ouvido. Cantou também "Mãe", "Meu Bem, Meu Mal", "Minha Voz, Minha Vida" e "O Amor", entre outras jóias de seu repertório, todas compostas por Caetano ("O Amor", sobre poema de Maiakóvski), e ainda Gil, Chico, Ben Jor. Fã incondicional da Gal, de sua voz única, de sua imensa inteligência musical e sensibilidade interpretativa, de sua grandiosa trajetória, fiquei eufórico e emocionado com a apresentação.

   Depois do almoço - sauna. Fui para a For Friends. Cheguei a pensar em checar a Splash, mas deu preguiça. E eu tinha compromisso importante às 23h. Até que tinha bastante gente, porém, até anoitecer, ninguém que me chamasse a atenção. Tomei um banho e me joguei no sofá da salinha de vídeo do primeiro andar. Apareceu na porta um cara alto, bronzeado. Em menos de um minuto ele estava com meu pau dentro da boca. Continuei assistindo ao filme displicentemente. E outro cara apareceu na porta: tipo interessante até, com suas tatuagens espalhadas pela pele branca. Em menos de um minuto, ambos dividiam irmãmente meu pau em suas respectivas bocas. Eu estava menos interessado no filme agora. O primeiro percebeu que eu estava bem mais inclinado ao novo visitante, e se mandou. Além das tatuagens, tinha um anel peniano, coisa que eu vi poucas vezes na vida. E acho que não gosto. Pra que acessório no pau? "Como querer caetanear o que há de bom". Ajoelhou na minha frente pra me chupar e toda hora queria passar o pau melado na minha bunda. Cansei, saí. Depois de um tempo, fui percebendo que ele tem alguma coisa de maluco, de tantã. Tinha um garoto baixinho que era bonitinho até, mas só fazia andar de lá pra cá. Quando alguém chegava perto, ele fugia. Parou no mictório e ficou me olhando com o pau pra fora. Eu cheguei do lado e botei o meu pra fora também. Ele segurou, puxou minha mão pro pau dele. Em segundos escafedeu-se.

   Nessa tarde revi dois caras com quem já tinha ficado na sauna: Daniel e Jucélio. Tive a segunda impressão diferente de ambos. O Daniel estava bem bonito, corpo super em dia, cara ótima. Mas, apesar de nossa transa ter sido boa, ele foi ríspido quando terminou, e eu não tentei me aproximar desta vez. Já o Jucélio me pareceu bem menos interessante. Ainda assim, tentei chegar nele, mas não deu em nada. Revi ainda meu primeiro analista, o Fábio. Já o tinha visto na 269, anos atrás, mas me escondi e ele não me viu. Nessa época eu tinha acabado de interromper a terapia com ele (que teve um fim problemático) e achei que ele se constrangeria com o nosso encontro nessa situação. Ele é bonitinho, loiro de olhos muito azuis, está fortão agora. Fui lá falar com ele, e, meio desajeitados, conversamos rapidamente. Foi tranquilo, apesar de tudo, e ele não precisa mais ficar constrangido por minha causa.

   Estou perdendo a vontade de escrever. Talvez eu deva escrever apenas quando der vontade, ou necessidade, sem a "obrigação" (autoimposta) de relatar todas as idas à sauna. Mas mesmo que eu venha a escrever muito mais esporadicamente, a experiência do blog me valeu muito e em muitos níveis. Eu vinha desenvolvendo uma certa compulsão por sexo desprotegido, sem camisinha. Na terapia era dificílimo falar sobre isso e no blog, apesar do anonimato, continuava difícil. Pode parecer incrível, mas pensar em relatar uma experiência dessas no blog, me fez demover da ideia várias vezes nos últimos seis meses. Felizmente refiz todos os meus testes para DST's no final do ano e não tenho nada. Poderia ter tido. Poderia estar, agora mesmo, doente, precisando me medicar diariamente, enfrentar diversos problemas decorrentes. Faz sentido arriscar-se tolamente por um alguns minutos de sexo descompromissado? Esse tem sido um dos melhores resultados do blog para mim. Lembro também do quanto foram trabalhosos os primeiros posts e de quantas vezes eu tinha de corrigi-los. Agora saem com mais facilidade, mais limpos e organizados.

   Até umas 19h eu tinha esquecido completamente de tomar o meu remedinho, minha secreta pílula azul. Há alguns anos tenho tido problemas de ereção. Não é nada fisiológico, fiz vários exames. Apesar de ser uma alteração de fundo psicológico, emocional, a terapia não ajudou quase nada, e foram 6 anos, somando três analistas diferentes (inclusive dois anos com o Fábio). Há aproximadamente dois anos venho tomando o medicamento quando pretendo fazer sexo. Na masturbação solitária, às vezes tenho perda de ereção, mas em geral acontece sem problema algum. E ainda, algumas vezes, mesmo tomando o remédio, a coisa falha por algum motivo (quase sempre por insegurança, algum contraestímulo na relação ou porque eu simplesmente quero fazer sexo sem vontade). Desta vez esqueci  completamente, provavelmente porque meu pau estava respondendo normalmente aos estímulos. Foi só quando apareceu um menino bonito que lembrei. Mesmo achando que nada aconteceria, fui pegar o que estava na minha carteira. Era um garoto bonito mesmo! Causou um certo rebuliço na sauna toda quando entrou. Alto, longilíneo, corpo bem definido, loiro de olhos verdes, cabelo curtinho arrepiado, traços bonitos, tipo de rapaz "de fino trato", educado. Desfilava sem olhar pra ninguém e foi direto para o escuro. Entrou numa das salas e se formou uma rodinha em sua volta. Dois caras o tocaram e os outros dispersaram. Era um japonês magrinho e um coroa de baixa estatura. Ele parecia indeciso: ora fechava os olhos para sentir as carícias, ora tentava afastar as mãos. Em poucos minutos partiu sozinho. Tentei procurá-lo, mas o perdi de vista. Na passagem, vi dois caras numa mesa do bar. Ambos eram interessantes e o mais baixo e jovem me deu uma olhada bastante significativa. Foi para a sauna seca e eu entrei logo atrás. Fui alcançá-lo solitário no último degrau da bancada:

   -Beleza?

   -Opa, de boa? - ele parecia aflito para dizer algo.

   -Tá aí faz tempo?

   -Não, menos de uma hora. E tu?

   -Já faz um tempinho, viu...

   (Pausa)

   -Curte o que?

   -Sou só ativo.

   Ele riu e enfiou o rosto entre as mãos:

   -Tá uma bosta isso aqui! Tô com o meu namorado aí... não quer dar pra a gente?

   -Ih, eu não curto mesmo... Mas os dois são ativos?

   -Os dois. Viemos pra comer alguém, mas tá difícil. Estamos andando separados pra não assustar, sabe?

   -Mas é um namoro complicado o de vocês! Estão juntos faz tempo?

   -Quatro anos.

   -Mas nenhum dos dois dá, nunca?

   -Claro que sim! (respondeu como se eu fosse um completo idiota). Mas geralmente nenhum dos dois está com vontade, daí não rola. Quer ficar com a gente? Está a fim de que?

   -Ah cara, sei lá. Um bom beijo já não seria nada mau...

   Eu o beijei. Enfiou a mão por baixo da minha toalha e catou o meu pau.

   -Posso ir lá falar com ele? Sabe quem é?

   -Acho que sei. O branquinho de barba? Fala lá. Você não faria nada só comigo, eu e você? Achei você uma graça...

   -Não... sozinho não. Vou falar com ele, mas acho difícil. A gente quer comer alguém.

   -Beleza, ele decide.

   Ele se foi e, ao que parece, o namorado não aprovou o terceiro ativo no rolo. O loiro bonito reapareceu e subiu pro primeiro andar. Vi que entrou na sauna. Subi e sentei ao seu lado. Olhava muito disfarçadamente para mim, parecia tímido. Fechou os olhos, o corpo tenso. Eu me aproximei mais e ele se levantou. Fui encontrá-lo novamente na sauna a vapor. Vinha saindo quando eu entrei. Pouco depois, lá estava ele, debaixo do chuveiro. Um breve cumprimento e liguei a ducha ao seu lado. Ambos ficamos excitados e ele não tirou mais o olho do meu pau. Que graça de garoto! Tive a impressão de que já estava ganho, que sairíamos dali direto para uma cabine do banheiro. Ele se enxugou rapidamente e desceu, foi para o escuro novamente. Lá eu o peguei! Era um corpo delicioso nas formas e volumes, em texturas e aromas. Nos beijamos e nos chupamos, sentados num sofá.  Começou a juntar gente em volta.

   -Vamos pra outro lugar? Só nós dois? - sussurrou.

   -Claro, vamos sim! Vou pegar um quarto. Vai subindo que eu pego a chave.

   -Não (balançava a cabeça em desaprovação), não precisa de quarto! Vem aqui.

   Me conduziu a uma cabine do banheiro. Seu nome é Rafael, 26 anos, de uma pequena cidade em Santa Catarina, fazendo um curso em SP por 10 dias. Gostava quando eu metia a língua no seu cuzinho. Gostava de ver eu me masturbar.

   -Deixa eu te comer? - perguntei.

   -Capaz, você me arrebenta!

   -É nada, faço com jeitinho.

   -Não dá, seu pau não dá. E você, dá pra mim? Sua bunda é um puta tesão - dizia no meu ouvido.

   -Não rola, meu. Sabe do que me deu vontade?

   -De que?

   -De você gozar na minha boca.

   -É?! Vai engolir tudo?

   -Vou, respondi - não era essa minha ideia, mas seus olhos brilharam quando comecei a falar.

   -E você, sabe o que me deu vontade? - disse pegando na minha bunda.

   -Já percebi...

   Insistiu tanto que pedi que pusesse a camisinha pra tentarmos. Foi difícil pra caralho, mas conseguiu. Só que a qualquer movimento que ele fizesse, eu reclamava. Uma dor terrível. Mesmo assim, quase sem se mover, ele anunciou, trêmulo:

   -Cara, não aguento, vou gozar.

   Tirou o pau, a camisinha e gozou na minha boca. Acabei engolindo mesmo o pequeno volume. Continuei chupando até gozar também. Tomamos um banho e ele me chamou para sentar com ele. Escolheu um lugar mais reservado, na sala grande de vídeo. Conversamos sobre a vida e sobre o filme que passava diante de nós, os homens que apareciam. Me contou sobre o seu trabalho, sua família, e o namoro que terminou recentemente. Eles dividiam um apartamento havia dois anos, mas a relação esfriou e agora ele estava fazendo terapia pra se acostumar com a falta do companheiro.

   -Foi ele quem quis terminar?

   -Não, os dois. Eu tava querendo sair com outros caras, ele também. Isso eu não admito! Um amigo meu é casado há oito anos, ele me diz "Não transo com meu companheiro!". Qual o sentido disso?

   -É... Ah, mas sei lá, cada um sabe de si, de suas necessidades. Vai ver, a relação deles funciona em outros planos... o sexo eles resolvem de outra forma. Você não me disse que sempre namorou meninas?

   -Mas aí é outra história, eu me sentia cobrado. Eu sempre soube que gosto mesmo é de homem.

   Ficou concentrado no filme. Eu o acarinhava e ele só falava do filme:

   -Olha a bunda desse cara! Perfeita!

   -Você dava pro seu namorado?

   -Dava, às vezes. E dou gostoso, sem miséria. Pra dar, tem que estar com vontade. Bate uma punheta aí, eu gosto de ver.

   -Aqui?!

   -É, não tem ninguém agora - disse tirando o pau pra fora. Foi ali que notei que as bolas dele eram bem pequenas, bem menores que o comum. Lembrei do pequeno volume de esperma dele na minha boca e pensei se teria uma relação.

   -Sabia que foi a segunda vez na minha vida que eu engoli a porra de um cara?

   -É? Você é doido! (Pausa) E tava boa a porra?

   -Tava... - menti, era amarga. Nos beijamos outra vez e ele queria que eu o chupasse ali, mas apareceu um coroa na sala.
 
   -Então vamos lá no escuro..

   Agora ele queria ver os caras se pegando ao vivo. Tinha pouca gente por ali. Um cara tatuado tinha passado a tarde toda me seguindo - ele até seria bem interessante se perdesse uns quilos na cintura - estava lá, encostado numa grade, me olhando como sempre.

   -Quer que eu chame aquele cara? - perguntei.

   -Ah, sei lá, acho que não encaro.

   Mas encarou. O cara chegou, agachou e veio chupar nossos paus simultaneamente. Eu beijava a boca do Rafael. Um coroa veio por trás dele e deu aquela encoxada. Já me senti meio incomodado com aquilo, fiquei enciumado. Eu fico, sou possessivo. Não gosto de ser assim, mas sou. Logo eu, que ninguém jamais vai possuir. Eu gozei, ele gozou - beijando o mesmo tatuado que disse não poder encarar. Lembrei da minha hora, eu tinha um compromisso. Eram 22h20min quando passei pelo bar. Saí correndo pra tomar um banho. Achei que ele viesse comigo. Queria ter pego algum contato. Me vesti e enquanto chamavam um táxi para mim, o procurei pela sauna, mas não encontrei mais. Pensei em deixar um bilhete na recepção. Não deixei. E tanto faz.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Papai Noel e o Saco de Pancada


   Parece que os mais bonitos já não gostam de mim...
   Será que emagreci demais? Uma dor no ombro me tirou forçadamente da academia e minha massa muscular, também em razão de uma dieta alimentar, tem definhado nos últimos quatro meses: perdi 8 quilos, quase 4 cm em cada bíceps, e um pouco mais de 5 cm de peitoral. Mas no computo geral, me sinto bem: também perdi 8 cm na cintura!
   Estou ficando velho? No fim do mês completei 38 anos... Os quarenta chegando apavoram. Mais uma vez só tinha um único cara muuuito bonito na sauna e, outra vez, este não quis nada comigo. Não que eu tivesse insistido, acho que fiquei um pouco intimidado.
   O vi primeiro no jardim, área de fumantes, pouco depois de ter chegado à sauna. Nem cheguei a sair ao jardim nessa primeira vez, o vi apenas pelo vidro da porta do jardim, que o refletia ao sol, sentado numa poltrona, fumando elegantemente enquanto conversava. Garotão alto, corpo dourado de sol, musculatura definida no abdome, peitoral bem desenvolvido, cavanhaque aloirado, expressivos olhos verdes, boca vermelha, sorriso magnético. Trazia no rosto alguma coisa que me sugeria a criança que havia sido um dia. Tudo isso eu vi pela vidraça que o forte sol transformava quase num espelho. Não pude sair, não me sentia preparado para "enfrentar" tamanha beleza às três da tarde duma quinta-feira que já havia começado conturbada. Rodeei aquela porta, esperando que ele entrasse ou que uma súbita coragem me empurrasse pra fora. Só dentro da sauna seca fui vê-lo mais de perto. Parei logo ao lado da porta e ele estava na outra extremidade da sala, deitado na bancada - conversava ainda. Entendi do papo que ele trancou a faculdade e abandonou São Paulo por não aguentar o ritmo da cidade. Tentou o Rio e instalou-se numa cidade menor, entre SP, RJ e BH (quando entrei, ele já tinha dito o nome da cidade). O outro, mais maduro mas bem bonitão, morava em Belém - PA, e estava em SP participando duma feira. Fui ao dark. Já havia notado um rapaz andando pela sauna, que me abordava agora:
 
   -E aí.

   -Beleza?

   -O que manda?

   -Acabei de chegar. Está aí faz tempo?

   -Um tempinho já.

   -Prazer, Yuri.

   -Rodrigo.

   Eu sentei e ele ao meu lado. Tem 32 anos (disse que eu pareço mais novo que ele, no que concordo), é médico, mora em Higienópolis. Quis me beijar mas eu não estava com vontade ("minha boca tá machucada" - foi minha desculpa improvisada). Começou a me masturbar até que veio a fatídica pergunta:

   -Curte o que?

   -Sou só ativo. E você?

   -Também... (pausa) É, os dois ativos... acho que nem rola nada hoje, hein? Tô atrasadão já, tenho que estar no hospital em uma hora.

   Continuou me masturbando. Lambia o meu braço que envolvia seu pescoço e abocanhou meu dedão. Fui aproximando a mão do meu pau e ele me chupou. Gozou em fortes contrações.

   -Tesão, cara!

   Levantou e partiu friamente. Saí ao jardim e dei de cara com o garoto bonito. Continuava conversando e parou por um momento quando me viu. Eu também congelei, vidrado nos seus olhos, encabulado com a sua reação. Dei meia volta e deixei o jardim. Me dá uma imensa raiva de mim mesmo quando assumo esse papel de otário, de fraco! Fui sentar numa poltrona perto da jacuzzi. Alguns minutos depois ele passou por mim, entrou na sauna. Voltou rápido e entrou na jacuzzi, então vazia. Sem a toalha era ainda mais belo, uma perfeição de homem. Quando me preparava pra a aproximação, um velhote entrou na jacuzzi com ele. E mais outro, logo em seguida. O garoto desistiu da jacuzzi, foi à sauna a vapor e eu sentei ao seu lado. Tentei  estabelecer contato visual, mas não permitiu. Saí dali com a promessa de não voltar a tentar nada com ele. Vá lá: exceto se ele me procurasse.

   Apareceu um coroa que me pareceu interessante. Passou com uma long neck na mão, rumo ao dark. Cabeça completamente raspada, físico bom, alto. Não era bonito, mas tinha alguma coisa que me atraiu. Na boa: tinha uma bunda bem gostosa. Subi também e fui encontrá-lo encostado na janela de uma das salas escuras. Sentei num sofá e esperei. Olhava pra ele apenas. Aproximou-se e parou na minha frente. Nos tocamos. Pele sadia, cheirosa, limpa. Chupei seu pau e o virei de costas. Pedi que ficasse de quatro na cama e lambi a bunda que me havia despertado o desejo. Virou-se e perguntou, com voz decepcionante:

   -Quer dar pra mim?

   Era uma voz frágil, infantilizada. Apesar da minha negativa, pegou a camisinha que eu trazia e pôs no próprio pau, insinuando que eu me sentasse nele. Peguei minha toalha e desci, sem nem me despedir. No caminho de volta, topei com o Roger. Quase todas as vezes que vou à sauna, encontro com ele, mas sempre diz que não frequenta saunas regularmente. Uma vez, na 269, o vi entrando numa cabine com dois caras. Na semana seguinte ele me disse que nunca tinha ficado com dois caras ao mesmo tempo. Talvez ele me veja como um santinho inocente e fique sem jeito. Ele já tinha visto o cara bonito, que também o tinha esnobado, preferindo (segundo ele) um carinha gordo e feio. Eles passaram por nós, rumo ao vestiário:

   -Pô, você acha esse menino gordo e feio? - perguntei.

   -É, até que agora que você falou, não é mesmo... é bonitinho.

   Pediu que eu cheirasse o seu antebraço. Estava cheiroso realmente. "Agora sente como está macio". Minha expressão devia pairar entre o desânimo e a interrogação polida. "É óleo. Passei dentro da sauna, penetra na pele, fica uma delícia. Vamos lá, passamos um no outro". Fui. Nos massageamos com o tal óleo, cheguei a me excitar, mas com ele não rola nada. Não gosta de dar, não chupa. Não vou ficar chupando um cara que não retribui. Talvez seja bobagem minha, falta de espírito aventureiro, mas o óleo na pele me incomoda profundamente, passei o resto da noite tentando tirar seus resquícios do corpo. Imaginei alguém me tocando e sentindo minha pele engordurada, com aspecto de sujeira. Tentei me aproximar do garotinho bonito que o Roger tinha dito que era feio e gordo. Era baixinho, corpo apenas ok, mas o rosto era lindo, com uma barbinha rala. Também ficou cheio de rodeios e acabei desistindo.

   Apareceu um cara no corredor se insinuando. Não é absolutamente o tipo de que me atrai, mas dava bem pra encarar. Maurício, 26 anos, alto, moreno, forte, de características árabes, usava aparelho nos dentes. Detesto cara de aparelho. É tão broxante num adulto. E quase sempre causa um cheiro desagradável. Não era o caso, felizmente. Aproximou-se com naturalidade, muito direto - ponto pra ele. Me convidou para entrar com ele num dos quartos que haviam deixado aberto naquela noite. Aceitei. Ele ia fechando a porta quando parou um instante e falou alguma coisa com alguém do lado de fora. Pensei que fosse algum dos funcionários da sauna avisando que teríamos de pagar pra usar o quarto, mas ele fez um gesto, convidando para que entrassem. Entrou um sujeito estranhamente parecido com o próprio Maurício. Fiquei confuso:

   Seriam primos, irmãos? Gêmeos? Estavam juntos? Que porra era aquela?!

   Era apenas coincidência e provavelmente nem os dois tenham se apercebido da semelhança. O outro tinha uma barriga bem mais pronunciada, o que me desgostou imediatamente. Achei desagradável que ele tivesse convidado alguém sem me consultar. Quase pedi que ele pusesse o cara pra fora, mas ele já estava me chupando, o que sempre amolece meu coraçãozinho... O outro olhava e veio segurar a base do meu pau. Maurício puxou a toalha do seu sósia, revelando um belo cacete. Pôs a bunda no meu pau enquanto chupava o outro. Era bonito seu corpo naquela posição, uma bunda bem gostosa. Eu ia passando o pau e começou a entrar. Um pouco reticente, meti e comecei a foder, sem camisinha mesmo (minha camisinha tinha ficado com o careca otário que falava como criança). O sósia barrigudinho se manifestou:

   -Dá a minha camisinha pra ele, disse apontando suas coisas sobre a cama - a toalha, a chave do armário e o preservativo.

   Vesti a camisinha e o Maurício já estava deitado de costas na cama, chupando o pau do cara. Ergui suas pernas e meti. O peso de seu corpo afundava o colchão, dificultando o meu "trabalho". Abracei suas pernas e elevei-as até quase seu peito, ficando cara-a-cara. Ele me ofereceu o pau do cara, bateu com ele na minha boca. Tinha uma textura e forma deliciosas, e apesar de grande e grosso, encaixava na minha boca muito prazerosamente. O cheiro era muito bom também, excitante. Nenhum perfume (ou óleo pegajoso) jamais terá cheiro mais excitante que o de uma pele limpa. Claro que há diferenças de pele para pele, e nos sentimos atraídos pelo cheiro de uma pessoa e não de outra por vários motivos (muitos deles desconhecidos). O sósia barrigudo do Maurício tinha um cheiro que me fez gozar instantaneamente. Deixei os dois sozinhos e fui tomar um banho. Pedi ao atendente simpático mais camisinha e ele me deu dois envelopes.

   Voltei a procurar mais alguém e não via nada que me interessasse. Entrei na sala do saco de pancada, que estava vazia. Só o saco, pendurado no meio da sala. Quase sempre eu dou minhas pancadinhas nele e achei um momento muito oportuno aquele, em que eu estava um pouco irritado com a falta de homens bonitos na sauna. "Um soco bem forte! Quero balançar ao máximo esse saco com um único soco", eu pensei. Tomei posição, pensei no meu ombro machucado, respirei fundo e mandei ver: um soco perfeito - reto, rápido e potente - bem no centro do saco. No exato momento do soco, percebi alguém entrando por trás. Já seria suficientemente ridículo um homem de toalha e chinelos, numa sauna gay, treinando boxe. E se o saco voar com o soco e desmoronar no chão com um grande estrondo, deixando esse homem com olhos arregalados e cara de panaca? Havia um senhor barbudo, muito alto e gordo parado à porta. O sorriso escarnecedor era indisfarçável nos seus lábios. O saco jazia no fundo da sala, torto, debruçado nos pés duma mesinha de canto. O cabo de aço que o sustentava ainda balançava do teto. Fui olhar de perto e vi que já estava bem gasto, precisava ser trocado, o que me tranquilizou. Felizmente o Papai Noel já tinha partido quando me voltei. Mal saí da sala, um outro senhor veio me abordar com sotaque italiano. Pelo cabelo e cavanhaque completamente brancos, supõe-se ter bastante idade. Via-se pelo rosto que deve ter sido um belo homem. Segurou meu braço firmemente:

   -Posso ir lá em cima com você?

   -Dá licença? - eu disse apontando meu braço.

   -Vamos lá em cima comigo?

   -Não vou subir.

   -Por favor...

   Esse tipo de súplica me mortifica. Por pena, angústia e, sobretudo, raiva. Raiva não tanto dele, quanto da vida como ela é. Aquele homem tinha algo de trágico no olhos, algo de desesperador. Infelizmente eu estava muito ocupado procurando o enésimo corpinho descartável, para poder dar alguma atenção e conversar com o infeliz por alguns instantes. Penso muito no quanto quero morrer antes de envelhecer. Sei que não saberei lidar com a incapacidade de despertar desejo sexual. Não tenho ou terei filhos e netos; talvez sequer sobrinhos. Só o sexo poderia salvar minha vida se não puder continuar trabalhando até morrer. Oxalá eu tenha muito dinheiro pra pagar por belos garotões, pois as chances de morrer cedo são exíguas na minha família. Sei o quanto parece vácuo e pobre esse prenúncio que me faço. E sei como o futuro, coisa que não existe, sempre nos aparece achatado, empobrecido, justamente por não existir. E o mundo muda, e nós mudamos. Felizmente.

   Reencontrei o Maurício, e vinha cheio de amor pra dar:

   -Vamos lá para aquele quarto de novo?

   Eu topei. Sua ideia fixa agora era me comer, chegou a pôr a camisinha, mas expliquei que não queria.

   -Deita na cama então, vou sentar no seu pau.

   Pus a camisinha e ele sentou. Comandou tudo até que meu pau escapasse de dentro. Pedi:

   -Fica de quatro pra mim?

   -Quer de quatro, quer?

   Fodi até gozar.

   -Chega de me comer por hoje, garotão.

   Tinha ainda um cara com corpo muito bonito, rosto até interessante, porém com uma pele feia, bem marcada quando vista de perto. Me olhava e ficava de pau duro, mas virava a cara. Fico de saco cheio de gente assim, gosto de gente direta. Tomamos banho lado a lado, ambos de pau duro. Ele me examinava o corpo com atenção, mas nunca me olhava nos olhos. Disfarçava e olhava pro outro lado. Talvez quisesse esconder as marcas do rosto (o que não me ocorreu no momento). Na ducha do meu lado direito entrou outro cara. Na mesma hora em que o vi, sabia que já conhecia, mas estava em dúvida se era quem eu estava pensando. Um cara bonito que estava na sauna no dia 10/11/2011, quando apresentava um detestável bronzeado artificial, cabelos descoloridos, amarelados e um mau hálito tenebroso. Desta vez tinha um tom de pele bonito e natural, cabelos grisalhos e hálito normal. Também ficou de pau duro e, como eu o olhava maliciosamente, segurou meu pau e sorriu. Eu o convidei:

   -Tem um quarto aberto ali. Vamos lá?

   Ele apenas sorria, pensativo.

   -Chega aí! - insisti.

   Não faço o gênero cafageste, mas minha expressão e voz eram típicas nessa frase.

   O quarto estava uma bagunça, culpa minha e do Maurício. Tinha camisinha e seus envelopes, papel pra todo lado. Nos beijamos. Nem sombra daquela inhaca que me apavorou há mais de três meses. Seu nome é Mauro, gaúcho, 42 anos, arquiteto. Tem vindo a SP com frequência para acompanhar obras em Alphaville. Eu tinha certeza de que ele ia querer me comer. Da primeira vez me deixou a impressão de ser ativo. Trocamos sexo oral, ali em pé, perto da porta e fomos para a cama, pra um 69. Botei o cara de franguinho assado e pedi a camisinha que ele trazia presa no elástico da chave, no bíceps direito. Enquanto o comia, lambi seus bonitos pés.

   -Fica de quatro pra mim? - me repeti.

   -Quer me pegar de quatro? - quase refez a fala do Maurício.

   -Quero muito!

   Eu tinha pensado nele de quatro com os joelhos na cama, mas ele pôs os pés no chão e se debruçou sobre a cama. Conforme eu o fodia, a cada estocada, a cama deslizava no chão e fomos parar do outro lado do quarto, contra a parede. Ele gozou, gotejava no chão fartamente. Tirei o pau e a camisinha e nos abraçamos.

   -Fica comigo, quero gozar.

   Toquei uma punheta enquanto nos beijávamos. Tomamos banho conversando e trocamos celular. Pra quê, mesmo?