domingo, 18 de dezembro de 2011

Napa Prateada


   Ir à sauna tem me contrariado. Há épocas em que fico assim e passo a evitá-la. É quase sempre uma relação ambígua: por um lado o desejo por sexo fácil e descompromissado, a fuga da eterna sucessão de frustrações a que se resume a vida, tempo livre, energia sexual contida, vontade de conhecer alguém interessante; pelo outro lado, o tédio inerente a toda relação superficial. Porque um belo corpo é inegavelmente um deleite. E vário belos corpos disponíveis podem representar deleites multiplicados, ou o perigo da repetição sem sentido, da massificação do prazer, da deserotização dos sentidos. Estou começando a me sentir envolvido por um cara: uma relação absolutamente platônica (mais uma). A gente se vê quase todo dia, mas até hoje só trocamos algumas palavras banais... (sim, sou desses). Apesar disso, ou até por isso, estive na FF na última quarta feira, dia 14/12/2011.

   Tinha vários garotos interessantes de tarde, mas cismei com um deles: aproximadamente 1,87m, forte (pode-se dizer até que um pouco acima do peso), pele branca, lisinha, cabelo escuro, rosto bonitinho, jeito de garoto bem criado. Nos esbarramos algumas vezes e eu não conseguia perceber se ele, sempre muito reservado, estava interessado. Tomamos banho lado a lado e fiquei de pau duro (era uma bundinha irresistível), mas agimos com naturalidade. Depois, quando subi ao lado escuro da casa, o reencontrei recostado na grade de segurança que acompanha o vão da escada. Parei perto, de frente para a escada, no arco de uma porta. Eu tentava perceber se podia me aproximar, quando um senhor, que minutos antes já tinha tentado me agarrar e levado um empurrão, meteu a mão no meu pau. Saí andando depressa e senti que forcei bastante seu braço, preso ao batente da porta. Apesar da raiva do momento, felizmente não o machuquei. Esta é uma das coisas que me deixam mal: alguém pra quem eu nunca olhei (e nunca olharia), com quem nunca falei ou esbocei um único sorriso de interesse, que já tinha sido rejeitado, se chega com tamanha folga, tocando meu corpo. Quem não têm educação, confunde tudo, pensa que só por estarmos num ambiente mais liberal, tudo é bagunça e todo mundo é de todo mundo. Mais triste ainda quando é um senhor, certamente com mais de sessenta anos. Fico terrificado com pessoas que passam uma vida sem conseguir compreender as mais básicas regras de convivência. Vi o garoto entrar numa das salas, a esta altura ainda iluminadas pela luz do sol que vazava pelas janelas. Encostou numa parede e pôs-se a observar alguns caras que se pegavam por ali. Gente horrorosa, aliás.

   Eu não me sentia seguro para chegar perto. Parei na porta desta sala, de olho nele, esperando um sinal. Ele me olhava sem expressão alguma. Outro cara segurou meu pau. Esse não era de se jogar fora, mas também um tipo insistente, que me repugna. Saí dali. O garoto também saiu. Fomos nos encontrar na sala dos fundos. A aproximação foi rápida. O nome dele é Bruno. Enquanto nos beijávamos, esse último cara que veio me tocar, parado do nosso lado, a um palmo de distancia, me incomodava. Convidei o carinha para vir comigo à primeira sala, que estava vazia. Sentamos num dos sofás e continuamos nos beijando. Ele me chupou ali mesmo. Alguns minutos depois já estava cheio de caras à nossa volta. Um deles foi chupar o Bruno. Ele deixou, olhou pra mim e sorriu, como se pedisse uma permissão. Consenti num sorriso e nos beijamos. O cara que já nos seguia desde a outra sala veio me chupar também. Logo eram três se revesando nos nossos paus. Eu me sentia todo babado. O de cabeça raspada que estava me chupando agora fez menção de sentar no meu pau, sem camisinha. Eu queria sair dali:

   -Vamos tomar um banho?

   Descemos para a parte clara, tomamos banho juntos de novo. Agora que eu estava acompanhado, um outro carinha que eu tinha tentado aproximação antes, mostrava interesse. Claro, é sempre assim. Chamei o Bruno pra subir comigo para as cabines iluminadas do banheiro. Ele voltou a me chupar, eu o chupei também. O pau dele era grosso, bonito, torto para baixo. Pediu que eu parasse um pouco, estava quase gozando. O virei de costas. Ele é grande mas a bunda é estreita, redondinha, muito masculina. E carnuda. Afastei as nádegas e o buraquinho era a coisa mais linda! Pedi que ele colocasse um dos pés sobre o vaso sanitário. Ele inclinou o corpo para a frente e ainda usou as mãos para abrir a bunda - o cuzinho rosado de bandeja pra mim! Eu me esbaldei, de boca, língua, meu rosto todo. Ele gemia alto e grosso quando eu ia fundo com a língua. Puxava minha cabeça contra ele e me deixava sem ar.

   -Me fode agora, pediu.

   Peguei a camisinha que eu tinha deixado sobre a mureta. Estava difícil de abrir.

   -Abre pra mim.

   Ele se esforçou. Mesmo usando os dentes várias vezes, não conseguia abrir. Começamos a rir da situação.   Peguei o envelope de volta e finalmente consegui arrancar a camisinha de dentro. Botei no meu pau, também com dificuldade - parecia justa demais - ele me ajudou a vestir. Minha ereção já estava a 75%.  Tentamos a penetração por um tempo, mas ele sentia dor, e eu já estava desconcentrado. Tirou minha camisinha e voltou a me chupar.

   -Quer gozar agora?

   -Você não consegue dar?, perguntei, decepcionado.

   Pensou um instante.

   -Não.

   Sua resposta e a pausa anterior me soaram mais como "Você que não conseguiu me comer..." E eu queria tanto. 

 Gozou se masturbando enquanto me chupava. Eu não gozei. Estávamos mortos de calor, transpirando muito.

   -Preciso de outro banho, sugeri.

   -Eu quero um banho gelado!

   Foi na frente, que eu queria mijar. Quando cheguei no chuveiro, ele estava aos saltos, muito grandalhão e desengonçado, embaixo do chuveiro gelado. Não pude conter o riso. Ele me jogou água gelada e eu também acabei tomando um banho frio muito energizante.

   Depois do banho, desceu ao armário para buscar uma toalha seca e fiquei sentado ali fora. Voltou, foi tomar outro banho pra trocar de toalha, disse que tinha impressão de que aqueles caras o tinham babado inteiro. Realmente. Enojado com a recordação, tive de trocar de toalha e tomar outro banho também. Conversamos ainda um pouco, ele mora ali na Vila Mariana, é médico, tem 28 anos. Precisava ir embora. Trocamos telefones e vamos tentar nos encontrar outra vez. Ou não.

   Precisava gozar ainda. Todos os garotos engraçadinhos tinham ido embora, e eu só via agora caras bem mais velhos e os feios. Fiquei perto da entrada, assistindo novela, esperando chegar alguém interessante. Sei que nesses casos, quando só tem bagaço, quem chegar, eu pego. Exceto por uma pequena margem de erro. Custou, e quem entrou não era lá essas coisas. Moreno, aparentava uns 44 anos, aproximadamente 1,85m. Corpo bom, de formas bonitas, costas largas. Tórax excessivamente peludo. O rosto não era feio, mas não tinha nada que me chamasse atenção. Parecia ter cabelos meio ralos, mas não lembro com certeza. Passou direto por mim, andou pra lá, andou pra cá, foi comer um lanche no bar. Passei por ele, me cumprimentou. Ainda tinha bastante gente na sauna. Dei uma geral e não tinha outra opção mesmo. Quando eu ia saindo do lado escuro, nos cruzamos, ele vinha entrando. Passou por mim, e desta vez nada indiferente. Dei meia volta:

   -E ai!

   -Tudo bom? Prazer, Daniel - disse estendendo a mão.

   -Yuri.

   Toquei seu peito. Deu a impressão de alguém que tomava bomba e parou, quando a musculatura mantém a forma mas fica mole, murcha. Eu sabia que ele tinha acabado de comer e fiquei com receio de tentar um beijo. Visto de perto o achei bem mais interessante, gostosão, simpático, voz bonita. Contou que era do Rio de Janeiro, em São Paulo a trabalho. Chamei para um canto vazio e escuro, onde dependuramos nossas toalhas e nos beijamos. Felizmente tinha escovado os dentes e foi muito agradável o beijo. Só a barba que era muito cerrada, áspera. Estava todo limpo, cheiroso. Ninguém passava por ali naquela hora. Agachei e prestei-lhe um boquete, ainda tímido.

   -Vamos lá pra cima, pro claro?, convidei.

   -Quer pegar um quarto?

   -Eu estou sem grana, mas se você quiser...

   -Pode deixar.

   Foi à recepção e voltou com a chave do quarto. Eu nunca tinha entrado num quarto da For Friends. É pequeno, deve ter uns 6 metro quadrados, paredes pretas. No centro, uma cama estreita com colchão revestido de um tipo de napa prateada, ao seu lado um criado mudo com abajur e uma cadeira. Toalhas, preservativos, lubrificantes.

   Deitou-se sobre mim e nos beijamos demoradamente.

   -Sua boca é muito gostosa!

   Passei para cima, queria chupar mais. Depois botei meu pau na cara dele, que resistiu um pouco, mas me chupou também. E bem gostoso. Ergui suas pernas e lambi a bunda, enquanto nos olhávamos nos olhos. Perguntei se ele queria me dar.

   -Hoje não, não vai rolar.

   Ele era meio afoito e às vezes até bruto, mas percebia e se desculpava. Fizemos um 69 tradicional e depois cada um metendo a língua na bunda do outro, simultaneamente. Foi muito excitante, mas no dia seguinte estava com torcicolo. Além de ter ficado com o colo e a maça do rosto esquerda "lixados" pela sua barba , e um chupão roxo no abdome. Parecia que tinha levado uma surra.

   -Quantos anos você tem?, perguntou.

   -37 e você?

   Adorei sua cara de espanto.

   -Puta, eu estou acabado mesmo, cara! Tenho 31 e achei que você fosse bem mais novo que eu.

   Eu achava que ele tivesse uns 44, bem conservados. Não consegui esconder minha surpresa:

   -Sério?!

   Conversamos um pouco ainda. Me masturbou e chupou até me fazer gozar. Eu estava me excitando desde de tarde, sem gozar, e a porra espirrou longe, até meu rosto. Ele gozou também, sobre mim.

   Agora eu só queria deitar um pouco, relaxar. Ele deitou do meu lado e foi logo dizendo:

    -É tarde, não posso ficar deitado muito tempo.

  -Que horas são? - perguntei, sem conseguir esconder muito bem minha mágoa boboca.

   -Umas nove e meia.

   Levantei e peguei a toalha:

   -Vou nessa também.

   Tomamos banho juntos, calados. Terminei antes:

   -Vou descendo. Falou. Valeu...

   Dei um beijo no rosto, por trás, quase na nuca, e desci. Tentei me vestir rápido, mas ainda deu tempo de ele descer e começar a se vestir. Clima estranho. Sem saber o que dizer, saí calado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários