quinta-feira, 5 de abril de 2012

Papai Noel e o Saco de Pancada


   Parece que os mais bonitos já não gostam de mim...
   Será que emagreci demais? Uma dor no ombro me tirou forçadamente da academia e minha massa muscular, também em razão de uma dieta alimentar, tem definhado nos últimos quatro meses: perdi 8 quilos, quase 4 cm em cada bíceps, e um pouco mais de 5 cm de peitoral. Mas no computo geral, me sinto bem: também perdi 8 cm na cintura!
   Estou ficando velho? No fim do mês completei 38 anos... Os quarenta chegando apavoram. Mais uma vez só tinha um único cara muuuito bonito na sauna e, outra vez, este não quis nada comigo. Não que eu tivesse insistido, acho que fiquei um pouco intimidado.
   O vi primeiro no jardim, área de fumantes, pouco depois de ter chegado à sauna. Nem cheguei a sair ao jardim nessa primeira vez, o vi apenas pelo vidro da porta do jardim, que o refletia ao sol, sentado numa poltrona, fumando elegantemente enquanto conversava. Garotão alto, corpo dourado de sol, musculatura definida no abdome, peitoral bem desenvolvido, cavanhaque aloirado, expressivos olhos verdes, boca vermelha, sorriso magnético. Trazia no rosto alguma coisa que me sugeria a criança que havia sido um dia. Tudo isso eu vi pela vidraça que o forte sol transformava quase num espelho. Não pude sair, não me sentia preparado para "enfrentar" tamanha beleza às três da tarde duma quinta-feira que já havia começado conturbada. Rodeei aquela porta, esperando que ele entrasse ou que uma súbita coragem me empurrasse pra fora. Só dentro da sauna seca fui vê-lo mais de perto. Parei logo ao lado da porta e ele estava na outra extremidade da sala, deitado na bancada - conversava ainda. Entendi do papo que ele trancou a faculdade e abandonou São Paulo por não aguentar o ritmo da cidade. Tentou o Rio e instalou-se numa cidade menor, entre SP, RJ e BH (quando entrei, ele já tinha dito o nome da cidade). O outro, mais maduro mas bem bonitão, morava em Belém - PA, e estava em SP participando duma feira. Fui ao dark. Já havia notado um rapaz andando pela sauna, que me abordava agora:
 
   -E aí.

   -Beleza?

   -O que manda?

   -Acabei de chegar. Está aí faz tempo?

   -Um tempinho já.

   -Prazer, Yuri.

   -Rodrigo.

   Eu sentei e ele ao meu lado. Tem 32 anos (disse que eu pareço mais novo que ele, no que concordo), é médico, mora em Higienópolis. Quis me beijar mas eu não estava com vontade ("minha boca tá machucada" - foi minha desculpa improvisada). Começou a me masturbar até que veio a fatídica pergunta:

   -Curte o que?

   -Sou só ativo. E você?

   -Também... (pausa) É, os dois ativos... acho que nem rola nada hoje, hein? Tô atrasadão já, tenho que estar no hospital em uma hora.

   Continuou me masturbando. Lambia o meu braço que envolvia seu pescoço e abocanhou meu dedão. Fui aproximando a mão do meu pau e ele me chupou. Gozou em fortes contrações.

   -Tesão, cara!

   Levantou e partiu friamente. Saí ao jardim e dei de cara com o garoto bonito. Continuava conversando e parou por um momento quando me viu. Eu também congelei, vidrado nos seus olhos, encabulado com a sua reação. Dei meia volta e deixei o jardim. Me dá uma imensa raiva de mim mesmo quando assumo esse papel de otário, de fraco! Fui sentar numa poltrona perto da jacuzzi. Alguns minutos depois ele passou por mim, entrou na sauna. Voltou rápido e entrou na jacuzzi, então vazia. Sem a toalha era ainda mais belo, uma perfeição de homem. Quando me preparava pra a aproximação, um velhote entrou na jacuzzi com ele. E mais outro, logo em seguida. O garoto desistiu da jacuzzi, foi à sauna a vapor e eu sentei ao seu lado. Tentei  estabelecer contato visual, mas não permitiu. Saí dali com a promessa de não voltar a tentar nada com ele. Vá lá: exceto se ele me procurasse.

   Apareceu um coroa que me pareceu interessante. Passou com uma long neck na mão, rumo ao dark. Cabeça completamente raspada, físico bom, alto. Não era bonito, mas tinha alguma coisa que me atraiu. Na boa: tinha uma bunda bem gostosa. Subi também e fui encontrá-lo encostado na janela de uma das salas escuras. Sentei num sofá e esperei. Olhava pra ele apenas. Aproximou-se e parou na minha frente. Nos tocamos. Pele sadia, cheirosa, limpa. Chupei seu pau e o virei de costas. Pedi que ficasse de quatro na cama e lambi a bunda que me havia despertado o desejo. Virou-se e perguntou, com voz decepcionante:

   -Quer dar pra mim?

   Era uma voz frágil, infantilizada. Apesar da minha negativa, pegou a camisinha que eu trazia e pôs no próprio pau, insinuando que eu me sentasse nele. Peguei minha toalha e desci, sem nem me despedir. No caminho de volta, topei com o Roger. Quase todas as vezes que vou à sauna, encontro com ele, mas sempre diz que não frequenta saunas regularmente. Uma vez, na 269, o vi entrando numa cabine com dois caras. Na semana seguinte ele me disse que nunca tinha ficado com dois caras ao mesmo tempo. Talvez ele me veja como um santinho inocente e fique sem jeito. Ele já tinha visto o cara bonito, que também o tinha esnobado, preferindo (segundo ele) um carinha gordo e feio. Eles passaram por nós, rumo ao vestiário:

   -Pô, você acha esse menino gordo e feio? - perguntei.

   -É, até que agora que você falou, não é mesmo... é bonitinho.

   Pediu que eu cheirasse o seu antebraço. Estava cheiroso realmente. "Agora sente como está macio". Minha expressão devia pairar entre o desânimo e a interrogação polida. "É óleo. Passei dentro da sauna, penetra na pele, fica uma delícia. Vamos lá, passamos um no outro". Fui. Nos massageamos com o tal óleo, cheguei a me excitar, mas com ele não rola nada. Não gosta de dar, não chupa. Não vou ficar chupando um cara que não retribui. Talvez seja bobagem minha, falta de espírito aventureiro, mas o óleo na pele me incomoda profundamente, passei o resto da noite tentando tirar seus resquícios do corpo. Imaginei alguém me tocando e sentindo minha pele engordurada, com aspecto de sujeira. Tentei me aproximar do garotinho bonito que o Roger tinha dito que era feio e gordo. Era baixinho, corpo apenas ok, mas o rosto era lindo, com uma barbinha rala. Também ficou cheio de rodeios e acabei desistindo.

   Apareceu um cara no corredor se insinuando. Não é absolutamente o tipo de que me atrai, mas dava bem pra encarar. Maurício, 26 anos, alto, moreno, forte, de características árabes, usava aparelho nos dentes. Detesto cara de aparelho. É tão broxante num adulto. E quase sempre causa um cheiro desagradável. Não era o caso, felizmente. Aproximou-se com naturalidade, muito direto - ponto pra ele. Me convidou para entrar com ele num dos quartos que haviam deixado aberto naquela noite. Aceitei. Ele ia fechando a porta quando parou um instante e falou alguma coisa com alguém do lado de fora. Pensei que fosse algum dos funcionários da sauna avisando que teríamos de pagar pra usar o quarto, mas ele fez um gesto, convidando para que entrassem. Entrou um sujeito estranhamente parecido com o próprio Maurício. Fiquei confuso:

   Seriam primos, irmãos? Gêmeos? Estavam juntos? Que porra era aquela?!

   Era apenas coincidência e provavelmente nem os dois tenham se apercebido da semelhança. O outro tinha uma barriga bem mais pronunciada, o que me desgostou imediatamente. Achei desagradável que ele tivesse convidado alguém sem me consultar. Quase pedi que ele pusesse o cara pra fora, mas ele já estava me chupando, o que sempre amolece meu coraçãozinho... O outro olhava e veio segurar a base do meu pau. Maurício puxou a toalha do seu sósia, revelando um belo cacete. Pôs a bunda no meu pau enquanto chupava o outro. Era bonito seu corpo naquela posição, uma bunda bem gostosa. Eu ia passando o pau e começou a entrar. Um pouco reticente, meti e comecei a foder, sem camisinha mesmo (minha camisinha tinha ficado com o careca otário que falava como criança). O sósia barrigudinho se manifestou:

   -Dá a minha camisinha pra ele, disse apontando suas coisas sobre a cama - a toalha, a chave do armário e o preservativo.

   Vesti a camisinha e o Maurício já estava deitado de costas na cama, chupando o pau do cara. Ergui suas pernas e meti. O peso de seu corpo afundava o colchão, dificultando o meu "trabalho". Abracei suas pernas e elevei-as até quase seu peito, ficando cara-a-cara. Ele me ofereceu o pau do cara, bateu com ele na minha boca. Tinha uma textura e forma deliciosas, e apesar de grande e grosso, encaixava na minha boca muito prazerosamente. O cheiro era muito bom também, excitante. Nenhum perfume (ou óleo pegajoso) jamais terá cheiro mais excitante que o de uma pele limpa. Claro que há diferenças de pele para pele, e nos sentimos atraídos pelo cheiro de uma pessoa e não de outra por vários motivos (muitos deles desconhecidos). O sósia barrigudo do Maurício tinha um cheiro que me fez gozar instantaneamente. Deixei os dois sozinhos e fui tomar um banho. Pedi ao atendente simpático mais camisinha e ele me deu dois envelopes.

   Voltei a procurar mais alguém e não via nada que me interessasse. Entrei na sala do saco de pancada, que estava vazia. Só o saco, pendurado no meio da sala. Quase sempre eu dou minhas pancadinhas nele e achei um momento muito oportuno aquele, em que eu estava um pouco irritado com a falta de homens bonitos na sauna. "Um soco bem forte! Quero balançar ao máximo esse saco com um único soco", eu pensei. Tomei posição, pensei no meu ombro machucado, respirei fundo e mandei ver: um soco perfeito - reto, rápido e potente - bem no centro do saco. No exato momento do soco, percebi alguém entrando por trás. Já seria suficientemente ridículo um homem de toalha e chinelos, numa sauna gay, treinando boxe. E se o saco voar com o soco e desmoronar no chão com um grande estrondo, deixando esse homem com olhos arregalados e cara de panaca? Havia um senhor barbudo, muito alto e gordo parado à porta. O sorriso escarnecedor era indisfarçável nos seus lábios. O saco jazia no fundo da sala, torto, debruçado nos pés duma mesinha de canto. O cabo de aço que o sustentava ainda balançava do teto. Fui olhar de perto e vi que já estava bem gasto, precisava ser trocado, o que me tranquilizou. Felizmente o Papai Noel já tinha partido quando me voltei. Mal saí da sala, um outro senhor veio me abordar com sotaque italiano. Pelo cabelo e cavanhaque completamente brancos, supõe-se ter bastante idade. Via-se pelo rosto que deve ter sido um belo homem. Segurou meu braço firmemente:

   -Posso ir lá em cima com você?

   -Dá licença? - eu disse apontando meu braço.

   -Vamos lá em cima comigo?

   -Não vou subir.

   -Por favor...

   Esse tipo de súplica me mortifica. Por pena, angústia e, sobretudo, raiva. Raiva não tanto dele, quanto da vida como ela é. Aquele homem tinha algo de trágico no olhos, algo de desesperador. Infelizmente eu estava muito ocupado procurando o enésimo corpinho descartável, para poder dar alguma atenção e conversar com o infeliz por alguns instantes. Penso muito no quanto quero morrer antes de envelhecer. Sei que não saberei lidar com a incapacidade de despertar desejo sexual. Não tenho ou terei filhos e netos; talvez sequer sobrinhos. Só o sexo poderia salvar minha vida se não puder continuar trabalhando até morrer. Oxalá eu tenha muito dinheiro pra pagar por belos garotões, pois as chances de morrer cedo são exíguas na minha família. Sei o quanto parece vácuo e pobre esse prenúncio que me faço. E sei como o futuro, coisa que não existe, sempre nos aparece achatado, empobrecido, justamente por não existir. E o mundo muda, e nós mudamos. Felizmente.

   Reencontrei o Maurício, e vinha cheio de amor pra dar:

   -Vamos lá para aquele quarto de novo?

   Eu topei. Sua ideia fixa agora era me comer, chegou a pôr a camisinha, mas expliquei que não queria.

   -Deita na cama então, vou sentar no seu pau.

   Pus a camisinha e ele sentou. Comandou tudo até que meu pau escapasse de dentro. Pedi:

   -Fica de quatro pra mim?

   -Quer de quatro, quer?

   Fodi até gozar.

   -Chega de me comer por hoje, garotão.

   Tinha ainda um cara com corpo muito bonito, rosto até interessante, porém com uma pele feia, bem marcada quando vista de perto. Me olhava e ficava de pau duro, mas virava a cara. Fico de saco cheio de gente assim, gosto de gente direta. Tomamos banho lado a lado, ambos de pau duro. Ele me examinava o corpo com atenção, mas nunca me olhava nos olhos. Disfarçava e olhava pro outro lado. Talvez quisesse esconder as marcas do rosto (o que não me ocorreu no momento). Na ducha do meu lado direito entrou outro cara. Na mesma hora em que o vi, sabia que já conhecia, mas estava em dúvida se era quem eu estava pensando. Um cara bonito que estava na sauna no dia 10/11/2011, quando apresentava um detestável bronzeado artificial, cabelos descoloridos, amarelados e um mau hálito tenebroso. Desta vez tinha um tom de pele bonito e natural, cabelos grisalhos e hálito normal. Também ficou de pau duro e, como eu o olhava maliciosamente, segurou meu pau e sorriu. Eu o convidei:

   -Tem um quarto aberto ali. Vamos lá?

   Ele apenas sorria, pensativo.

   -Chega aí! - insisti.

   Não faço o gênero cafageste, mas minha expressão e voz eram típicas nessa frase.

   O quarto estava uma bagunça, culpa minha e do Maurício. Tinha camisinha e seus envelopes, papel pra todo lado. Nos beijamos. Nem sombra daquela inhaca que me apavorou há mais de três meses. Seu nome é Mauro, gaúcho, 42 anos, arquiteto. Tem vindo a SP com frequência para acompanhar obras em Alphaville. Eu tinha certeza de que ele ia querer me comer. Da primeira vez me deixou a impressão de ser ativo. Trocamos sexo oral, ali em pé, perto da porta e fomos para a cama, pra um 69. Botei o cara de franguinho assado e pedi a camisinha que ele trazia presa no elástico da chave, no bíceps direito. Enquanto o comia, lambi seus bonitos pés.

   -Fica de quatro pra mim? - me repeti.

   -Quer me pegar de quatro? - quase refez a fala do Maurício.

   -Quero muito!

   Eu tinha pensado nele de quatro com os joelhos na cama, mas ele pôs os pés no chão e se debruçou sobre a cama. Conforme eu o fodia, a cada estocada, a cama deslizava no chão e fomos parar do outro lado do quarto, contra a parede. Ele gozou, gotejava no chão fartamente. Tirei o pau e a camisinha e nos abraçamos.

   -Fica comigo, quero gozar.

   Toquei uma punheta enquanto nos beijávamos. Tomamos banho conversando e trocamos celular. Pra quê, mesmo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários