domingo, 13 de novembro de 2016

Sextas-Feiras Costumam Ser Pródigas


    Minha ansiedade era tamanha para fazer massagem tântrica outra vez que nem esperei ter a grana que eu tinha estabelecido como meta para me conceder tal presente. No site do centro de massagem mais tradicional do país, busquei um terapeuta na lista dos que atendem em SP. O site exibe uma foto e o currículo de todos eles. Procurei os que me pareceram mais bonitos e mandei uma mesma mensagem de Whatsapp para 5 deles. Um deles foi super simpático e me passou muita confiança. Outro foi mais técnico, mas era um homem belíssimo, também atencioso e pareceu manjar da história toda. Dois descartei por me parecerem desinteressantes no papo ou foto. Um outro disse que não atedia mais, apenas dava cursos, e se ofereceu para indicar alguém. Adicionei o número que ele me passou e reconheci a foto que tinha visto na lista do site. Eu o tinha achado um rapaz bonito, mas sem sal. Cabelos claros cacheados, bronzeado de sol, cavanhaque e bigode. Mandei a mensagem para ele (Ctrl C + Ctrl V) e a mensagem veio em gravação de voz. Voz é uma coisa que mexe demais comigo. Foi muito gentil e atencioso, paciente ao explicar todo o processo, respondeu a todas as minhas dúvidas. Tinha um carregado sotaque carioca e um ar talvez excessivamente seguro de si. A voz, o jeito de falar, me lembravam muito a minha mais recente paixão platônica: um cara lindo que conheci num trabalho. A gravação do terapeuta tântrico era ao mesmo tempo sexy e profissional. Perguntei sobre marcarmos uma sessão e ele disse que iria viajar, voltaria em 10 dias. Nessa data eu estava em SP e mandei mensagem pra tentar marcar, pois haviam desmarcado minha reunião daquela noite. Ele já estava com a tarde toda comprometida e deixamos combinado para sexta, 11/11. Na noite anterior stalkeei seu perfil no Facebook e vi que ele tinha cortado o cabelo bem curtinho, quase raspado, e que parecia um cara adorável, bem mais interessante que na foto do perfil do site.

    Era uma tarde semi nublada e muito abafada. Cheguei esbaforido (havia me enganado com o endereço e me atrasei alguns minutos) e derramando suor. Reconheci sua voz no interfone, me identifiquei e subi. O achei ainda mais bonito pessoalmente, o que me deixou um pouco tímido. Foi delicado e atencioso. Bebi água e subimos para o quarto. É uma casa bem grande, decorada sem qualquer vestígio de vida ou calor humano. O quarto era praticamente vazio: duas cadeiras num canto, na mesma parede da porta, um colchão de solteiro atravessado no chão e mais algumas poucas peças, tão insignificantes que eu seria incapaz de descrevê-las. Luz fria no teto e, na parede oposta à da porta, uma instalação com 3 ou 4 lâmpadas tubulares apagadas, formando um desenho também impossível de me lembrar. O rapaz estava vestido de preto e usava sandálias de couro, que deixavam os bonitos pés à mostra. Fazia o estilo riponga gostoso. Sorriso lindo, olhar límpido, bem alto e queimado de sol, porte atlético. Jeitão de garoto, mas convencia quando falava sério, justamente por não ter se mostrado arrogante em nenhum momento.

   Perguntou o que me levava ali e conversamos um pouco. Fez questão de mencionar a namorada mais de uma vez durante esta breve conversa, além de "outras mulheres" que teriam entrado na sua vida e que teriam despertado a insegurança da tal namorada. Eu sabia que todo esse papo era para esclarecer de vez que ali não haveria sexo. Imagino que muitos pacientes devam ser inconvenientes. Simplesmente porque ele é gato e o ser humano é dado (e afeito) à falta de noção. Sim, ele é hétero e massageia genitálias masculinas, caralhos pra ser mais direto, até o orgasmo. É contraditório? Não necessariamente. Se formos pensar bem, somos muito maniqueístas e bitolados. É uma terapia sexual, envolve técnicas que prometem ampliar nossa consciência do próprio corpo e da energia sexual, que é bem mais complexa e descentralizada do que julgamos, além de libertar de bloqueios e traumas. Desenvolve a sexualidade, mas não é sexo. Ele explicou que, além da terapia tântrica, também trabalha com hipnose, renascimento, programação neurolinguística e outras coisas sobre as quais nunca havia ouvido falar. Contei que tenho tido nos últimos anos alguns problemas de queda de libido e de ereção, principalmente para mantê-la. Um pouco exitante, lembrei que sofri abuso sexual dentro de casa por toda a minha adolescência e que isso me marcou muito profundamente, o que acredito que deva ter relação com todas essas minhas questões sexuais (além de muitas outras). Tive a impressão de que ele ficou um pouco desestabilizado com essas informações. Imagino que seja complicado tocar o corpo de alguém que foi molestado.

    Explicou como seria a sessão, pediu que eu me despisse e ficasse de pé sobre o colchão, virado para ele. Começaríamos com uma meditação, um exercício respiratório. A luz clara não ajudava em nada para que eu me sentisse confortável ao me despir. Tentei agir naturalmente, mas sentia-me vulnerável e feio. Estou uns quatro quilos acima do meu peso ideal e isso ajuda a baquear minha auto estima. Além disso, farei 43 anos muito em breve. Saber que estou nu diante de um jovem muito atraente, hétero (que não teria motivo para sentir atração sexual por mim), de certa forma me abala. Não entendi o porquê, mas ele decidiu mudar de estratégia antes de começarmos. Pediu que eu me deitasse, acendeu as lampadas tubulares azuis e apagou a outra lâmpada. Fiquei muito mais confortável na penumbra azulada. Ele andava em torno do colchão e me dava instruções. De olhos fechados, eu deveria imaginar uma luz azul nas plantas dos meus pés, que iria subindo e tomando meu corpo inteiro até explodir e queimar, ainda azul celeste, no meu peito e depois na minha fronte. Agora eu estava no vazio, um vazio azul e silencioso, onde veria meus traumas se desfazendo e apagando lentamente. Eram instruções breves e eu mal tinha tempo de pensar direito para formular essas imagens. Sob meus pés cresciam flores, alfazemas azuis que formavam um caminho por onde eu andava serenamente. Essa imagem me trouxe a ideia de uma morte em paz.

    Não lembro se houve mais instruções antes de inciar a me tocar. Toques sutis e pontuais, muito rápidos pelo corpo. Alguns estalos de dedos e palmas pareciam afugentar algum tipo de energia, ou servir para dispersar a minha atenção. Meu indicador direito começou a se mover sozinho sem parar. Eu não sabia se era tensão ou se alguma reação já estava se dando. Sentia-me calmo e relaxado, mas fiquei com vergonha de que ele percebesse os espasmos. Esses estímulos foram ficando um pouco mais lentos e duradouros, ainda percorrendo toda a parte dianteira do meu corpo, incluindo o pênis, escroto e períneo. Eu me sentia um pouco constrangido com as reações do meu pau. Como se me fosse proibido levar aquilo como um estímulo sexual, como se não fosse para reagir. Virou meu corpo de um lado, estimulando da mesma forma, depois do outro lado e de costas. Então, começou uma massagem extremamente surpreendente com as pontas dos dedos. Tem um efeito delicioso, como milhares de mãos me acariciando ao mesmo tempo. Eu poderia ficar dias ali. Seus dedos ágeis percorriam todo o meu corpo com um toque que me fazia vibrar. Eu não entendia o movimento de seus dedos na minha pele, mas era um estímulo muito novo e potente para mim. Sentir o seu corpo tão próximo e inatingível dava um tilt no meu cérebro. O meu primeiro massagista tinha feito isso e foi apenas agradável. Pode ser química, energia; pode ser técnica mais apurada ou dom. Pode ser minha fantasia agindo. Quando ele massageava minha bunda ou os genitais, eu ficava confuso e agradecido. Imaginava se ele sentia aversão pelo meu corpo ou se havia alguma possibilidade de sentir desejo.

    Não consigo recordar se houve alguma etapa de transição para a Lingam Massagem. Esta é concentrada nos genitais. Eles fazem questão de ressaltar que não se trata de masturbação, mas é. Alguns movimentos, ou manobras como eles chamam, são realmente diferentes dos métodos convencionais da masturbação. Mas estimular genitais com as mãos no intuito de provocar orgasmos é masturbação sim. O que diferencia, neste caso, é a consciência do operador e também do cliente, que já está com a percepção alterada pela massagem anterior. Afastou minhas pernas e se ajoelhou entre elas. Calçou luvas de látex e derramou óleo sobre meus genitais.

    Confesso que fiquei bem nervoso, sem saber como me comportar (ou como me deixar levar simplesmente), outra vez inseguro e tímido. Já não tinha excitação e meu pau estava quase flácido. Ele me pedia para relaxar o corpo e destravar a mente. Que me concentrasse nas sensações do meu corpo, sem fantasiar, sem psicologismos. É difícil. Um rapaz adorável, gato, que eu acabara de conhecer, me masturbava agora. Eu queria olhar, queria muito tocá-lo e que ele me desejasse. Percebia que ele se esforçava fisicamente para que eu chegasse a um nível de excitação e autoconhecimento, e meu corpo se travava. Chegou a ser desconfortável. Ele ia me guiando com a voz e sempre voltava a acariciar meu períneo, saco, ventre e peito. Era o que mais me trazia prazer, bem mais que as manobras no pênis. O fato de usarem luvas já é um banho de água fria para mim. Corta o contato. É óbvio que se o cliente ejacula, o massagista tem que estar protegido por luvas. Mas vai explicar isso pra mim... Já fiquei me sentindo rejeitado e repugnante:

    "Ele é hétero, está me masturbando e eu nem pra ficar de pau duro. Se eu tiver uma ereção, ele vai perceber que estou atraído e criar barreiras para me mostrar que não podemos ter sexo. Será que estou muito feio e gordo? Tem nojo do meu pinto? Acha que sou um idiota? Se eu abrir os olhos, vai ficar irritado ou me passar uma bronca?"

    Eu evitava o contato das minhas pernas com o seu corpo, tão próximo e desejado. Levantou-se e ergueu minhas pernas, massageando meus pés. Disse que era para levar mais sangue aos genitais e conseguir uma melhor ereção. Achei meio humilhante isso daí, garoto! Depois de mais um tempo de massagem, tive alguns espasmos. Contraí a bunda e o abdômen, movendo a coluna vertebral, e ele disse para eu continuar com esse movimento, contraindo e relaxando. Funcionou. Comecei a experimentar uma ereção. Outros espasmos vieram, fazendo meu corpo serpentear em ondas de prazer. Eram como orgasmos secos, sem ejaculação. Muitos, centenas deles, continuamente, por muitos minutos. Eu precisava gozar, minhas bolas já estavam doendo quando ele encostava. Em alguns momentos, eu sentia que ele levantava o corpo, aproximando o quadril do meu. Minhas pernas já não tinham controle e se apertavam ao seu corpo. Minha voz também não tinha controle, gemidos estranhos saíam sem eu me dar conta. Fiz esforço para ejacular, mas não rolou. Quando ele terminou, me pediu que ficasse deitado, conectado ao meu corpo, às sensações que tinha vivido e ao meu estado do momento. Tirou as luvas e foi para o banheiro. Demorou uns minutos e voltou. Sentou-se ao meu lado e deu mais algumas instruções. Disse para eu abrir os olhos e acendeu a luz. Sentei encolhido e ele veio pro meu lado conversar sobre a experiência. Ele pareceu muito fofo, interessado no meu processo. No começo eu tinha timidez de olhar para ele logo após tamanha intimidade fisica, mas fui ficando à vontade, mesmo nu e na claridade. Fui explicando como tinha sido e ele disse que foi muito positiva essa reação espiral da minha coluna, a energia kundalini. Fui tomar um banho e pensei em me aliviar e ejacular me masturbando, mas não o fiz. Tava osso de remover o óleo do corpo. Saí do banheiro com a toalha na mão, meio que me escondendo. Quando estava vestido e acabou o assunto, disse que o pagaria com cartão. Para minha surpresa, eles não usam máquina de cartão. Ele não havia me informado pelo Whatsapp. Fomos juntos ao posto de gasolina há algumas quadras para eu fazer o saque, pois ele diz não ter qualquer vínculo com instituições bancárias. Nesse trajeto, conversamos um pouco:
      -Ele é do Sul e "contraiu" o sotaque carioca carregadíssimo quando ficou no rio para um curso, o que desgosta demais a sua família
    -Tem apenas 20 anos de idade (o que nos leva a dar uma idade sempre mais elevada a quem é alto?)
    -Não tem residência fixa. Revesa-se entre a casa da namorada, a de um amigo e a própria clínica onde atende.
    -Está juntando uma grana (fiquei imaginando como fazer isso sem ter uma conta nem residência fixa) para abrir um espaço próprio, pois discorda de algumas limitações impostas pelo centro onde atende.

    Paguei a sessão e nos despedimos. Mudei de caminho para procurar um sebo de livros que havia visto na ida e notei um rapaz indo uns 30 metros à frente. Loiro, jovem, corpo musculoso, olhava para trás e percebeu que eu olhava para ele.  Tinha uma grande mochila preta nas costas. Decidi me aproximar e ele continuava olhando para trás. Numa esquina, como tivesse parado por causa do trânsito, o alcancei. Atravessei na frente e ele foi ficando para trás agora. Senti-me um otário. Parei sob uma pequena árvore e encostei num muro, olhando para ele. Passou olhando timidamente, deu três passos, voltou e me cumprimentou. Começamos a andar lado a lado. Ele disse que tinha me confundido com um amigo idêntico a mim que mora na mesma rua em que nos encontramos. Fiquei confuso. Contou que mora por ali e estava indo para casa. Por mais que eu quisesse, não conseguia acreditar que ele me chamaria para ir a sua casa. Era um carinha bonito, suave, uma beleza angelical. Não sexy, mas gostoso de corpo e bastante interessante. Perguntei como chegar à rua do sebo e me fui.  Assim! Sem ao menos dizer que curti o cara, sem fazer uma tentativa. Sou um tosco, que raiva me dá! Comprei um livro de partituras do bamba Wilson Batista e me mandei para a sauna. Precisava desanuviar tanta contenção. Tento evitar a sauna, mas é o único lugar onde tenho sexo razoável. E sextas-feiras costumam ser pródigas. Escolhi um quarto no andar silencioso. De cara achei que estava um dia ótimo: ao meu lado um cara lindo tomava banho. Mas não foi bem assim. Ao todo, foram três caras. Nenhum era lindo. Sequer bonito. 

    O primeiro encontrei no escurão lá do fundo do primeiro andar. Me aproximei, nos beijamos e apalpamos. Eu o convidei para o meu quarto. Mal entramos e nos deitamos, ele estava de pau mole e disse que ia dar uma volta. Pronto, minha autoestima desceu mais alguns andares. Um cara que nem era lá essas coisas me deu esse fora abrupto!

    O segundo também encontrei ali no escuro. Bem musculoso, estatura baixa, se aproximou e foi logo pegando no meu pau. Me chamou para uma cabine. Ele tava de cueca branca. Nós beijamos e eu enfiei a cueca no cu dele. Acho um puta tesão fazer isso. Enquanto nos beijavamos intensamente, eu puxava a cava da cueca com uma mão e massageava a bunda com a outra. Ele virou e ofereceu a bundona musculosa. Pedi pra me chupar e ele se recusou. Deu uma camisinha, queria levar na bunda mesmo. Fomos pro meu quarto. Lá eu vi que ele é mestiço com japonês, com pernas e braços curtos de japonês. Rosto grosseirão, mais pra feio, mas passável. Corpo bombadão, trincando. Se jogou de quatro na cama, eu de pé ao lado dela, e pediu: Vai com calma. Tem gel? Tenho. Meti com jeito e logo estava fodendo com força. Eu precisava gozar, minhas bolas estavam me matando. Ele se contorcia, gritando. Gozei, nem cinco minutos de foda. Eu tinha certeza de que ele tinha gozado (ô cara mais escandaloso!), e gozei. Achou ruim, reclamou. Eu ri, acanhado. Pediu que eu mostrasse os dentes de novo. Caramba, perfeito! Você é dentista? Pois é. Deu um tapinha de leve no meu rosto. Não posso com isso. Mantive a postura impassível e ele continuou com aqueles tapinhas, aumentando a força, me testando. Segurei seu braço com olhar sério e ele se foi.

    O terceiro foi na hora em que eu já estava precisando ir embora. O encontrei sozinho sentado no cinema. No escuro, era um corpo do tipo que eu curto: altão, magro, com músculos bem desenvolvidos mas sem exagero, cabeça raspada. Sentei ao seu lado e vi que era feioso, mesmo no escurinho do cinema não enganava. Pau grande, grosso. Eu não tinha chupado ninguém, fazia tempo que não chupava uma rola. Fiquei a fim. Me beijou, bom hálito. Queria me comer. Dá pra mim, por favor, vai. Fomos pro quarto. No claro pude constatar: sim era feio pra caralho. Velho, mal cuidado, calvo, esquisito. Mas eu tava louco de tesão. Chupou meu cu e eu chupei muito a rola dele. Rola boa, bem grossa. Perguntou se podia pôr a camisinha. Eu tava com medo, mas peguei o resto do gel que tinha sobrado do japa e me lambuzei. Ele pôs duas camisinhas - o que foi bizarro, mas beleza. Lubrifiquei sua rola e ele veio me comer de lado. Diminuí a luz para encarar a situação. Foi muito difícil de entrar. Levamos uns bons minutos tentando. Mas foi. Nem cheguei a me acostumar com aquela rola dentro de mim, me esticando o esfincter ao limite, mas fodeu forte e eu curti sim. Curti muito dar a bunda pra aquele cara. Ele me virou de frente e me fodeu de frango assado, segurando minhas pernas. Eu sentia o pau roçando a minha próstata, um puta tesão do caralho. Beijava minha boca gostoso enquanto fodia e eu delirava. Gozei com o pau  dele lá dentro, estrangulando a jeba com o cu. O tempo todo pensando no terapeuta, fingindo que era ele quem me comia e beijava com tanto carinho e tesão.























Nas fotos, o muso absoluto Lucas Bernardini

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários