domingo, 22 de janeiro de 2012

Verde-Uva


   Gostei de ir à For Friends numa sexta-feira (sexta-feira 13, aliás) sei que voltarei mais vezes. Não estava superlotada, nem vazia. Tento entender por que fui, por que volto: carência é quase sempre a resposta. Necessidade de sexo e contato com gente nova. Infelizmente os desconhecidos da sauna quase nunca se permitem aprofundar algum tipo de relação que não a sexual e imediata. Não falo unicamente de uma possibilidade de envolvimento amoroso, mas de alguma coisa que vá além do corpo, de um puro instante de tesão. E sou também apenas mais um "desconhecido da sauna", mais um homem disponível apenas para o sexo - feito de fraquezas, preconceitos, feridas mal cicatrizadas, culpa, covardia, egoismo, superficialidade e muita conversa mole. Que, como tantos outros, se ilude numa fantasiosa busca por um amor, um companheiro, que provavelmente não teria espaço na minha vida. Com todos esse background e ainda vestígios duma gripe, cheguei por volta das 17h.

   Demorou até que eu me aproximasse de alguém, mas já tinha visto pelo menos dois caras interessantes. O primeiro deles estava num sofá da primeira sala de vídeo da ala escura da casa. Mesmo no escuro, meu "detector de gringos" disparou. Tenho uma atração irracional por estrangeiros - meu antigo analista achava que eu os procurava por serem quase sempre inacessíveis, de convivência improvável para além de uma transa. De onde eu estava, via o rapaz de perfil, sentado no sofá de vinil vermelho, com um garotinho deitado ao seu colo. A luz do telão realçava o desenho impressionante de seu perfil. Um homem grande, jovem, de pele bem clara, cabelos castanhos em corte militar, levemente úmidos e arrepiados. A relação entre seu nariz e o queixo era o que tornava seu perfil tão magnético e majestoso. Projetavam-se ambos para a frente e, em menor escala, para o alto; em harmonia rara de proporções desafiadoras. Toda a ossatura de seu rosto refletia luz de forma a corroborar com essa fascinante arquitetura facial. A grande beleza exerce sobre mim, ao menos num primeiro momento, duas forças antagônicas muito claras e simétricas: encanto e timidez. Ele pouco olhava para mim, mas já ali notei algum interesse de sua parte. Encontrei-o mais tarde, cruzamo-nos num corredor, e me olhou com frieza. Segui-o ainda à sauna a vapor e foi igualmente distante: passei a ignorá-lo.

   Saí dali. Sabia que tinha outro cara bonitão presente e fui procurá-lo. Parecia tímido. Grandalhão, também jovem, loiro escuro, de barba, olhos verdes, corpo sólido, bronzeado - um tipo muito bonito e distinto. Estava na outra sauna, havia mais uns 5 caras perto, por isso me sentei de frente pra ele, na bancada oposta. A distância e o vapor em meus olhos dificultavam a visão. Eu o olhava fixamente - sou bom fisionomista e em pouco tempo, pela silhueta, estava certo de que o encontrara. Ele me olhava também, com a cabeça inclinada. Vagou espaço ao seu lado e, ainda inseguro, fui. Esboçou um aceno com a cabeça, mas vieram sentar perto e ele levantou. Fomos nos apresentar no hall de entrada da sauna..

   -Tudo bem?

   -Tudo certo. Como é seu nome?

   -Yuri e o seu?

   -John. Prazer. Primeira vez que vem aqui?

   -Não, já conhecia. E você?

   -Primeira. Você é daqui mesmo?

   -Sou sim. Você é de onde?

   -Do Rio.

   -Passeando?

   -É. Escuta, como funciona aqui?

   -O que?

   -Não tem um lugar onde a gente possa ficar mais à vontade?

   -Tem... vem aqui.

   Eu pensei em levá-lo à salinha de leitura ali perto, mas ele queria um lugar ainda mais privativo. Entramos na sala do saco de pancadas. Toquei seu peito musculoso, em que distinguiam-se pelos e algumas sardas.

   -Quantos anos você tem? - perguntei.

   -28 e você?

   -38, faço em março.

   -Sério? Não parece que você tem 10 anos a mais que eu...

   Parecia preocupado com o ambiente:

   -Mas não tem um lugar mais tranquilo aqui, onde não passe gente? - ele tinha uma voz suave e grave, com pouco sotaque carioca. Educadíssimo, gentil em todas as atitudes, "moço de família".

   -Tem os quartos, quer rachar um? - eu não tinha ideia do preço de um quarto ali, mas achei que ele valia a pena.

   -Mas tem que pagar? Não tem um lugar assim, mais escuro?

   -Lá em cima tem umas cabines...

   -Cabines, como?

   -É tipo um banheiro - informei, meio sem jeito. Devia ser a primeira vez na vida que ele entrava numa sauna gay. Pensei que ele pudesse achar tudo muito "baixo" ou desconfortável.

   -Ah, então vamos lá! - disse vivamente. Pareceu simpatizar muito com a ideia.

   Subimos. Já na cabine, pendurei a toalha na porta. Ele estava sem saber por onde começar. Tirou a toalha também e me apalpou:

   -Porra, seu pau é grosso, cara!

   Tudo nele me dava a impressão de alguém numa nova experiencia, se desafiando - e isso me excita muito. Seu sorriso era lindo e doce; seu olhar, curioso:

   -Você curte o que? - quis saber.

   -Geralmente sou ativo, e você?

   -Só fui passivo uma vez na vida. Mas seu pau é muito grande.

   Meu pau não é nada descomunal. Sentou no vaso sanitário e me chupou com delicadeza, por um longo tempo. Eu tinha a impressão de que ele queria me fazer gozar, e a ideia de ejacular na sua barba era tentadora. Eu o ergui, nos beijamos e abaixei para chupá-lo também. Era um pau comum, em comprimento, forma, calibre. De seu púbis exalava um odor quase desagradável, porém muito sutil. Ele estava o tempo todo para gozar: segurava minha cabeça e pedia para esperar. Voltou a me chupar, sentado no vaso como antes. Lambeu meu saco e o períneo. Ia descendo em direção ao ânus e eu levantei a perna direita, apoiando o pé na parede do fundo da cabine (eu estava encostado na porta). Lambia com delicadeza mas boa pressão. Passou minha perna direita sobre sua cabeça e virou meu corpo, com a bunda pra ele. Abria minhas nádegas e lambia com intensidade. Sua barba macia fazia uma fricção gostosa na minha pele. Abri a bunda para ajudá-lo, e quando tirei as mãos, puxou-as para trás e as posicionou como antes. Estava concentrado:

   -Fica assim! Puta tesão, cara!

   Eu já pensava em fazer o mesmo com ele. Comecei pelo pau e quando ele ameaçou gozar, virei seu corpo de costas para mim. Era um corpo grande, forte. Bonito, mas normal, não do tipo "sarado". Tinha pelos alourados pelas nádegas e mais concentrados no rego. A pele avermelhada, corada de sol, destacava a marca de sunga, branquinha, branquinha. A pele clara e macia da bunda ia ficando mais escura quanto se aproximasse do ânus. Por trás, estava bastante limpo e sem odores estranhos. Quando eu enfiava a língua, ele puxava minha cabeça contra si e gemia. Me demorei bastante. Passei meu pau entre suas nádegas e perguntei:

   -Quer tentar?

   -Não rola, cara. Eu não aguento.

   -Tenho camisinha aqui, lubrifico, faço bem devagar, sem forçar. Se você pedir, eu paro.

   Ele virou-se, rindo.

   -Eu até queria, mas hoje não dá.

   Nos beijamos. Perguntei se ele queria gozar.

   -Quero.

   -Quer gozar na minha boca?

   -Você deixa?

   Abaixei para chupá-lo mais. Eu não sei direito por que fiz a proposta, não estava com vontade. Mas foi assim, rápido. Cuspi o esperma no vaso e ele riu. Não lembro como nos despedimos. Tomei um banho, escovei os dentes e desci.

   O gringo andava pra todo lado procurando alguém. Parecia fazer um esforço pra não olhar pra mim. Mas rondava, parecendo tentado a me cumprimentar e sem saber como. Quase sempre homens muito bonitos têm este comportamento pueril: fingem-se aéreos, desligados, querem ser bajulados, conquistados com esforço e mérito. Passava perto, às vezes parecia decidido a me abordar, vinha em minha direção, todo seu corpo dirigido a mim, mas desistia. Pode ser medo de levar um "não"? Pode - e eu tenho uma semblante fechado, sério. Mas... para um homem lindo (e ele era lindo, inabalavelmente lindo), com todos os "sins" iminentes, disponíveis... parece mais capricho, um jogo preestabelecido que não me interessa aprender.

   Gosto de relações diretas: Tô a fim de você, então te olho diretamente pra que você perceba isso e se decida/Não tô a fim de você, então evito te olhar e não correspondo aos seus olhares, pra que você se toque e me dê paz. Talvez por timidez eu evite ao máximo esses jogos de sedução; ou talvez eu não tenha imaginação, e perca por isso grandes emoções... Mas duvido. Decidi continuar na minha estratégia reservada. Claro que já tinha uma renca atrás dele, mas quase nenhum que ele pudesse preferir a mim. Um deles era interessante até, corpão, bom tipo, mas não bonito de rosto. Tinha acabado de entrar na sauna e ficava nos rondando, afoito e indeciso entre mim e o gringo. Naturalmente mais propenso a ele, mas eu seria um step honesto. E quanto mais "distraído" da beleza do gringo eu forjava estar, mais simpático este se mostrava a mim.

   Fui encontrá-lo na pequena sala de vídeo do andar superior iluminado, perto dos banheiros. Ele estava sentado de lado, quase de costas para a porta e me viu pelo canto do olho, notei. Tenho certeza de que esperava que eu me sentasse ali perto e eu estava prestes a ir. O outro cara, o que nos perseguia, se aproximou também e eu recuei. O gringo levantou um pouco irritado, mas ao passar por mim, fez um cumprimento inseguro, quase tímido, com um breve sorriso. Eu tremi na base! Os longos cílios de seus olhos verde-uva; a boca tensa e vermelha; os vestígios da barba recém raspada em seu queixo; os dentes, seu porte, suas cores e texturas. Tanta beleza pros meus olhos e visivelmente sem jeito por minha causa... Ou por causa do meu falso desdém... Entrou na sauna no fim do corredor e eu corri atrás. Sem a menor possibilidade de dignidade e compostura, de chinelos e toalha na cintura, corri. Empurrei a porta e ele já vinha saindo. Nos olhamos nos olhos por um fração de segundos e eu, sem saber o que fazer, entrei. Ele também. Entrou de volta, atrás de mim - e por minha causa, pensei. Senti-me lisonjeado e aflito. Sentei na bancada azulejada de branco, e ele a um metro de mim, perto da porta. Havia mais gente ali dentro, na bancada oposta à nossa. Eu o olhava insistentemente e ele fixava os olhos no teto. Seria possível que fosse tímido assim? Nada em seus modos e postura o confirmava. Só com muita insistência veio a lançar olhares furtivos pro meu lado. Era hora de agir. Sentei ao seu lado. Ele não conseguia me encarar ainda, mas alisou desajeitadamente a minha coxa. Eu o toquei. Também muito sem jeito. Não sabia como lidar com ele e bateu uma insegurança atroz. Minhas mãos no seu peito me pareceram as do garotinho que eu havia visto deitado ao seu colo e que me pareceram tão inexperientes. A posição dos nossos corpos, sentados lado a lado, contribuía para essa impressão de algo desconexo, atravancado. Seu rosto tão de perto, seus lábios ao alcance dos meus, parecia um sonho. Pensei que com a boca eu não decepcionaria. Nos beijamos. Era como beijar um príncipe encantado de conto de fadas. Mas acontece que eu morro de tesão em príncipe encantado. E eu já estava pendurado no pescoço cara, totalmente envolvido pelo beijo, quando subitamente empurrou meu peito, até com certa força, e voltou a encostar na parede e olhar pro teto, como se nada tivesse acontecido. Não sei descrever meu estado de confusão naquele momento. Não sabia pra onde olhar, o que fazer ou pensar. Rejeitado bruscamente, sem explicação. Levantei. Muito mais para evitar que ele se fosse antes de mim, que por vontade própria. Minha autoestima ficaria minimamente vingada. Mas ao notar que eu ia levantar, ergueu-se junto, num reflexo. Saí na frente e entrei embaixo do chuveiro bem na porta da sauna. Magoado, num estado de fragilização que me surpreendia. Era um completo estranho, afinal. Ele ligou a ducha imediatamente ao lado da minha. Custei a encará-lo, mas notei a tatuagem na lateral da bunda: um pequeno cupido muito bem desenhado. E notei ainda que seu pau estava completamente ereto e que me olhava. Me apavorou a ideia de que meus olhos denunciassem meus sentimentos. Esfriei a ducha completamente e enfiei a cabeça de baixo dela. Funcionou como eu esperava: dei uma sacudida, como um resfriamento interno. Só então pude encará-lo mais tranquilamente. Ele agia com naturalidade, me olhava e olhava muito para a parede também. Tinha um sorriso sutil nos lábios:

   -Do you speak english?

   -Yes... Where are you from?

   -U.S.A., Massachusetts.

   -Ok.

   -And you?

   -I live near here. What's your name?

   -Jason, and yours?

   -Yuri.

   Eu encostei na parede para observá-lo enquanto se enxugava, ainda abismado com sua incomum beleza, seu porte, uma espécie de "aura" terrivelmente sedutora. Com certeza minha cara era de paspalho:

   -What?! - intimou.

   -Man, you're incredibly handsome!

   -Thanks! you too - disse, num sorriso vaidoso.

   -Come here.

   -Where? - perguntou no caminho.

   Escolhi uma cabine do banheiro e a indiquei com a cabeça. Ele pareceu surpreso, como se fosse uma ideia superoriginal:

   -This, I've never done before.

   Fechei a porta. Agora ele era meu. Por alguns momentos ao menos. Um pequeno vitrô trazia ainda para dentro da cabine um pouco de luz solar. Seu rosto, sob essa luz, faiscava encanto e saúde. Não perguntei sua idade, mas devia ter seus 26 anos apenas. Bastante masculino na atitude, voz grave. Ali reparei que era só um pouco mais alto que eu (aparentava, por sua compleição física, ser muito mais). Ombros e costas largos; quadris estreitos; bundinha empinada, pequena; pernas longas e fortes; poucos pelos - quase nenhum no tronco. Ainda me causavam forte impressão os traços do seu rosto, a pele de louça e sobretudo o queixo e o nariz. O queixo de perfil arredondava-se numa projeção admiravelmente masculina e atrevida; o nariz, elegantíssimo, alongado, de dorso levemente côncavo: parecia uma figura dum retrato pintado em outros tempos. Segurei seu queixo de perfil para olhá-lo melhor. Ele parecia se divertir com o modo como eu o estudava milimetricamente. Me beijou a boca. Ele era muito masculino nas maneiras e eu queria saber o que ele toparia. Enquanto nos beijávamos, explorei sua bunda tranquilamente com as mãos. Gosto de beijos que começam intensos e depois podem-se alternar as dinâmicas. Para minha surpresa, ele me interrompeu outra vez. Agora com a explicação:

   -Less tongue!

   Realmente, eu adoro vasculhar a boca alheia com minha língua. Adoro! Muita gente gosta dissso em meu beijo, mas ele se incomodou; me informou e eu me adaptei. Prático, very american. Era gostoso beijá-lo calmamente também. Seus olhos tinham um quê de frieza. Me contou que tinha vindo para o réveillon no Rio e, resumindo a missa, pra galinhar "with you, guys".

   O pau era bem clarinho, rosado, mais pra fino, não muito grande também. Bonitinho, macio. Eu o chupei mas foi se tornando uma ação mecânica. Já percebia que o meu pau estava perdendo a ereção e eu não estava mais tão excitado - provavelmente por insegurança, pois ele não me deixava muito à vontade. Pedi que se virasse de costas. A bunda era tudo que se pode sonhar. Pequena, branca, lisa, macia, firme. O buraquinho era minúsculo, cor-de-rosa vivo, rodeado de parcos e finíssimos pelos acastanhados. Se pudesse admirá-lo a contento, antes que ele se impacientasse, teria me detido por longos minutos. Ao lambê-lo, retomei o estado de excitação inicial. Talvez por estar longe de seus olhos que me intimidavam. E a visão de seu corpo viril naquela posição vulnerável era perturbadora. Empurrava minha cabeça com a bunda, me fazendo encostar na parede. Arcando o corpo ele alcançou meu pau e me chupou. Não sei quanto tempo durou esta ação, eu estava em êxtase, e só parei por não suportar a tensão das minhas coxas, quase em câimbras.

   -Let me fuck you?

   -No, not today.

   -Please, I've got a condon here.

   É, ninguém queria dar pra mim naquela sexta-feira 13....

   Nos beijamos e ele me chupou mais. Pude ver seu rosto cinematográfico engolir meu pau. Desde antes de nos aproximarmos, eu notei que ele olhava o relógio constantemente:

   -I've gotta leave soon...

   -When?

   -About 15 minutes.

   -Do you wanna cum? Cum in my mouth.

   -Do you want it?, ele parecia surpreso.

   A mesma velha história. Falta de imaginação minha. E desapego, visto que não era meu desejo consciente em nenhum dos dois casos. Talvez por perceber que nenhuma das duas transas terminaria em penetração, eu quis coroa-las ambas com algo "memorável". Voltei a chupá-lo e inseri um dedo em seu ânus. Ele se masturbava, dizendo algumas frases levemente vulgares, que chegaram a me deixar um pouco encabulado. Pus dois dedos dentro dele e fazia movimentos contínuos e lentos. Ele suava, tinha o rosto avermelhado. Gozou. Tinha a consistência de um gel fluido, meio pegajoso. Além da boca, atingiu meu rosto e o peito. Fiquei enjoado e cuspi. Ele riu comentando o quanto eu estava lambuzado. Percebi que sentia uma certa aversão pelo próprio sêmen e partiu friamente, deixando apenas um tapinha seco no meu ombro. Sequei-me com papel e depois pedi ao atendente uma nova escova de dentes e outro envelope de creme dental.

   Sentei para descansar um pouco, devia ser por volta das 19h. O enjoo passou completamente, visto que pedi uma torta de frango na lanchonete. Um cara passou por mim, direto pro lado escuro. O tinha visto apenas de perfil e me pareceu bonitão e familiar: aproximadamente 40 anos, corpo de nadador - alto, longilíneo, de costas largas, bem definido, sem pelos. Escovei os dentes de novo e subi atrás dele, sem pensar muito. O andar escuro estava completamente apagado nessa noite. Parei diante do vídeo, encostado na parede. Em dois minutos ele estava ao meu lado. Realmente era um homem atraente, pode-se dizer bonito: rosto largo, quadrado, queixo bem feito, sobrancelhas grossas. Foi um momento estranho aquele primeiro em que nos olhamos sob a luz vaporosa do televisor. Persistia a ideia de já tê-lo visto antes, mas não era o que me importava agora. Houve uma troca real e funda em nossos olhares. Eu não o olhava ou me deixava olhar simplesmente - era outro lance. Havia calma, embora me sentisse atraído. Como se meu olhar fosse tão fundo que o ultrapassasse. Posso dizer que funcionava quase como olhar num espelho que refletisse, não minha aparência física, mas a vida como um todo, e o mundo e a humanidade - com toda a contradição, miséria e beleza contida nesses valores. Mas era um momento sereno, um troço pequeno que percebi (ou que teria criado?) e em que me permiti embarcar. Nos tocamos com suavidade e, a despeito da transcendência de segundos antes, não deixei de ponderar sobre seu hálito, apenas aceitável. Houve o beijo e ele me convidou pra irmos para um quarto. Chama Felipe. No caminho eu comentei como ele me parecia familiar, ele disse sentir a mesma coisa.

   No quarto, nossa interação foi bastante intensa. Estava muito abafado lá dentro, até que eu encontrasse o ventilador. Nos excitamos de todas as formas possíveis, exceto penetração. Pedi que ele se virasse na cama e o lambi com muito tesão. Tem uma bunda fantástica, pequena, muito máscula. Perguntei:

   -Você gosta de dar?

   -Hum... não. Mas estava quase reconsiderando essa possibilidade. A sua língua é uma loucura!

   -Quer tentar?

   Não houve acordo. Ainda pedi que ele ficasse de quatro na cama (precisava ver aquela bunda de quatro), brincamos bastante, mas não rolou. Gozamos nos masturbando, eu por cima dele, sentado sobre suas coxas. Ele gozou primeiro e depois eu - na sua barriga, no peito, na cama. Eu custo a gozar mas quando vem, é pra valer. Deitamos lado a lado na cama estreita. Conversamos por mais de uma hora. Falamos do quarto, descobri que é barato pra alugar, cobrado por hora de utilização. Eu estava com dor de cabeça, provavelmente resquício da gripe. Reafirmei que o conhecia, mas não lembrava de onde e ele disse que já tínhamos nos visto ali mesmo.

    -Será possível que eu não lembre de você daqui?

   Ele tem 41 anos, paulistano. Abandonou há seis meses a antiga profissão, bastante tradicional e estressante, por um emprego numa importante e problemática instituição cultural da cidade. Me pareceu muito boa pessoa, simpático, calmo, delicado. É bonito mas, apesar de nosso sexo ter sido ótimo, não tem sex appeal muito evidente. Ele tinha um jantar marcado (pelo que entendi com um cara). Tomamos banho juntos e ele foi se vestir. Pediu o número do meu celular e, não sei porque, pensou que eu tinha de sair da sauna junto com ele. Não saí. Disse que ia esperar a dor de cabeça melhorar. Ainda tinha fôlego pra mais sexo. Fui olhar a sauna, tinha ficado fechado no quarto por muito tempo. Só um cara interessante: alto, cabeça raspada, rosto muito bonito, olhos bem azuis, argola na orelha, corpão sarado, todo tatuado. Fiquei bem curioso mas ele partiu logo em seguida. Eu tinha uma viagem e saí logo também. Na noite seguinte o Felipe me mandou uma mensagem no celular pra que eu ficasse com seu numero e avisasse quando estivesse de volta a SP. Me deu um estalo de que ele poderia ser um dos caras que encontrei no dia descrito no primeiro post do blog, um que tinha olhar carente e mau hálito. "Como lhe dar"?

domingo, 1 de janeiro de 2012

Palco de Boate


   Apesar de haver na cidade uma nova sauna de aparente bom nível que ainda não conheço - Splash 720 -, voltei à For Friends na última quarta. Me pergunto por que a FF não abre 24h? E por que fazerem uma sauna 24h tão fora de mão, nas proximidades da The Week?

   Tempo de ferias: achei que estaria um cemitério, mas até que estava bem movimentado. Ninguém absolutamente lindo, mas eu estava cheio de tesão. No dia anterior havia me masturbado 5 vezes - precisava de sexo com urgência.

   Entrei por volta das 15h. Enquanto tirava minha roupa, um garoto veio mexer no armário do lado do meu. Já o tinha visto ali outras vezes - pele clara corada de sol, rosto bonito, olhos verdes, estatura mediana, tipo mignon. Dois senões: uma barriguinha proeminente e excesso de pelos no tórax (ele não deve sequer imaginar como ficaria melhor se os trouxesse aparados). E ainda um outro senão: coxinha elevado à enésima potencia - parecia o tipo mais certinho, careta, até bobinho, de homem. O armário dele era bem próximo do meu, só que no alto. Eu estava sentado num banco ajeitando minhas coisas. Ele veio olhar o celular e seus pé invadiram meu campo de visão. Bem tratados e belos; bastante masculinos, apesar de delicados. Ele me olhava de soslaio. Barba bem feita, cabelos penteados para trás. Suas feições elegantes me remetem aos anos 50. Subiu as escadas; eu também. Estou com medo dos últimos degraus, tem algum problema no madeiramento, recoberto por borracha.

   Fui ao banheiro, depois escovei os dentes e tomei um banho. Enquanto me banhava, o garoto passou algumas vezes por ali, me olhando. Uma ereção exibicionista me deixou um pouco encabulado. O ambiente parecia bastante tranquilo naquela tarde. Sequei-me e fui à sala de vídeo daquele mesmo andar. Deitei no sofá e fiquei assistindo sozinho a uma cena de orgia, com alguns atores muito gostosos. Vez ou outra entrava alguém na sala - um senhor veio inclusive sentar no mesmo sofá em que eu estava. Ignorei-os até que aquele primeiro rapaz viesse. Não custou a vir e sentar ao meu lado. Nem a estarmos nos masturbando, esparramados no sofá. Nem a nos beijarmos. O nome dele é Alberto, tinha o olhar doce e bondoso, beijo agradável e usava um perfume delicioso. O rosto, visto de perto, era ainda mais bonito. Não era feminino, mas desprovido de vigor, virilidade ou apelo sexual. Estava quase arrependido. Felizmente foi breve:

   -Eu tenho voo marcado pra hoje.

   -Vai pra onde?

   -Natal.

   -Você é de lá?

   -Não, daqui mesmo. Ferias.

   -Legal.

   -Não tenho mais tempo. Queria tanto ficar mais com você. Muito mesmo.

   -Eu também queria... Que pena... Mas boa viagem!

   Eu já estava bem mais interessado num cara que estava parado na porta, olhando fixamente pro meu pau. Tipo de estrangeiro, cabelos curtos de um loiro avermelhado, branquinho, sem um pelo no corpo de boas formas, com um interessante grafismo negro tatuado no braço direito. Rosto atraente: olhos azuis muito claros, sobrancelhas bem desenhadas; nariz pequeno, de traço reto, seco; lábios delicados -nem grossos, nem finos- cor de rosa pálido; queixo quadrado com uma grande buraco encavado no centro, coberto de curtíssimos pelos avermelhados. Sua clareza - de pele, olhos e cabelos - imprimiria uma ideia de suavidade excessiva, e o tornaria apagado não tivesse traços bonitos, corpo másculo e a tatuagem. Tinha um olhar esperto, expressivo. E desapareceu! Quando dei por mim já não estava mais na porta. Resolvi dar uma caminhada pela sauna. Tinha alguns caras interessantes, mas o gringo tatuado era quem mais me chamava a atenção. Fui encontrá-lo na parte mais escura da casa, no sofá da outra sala de vídeo. Passei por ele, nos olhamos. Subi ao primeiro andar, certo de que ele viria atrás. Não veio. Fiquei desapontado - nesse tipo de situação, tendo a me julgar irresistível. Quando se está disponível dessa forma, num lugar repleto de homens nus sedentos por sexo e atenção, à vista e ao alcance de todos, e o próprio corpo e sexo parecem ser tudo o que se tem a oferecer, a tendencia natural é precisar sentir-se irresistível.

   Desci e agora ele estava sozinho na sala, ainda sentado. Parei perto e bastou um olhar para estarmos lado a lado no sofá. A luz do telão desenhava sua pele em movimentos ligeiros e interruptos. Abri minha toalha e ele me chupou. Eu imaginava se era mesmo estrangeiro e que língua falaria. Sua pele toda deslizava acetinada, suave, fresca, mas o beijo era canhestro. Não posso compreender como um homem daquele tamanho pode supor que beijar seja estatelar a boca e estirar a língua. Esse era seu beijo: boca aberta e língua em riste. Tentei manobrar seu beijo, adequá-lo ao meu. Juro que cogitei a ideia de explicar como se beija. Pretensão minha? Ele merecia aprender. Seus parceiros futuros mereciam. Iam-se aglomerando homens a nossa volta; mantinham uma certa distância, felizmente. A maioria ficava atrás duma grade, menos de dois metros atrás do sofá onde estávamos. Não me sinto à vontade fazendo sexo em público. Melhor dizendo: não me sinto particularmente excitado com essa situação. Me incomoda, mas, caso não haja tanta proximidade e gente não autorizada pegando em mim, não impossibilita. Ficamos ali uns 20 minutos, nos beijamos muito (apesar dos pesares), fizemos sexo oral - uma pegação nervosa! O pau dele era muito bonito, grande, uncut; as bolas grandes num saco macio, de pele fina e solta. Todo ele muito branco. Ergui suas pernas e lambi a bunda. Ao contrário do que fazia com a boca, deixava o buraquinho apertado o tempo todo. Fiquei em pé diante do sofá e ele me chupou de novo. Senti-me um pouco intimidado de estar ali, como num palco de boate, com uma platéia até que bem numerosa - devia haver entre dez a quinze caras formando um semi círculo atrás do sofá - num show de sexo explícito. Acredito que o gringo nem tinha ideia dessa platéia. Eu estava encabulado mas excitado também. Ou ingenuamente orgulhoso do interesse que nossa transa e nossos corpos despertavam.

   Eu já não tinha certeza se o cara era estrangeiro, e não havíamos trocado palavra alguma até agora!

   -Vamos lá pra cima?, convidei.

   Não entendi sua resposta, mas ele começou a calçar o chinelo. Subi, ali para a parte escura mesmo, e ele me seguiu. Dirigi-me à última sala, vazia, que tem uma cama oculta por uma parede.

   -Qual seu nome?

   -Sorry, I can't speak Portuguese... - balbuciou, sem jeito.

   -I asked what's your name...

   -Alex, and yours?

   -Yuri. Where are you from?

   -Russia.

   -Nice... come here.

   (Traduzindo a ideia do diálogo, descobri que ele se chama Alex e é Russo)

   Nos beijamos em pé. Em poucos minutos já havia muita gente a nossa volta, provavelmente parte do mesmo grupo que nos assistia no piso inferior. Eu não estava com vontade de levá-lo ao banheiro, queria tê-lo ali, na cama. Estendi minha toalha nela e sem que combinássemos, ele ficou do jeito que eu imaginei: de quatro. É uma cama estreita, de uns 50 cm de largura, encostada na parede. Ele estava atravessado na cama, com o corpo apoiado na parede. O sol iluminava suficientemente a saleta, duma luz calma, acinzentada, filtrada pela janela veneziana de alumínio. Posso dizer que foi emocionante vê-lo nessa posição. Ele continuava contraindo o ânus mas minha língua soube encontrar várias brechas para entrar, e forçou algumas vezes também. Ele se continha para não gritar quando isso acontecia, deixando escapar um gemido longo e grosso. Sentia sua pele arrepiar-se. Mantinha o pau empurrado para trás, na minha direção, e minha boca sempre voltava a ele. Abria seu cuzinho com os dedos e sorvia a maciez do esfíncter rosado. Lá pelas tantas, no exato momento em que abocanhei a cabeça do seu pau, recebi um jato de porra na boca. Fiquei surpreso, ainda queria penetrá-lo. Deixei que acabasse de gozar na minha boca. Pensei em engolir, minha boca estava cheia, e tinha um gosto bom, consistência fluida. Resolvi cuspir no chão. Ele levantou, me beijou:

   -Do you wanna cum?

   -Not here...

   -Not here!, ele sorriu, -Ok. Thanks, it was great!

   Com "not here" eu quis dizer que queria gozar, sim. E com ele; mas não ali, com os bisbilhoteiros em volta. Assim nos separamos. Fui tomar um banho e escovar os dentes de novo. Dei um tempo perto da entrada, queria ver quem chegava. De interessante só um jovem magrinho, de barba. Não era bonito, mas um tipo simpático. Investi algumas vezes e fui solenemente ignorado. Subi outra vez ao escuro. Tinha um cara bonito sentado num sofá, sendo chupado por outro cara. Sei que o conheço, mas não lembro quem é. Figura longilínea, de ombros largos, cabelos castanhos claros, rosto bonito. Mal dava atenção ao cara que o chupava, mas olhou pra mim sorrindo. Voltei ali mais tarde e ele estava só, no mesmo lugar. Passei por ele e entrei na última sala, a mesma em que estive com o russo. Quando voltei, o vi inclinado no sofá, me procurando. Passei direto. Ele veio atrás e sentou num sofá da outra sala, ainda me olhando. Sentei ao lado dele, que prontamente veio me chupar. Novamente houve aglomeração na sala.

   Desta vez porém, alguém veio mais perto, do meu lado (lado oposto ao que o rapaz estava sentado), e me encarava. Já o tinha visto antes também. É um coroa, não sei calcular sua idade: muito forte, provavelmente por uso de anabolizantes, mas de aparência distinta. Corpo largo e muito bonito. Tatuagens no braço e do lado do tronco. Rosto muito bem conservado e agradável, transparecia dignidade. O rapaz que me chupava, parou, ficou sentado, talvez avaliando quem estava na sala. O coroa entreabriu a toalha e exibiu seu pau, masturbando-se em pé, a um palmo de mim. Eu puxei o rapaz, oferecendo os dois paus. Ele não titubeou. Daquele ângulo, eu não conseguia vê-lo em ação. Um tempo mais e voltou a chupar meu pau apenas. Masturbei o coroa: pau avantajado, glande graúda, vermelha, como uma ameixa. O rapaz voltou a chupar os dois ao mesmo tempo. Era uma boa sensação, me desliguei da turba em volta. Alcancei as duas bundas, cada uma numa das mãos. Quando tateei os dois buraquinhos, o coroa desviou minha mão. Concentrei-me na bundinha do rapaz. Ele parecia limpo, mas eu estava receoso ainda. Fui chegando com o corpo pro seu lado, meu dedo já penetrava seu ânus. Mais de perto, pude ter certeza de que ele estava bastante limpo. Eu estava com o rosto próximo da sua bunda, mordiscando sua lombar, meu polegar seco inserido desconfortavelmente em seu ânus, e ele e o coroa dividiam-se chupando meu pau. Eu tentava massagear sua próstata, mas não sei direito como reconhecê-la. De repente levantou-se num salto e começou a ejacular desesperadamente. Os jatos saíam longos e fartos. O coroa levantou-se e saiu. O rapaz sentou do meu lado, com aparência cansada, relaxando, olhos fechados, cabeça no meu ombro:

   -Cara, que tesão! Não aguentei.

   Geralmente eu custo muito a gozar e isso pode ser um transtorno quando se faz sexo com homens - quase sempre rapidinhos. Talvez uma mulher pudesse se valer dessa minha capacidade. Talvez uma mulher soubesse valorizar muitas coisas que passam despercebidas para a maioria dos homens. Talvez não; provavelmente eu nunca venha a descobrir.

   Mais um banho. Eu não sabia se me masturbava sozinho e ia embora pra casa. Atravessava um corredor quando ouvi por trás de mim uma voz familiar:

   -Ai, como eu estou magro!

   Era o Roger, um velho amigo de saunas. Já ficamos algumas vezes. Várias vezes. Ele era muito bonitão, embarangou, agora voltou a emagrecer e malhar, e está bem de novo. Mais velho, mas bem. É muito gente boa, mas meio pegajoso. Acha que eu tenho que conversar horas com ele, que eu tenho que ficar com ele, que eu tenho que dar pra ele. Ele é estritamente ativo e sequer chupa sem camisinha. Ainda é fumante e tem um pau grande que eu jamais suportaria. Enfim, não rola. Conversamos rapidamente, ele queria informações sobre quem estava na sauna que eu já havia testado. Voltou a comentar que eu emagreci, parecia querer elogios.

   -É, dei uma enxugada nos últimos meses. Você também!

   -E estou ficando mais forte, ó!, fez uma pose de halterofilista.

   Rimos. Estávamos no corredor de entrada da sauna. Ele foi fumar lá no fundo e um dos atendentes da sauna veio falar comigo, esbaforido:

   -O senhor fala inglês?

   -Sim.

   -Logo vi. Pode ajudar aqui?

   -O que é?

   -A gente não entende o que o cliente quer...

   Era o Alex, já vestido para ir embora. Ergueu os braços para os céus, rindo aliviado, quando me viu. Tinha um cartão do hotel em que estava hospedado e queria apenas um táxi que o levasse até lá. A recepcionista estava ali no meio do vestiário, pensava que o cartão (escrito em português, diga-se) era dum ponto de táxi muito distante que ele queria chamar. Eu me senti ridículo, seminu, com uma toalha na cintura, falando com 3 pessoas vestidas (dentre elas, uma senhora). Enquanto ela providenciava o táxi, conversamos mais um pouco. Tem 30 anos, vinha de Londres e seu destino era o Rio, para o Réveillon, onde seus amigos o aguardavam. Seu voo tinha conexão em SP e ele teve de dormir uma noite aqui. Partiria naquela noite pra o Rio. Falou sobre a dificuldade de encontrar quem se comunicasse em inglês no Brasil e imaginava que no Rio fosse ainda pior. Eu disse que pela quantidade de turistas que visitam a cidade, provavelmente seria mais fácil, mas não sei como funciona na realidade. Tem um inglês perfeito, com um bonito e discreto sotaque. Perguntou sobre a The Week, pediu dicas para uma noite de sexta feira que passariam em SP na próxima semana. Disse que gostou de me encontrar naquela tarde:

   -You're horny, disse acarinhando meu rosto.

   Eu estava pensando na possibilidade de ele me convidar a ir pro hotel com ele, ainda sonhava em foder aquela bundinha. Chegou o táxi e ele se foi.

   Entrei na sauna seca. Só o coroa tatuado estava lá dentro, sentado de frente para a porta. Entrei e fiquei ali, ao seu lado. Bastou nos olharmos para ambos termos os paus duros. Nos beijamos e, subindo um degrau na bancada de madeira em que ele sentava, ofereci meu pau pra ele chupar. Aquela sauna é muito quente, em poucos minutos estou derretendo.

   -Vamos subir?, ele sugeriu.

   -Vamos. Mas antes, vem aqui.

   Tomamos uma ducha fresca juntos, ele me virou para a parede e me encochou suavemente. Fiquei encabulado mais uma vez.

   Subimos e entramos numa cabine do banheiro. Geralmente evito caras mais velhos que eu, sempre preferi mais novos ou da minha idade. No claro ele era ainda mais atraente. E muito carinhoso. Estava com um hálito meio estranho, mas aceitável. Nos beijamos bastante, ele me chupou de novo. Eu quis chupá-lo também. Era um pau bonito, bom de chupar. Em poucos minutos, dois ou três, ele parou, com ar suspenso, sorrindo, não sem alguma raiva de si próprio:

   -Vou gozar.

   Me deu um banho de porra morna. Escorria pelo meu tronco, gotejou nos meus pés. Ainda voltei a chupa-lo. Achei que tivesse terminado, mas ele me levantou e abraçou:

   -Que pena... Me desculpe. Estava tão gostoso.

   Nos beijamos muito ainda, ficamos bastante tempo ali.

   -Quantos anos você tem?, perguntou.

   -37 e você?

   -Muitos. Você parece ser bem mais jovem.

   -Mas muitos, quantos?

   -Muitos.

   -Não vai falar?, eu ri, quase indignado.

   -Não gosto.

   -E seu nome?

   -João.

   Contou que era português, mas morava em SP há bastante tempo - o suficiente para perder quase totalmente o sotaque. Funcionário público estadual. Talvez aposentado, presumi.

   -Como você mantém a forma?, perguntou passando as mãos na minha bunda.

   -Academia. Meu trabalho também ajuda um pouco. E você?

   -Academia também.

   -MUUUITA academia, né?

   Ele riu. Eu estava curioso pra saber sua idade, mas respeitei essa vaidade boboca. Seu corpo me impressionava:

   -Gosto muito dos teus braços, destas veias grossas.

   -E eu gosto de te abraçar.

   Ele era um querido. Ambos fizemos sexo oral novamente, ele retomou a ereção. Pedi que ele se virasse de costas pra mim e ele se recusou.

   -Não gosto.

   -Só quero te olhar!

   -Não gosto!

   Que véio difícil!

   -Vamos tomar um banho?, ele disse.

   Acabou assim, cada um pro seu lado. Tinha chegado um carinha que parecia atraente: físico bonito, magro, definido, inteiro tatuado, cheio de piercings e alargadores: fetiches pra todos os gostos. Ficou no bar conversando com um gordinho a tarde toda. Também vi um cara que pareceu muito bonito à primeira vista, mas depois vi que não era. Ele me seguia por onde eu fosse. E ainda, sentado numa mesa, conversando com um japonês (bonitinho também) um carinha adorável. Ele falava espanhol e o sotaque parecia argentino. Falava pelos cotovelos, aliás, e com muita enfase, dessas pessoas que têm um enorme prazer em falar. Bem baixinho, corpo apenas OK, cara de menino, avermelhado de sol, com uma barbinha bem curta e enormes olhos claros com longos cílios. Era um rosto lindo e cativante. Sentei perto e não conseguia desgrudar os olhos dele, que não me viu sequer, tão exaltadamente conversava. Estava sentado do outro lado da sala o João, comendo um lanche - me olhava fixamente mas não entendi o que queria. Apenas o cumprimentei com um aceno de cabeça.

   -Com licença?

   Sentou do meu lado o cara que pensei que fosse bonito mas não era. Tem o tipo de homem de que gosto: claro, cabelos castanhos, boa altura etc. Mas não é bonito. Principalmente pelo corpo meio fora de forma e o queixo um pouco exagerado. No entanto, é simpático e um tipo de homem fino. Conversamos um pouco. Chama Rodolfo. Eu precisava gozar pra ir embora, não esperaria o papo do argentino com o japonês terminar. Ele perguntou por quê eu olhava tanto para aqueles dois. Não respondi. Comentei que a noite estava esfriando, ele concordou. A janela do jardim estava aberta e entrava um vento frio. O chamei pra subirmos.

   Entramos numa cabine. Foi um início meio frio, não fazia muito sentido para mim. Talvez nem pra ele. Ele tinha um toque muito reconfortante.

   -Nossa, que cabelo macio você tem!

    Realmente, parecia seda pura. Cabelos lisos, finos, abundantes, castanhos. Foi o cabelo e a pele macia que me despertaram o tesão. E sua forma de se entregar. Ele me lambia inteiro com intensidade, volúpia. Sua boca percorria meu corpo, morna, voraz. Pela nuca, axilas, peito, umbigo, virilha. Me chupou gostoso e lambeu minha bunda. Segurou meu pé direito e lambeu cada dedo, depois enfiou todos os dedos na boca. Ia passando a língua entre meus dedos. É uma sensação muito estranha, estranhamente excitante. Uma boca é um ambiente muito diverso do que estamos acostumados a sentir com nossos pés. Tinha um namorado que me fazia isso e me deixava louco - foi exatamente a mesma sensação. Ele tinha mamilos bastante incomuns: vermelhos, as auréolas pequenas e os bicos grandes, do tamanho de um grão de milho, ou até maiores. Só de olha-los, via-se o quanto eram sensíveis. Quando os lambia ele perdia o controle. O virei de costas e passei meu pau entre as nádegas. Botei no lugar e fui entrando, lentamente, sem proteção. Quando vi que rolava, tirei e pus a camisinha. Depois de um tempo dentro, ele começou a sentir dor, pediu pra esperar. Esperamos, olhos nos olhos. Voltei a foder com força, eu queria gozar dentro, mas ele não suportou tempo suficiente. Tirou e eu me masturbei até gozar. Ejaculei no azulejo branco; ele parecia fascinado, espiando de perto meu pau, sorrindo com olhar infantil. Perguntei se ele queria gozar também:

   -Agora não. Valeu.

   Eram 20h. Fui embora sem querer saber se a conversa do argentino havia enfim cessado.